23/01/2017

Os emprestados

Ponto prévio: Markovic está de volta ao Liverpool.

Há que reconhecer que foi um falhanço total, para nós e para o próprio jogador. Não deixa de ser curioso, como aqui abordei, que Markovic tenha falhado no Sporting e Carrillo não esteja a impressionar no Benfica. As "golpadas" nos rivais já não são o que eram...

Esta introdução serve apenas para puxar o tema dos "emprestados". Faz sentido um clube como o Sporting ter jogadores emprestados de outros clubes, sim ou não?

Tenho vários amigos que entendem que não, de todo. Abririam exceções para situações muito particulares, como foi o caso de Nani, mas fora isso não admitiriam nenhum empréstimo.

Eu percebo a ideia: um clube com a qualidade que o Sporting tem na formação, e que precisa de dar continuidade e estabilidade aos seus plantéis e projetos desportivos, que devem ter também uma componente forte de comprometimento (até porque dificilmente seremos os mais fortes à partida), não ganha muito em trazer jogadores que não se enquadrem totalmente neste perfil. No fundo, são elementos estranhos à lógica prevalecente e necessariamente para o curto prazo, o que num clube que pretende (?) potenciar os jogadores que constantemente forma parece até contraditório.

Ainda assim, eu não sou tão radical porque pode haver situações em que a formação não produziu (ou produziu mas falta potenciar) e as soluções no mercado são demasiado dispendiosas. Um exemplo claro é a posição de GR; nós temos tido Rui Patrício mas se RP quiser sair, a solução para n.º 1 não é óbvia. Havendo uma solução boa por empréstimo, até que seja encontrada uma solução definitiva, não me parece má ideia. Pensando noutro exemplo, há uns anos, a contratação de De Franceschi fez sentido (independentemente de muitos, hoje, considerarem o jogador fraco) porque para aquela posição simplesmente não havia mais ninguém.

Mas concordo genericamente que num clube como o Sporting os empréstimos, por princípio, não fazem sentido.

Olhando ao plantel que tínhamos em julho de 2016, as contratações de Campbell e Markovic, ainda assim, não eram propriamente aberrações. Não era claro que Gelson ia ser aposta a titular e além de Gelson existiam "apenas" BRuiz e Iuri para extremos. Considerando que tanto Markovic como Campbell poderiam também jogar na posição de segundo avançado, tudo parecia aceitável.

Como uma das contratações falhou claramente (Markovic) e a outra (Campbell) ficou prejudicada pela afirmação de Gelson, ambos deverão ser devolvidos. Não me parece mal: se Campbell (com maior ou menor perfil) fosse um titular indiscutível, era de manter até final da época. Sendo suplente, e estando o campeonato perdido, não faz sentido - é preferível fazer subir Matheus Pereira e dar minutos a um jogador promissor.

Quanto ao futuro: tratar o empréstimo como algo de anormal e puramente circunstancial.

9 comentários:

  1. Concordando com o essencial do Post coloco-lhe a seguinte questão: não acha que devolvendo Markovic à precedência e mesmo que mantenha Campbell - o menos mau de todas as aquisições exceptuando Bas Dost, acho eu - deveria o Sporting determinar o regresso de Iuri?
    Não terá sido esse um dos grandes erros de JJ ao ter perdido J.Mário mesmo que contasse com a evolução de Gelson?
    Apenas acrescento que defendo a devolução de quase a totalidade dos reforços. Face ao que jogaram e à sua real utilidade - aos estragos concretizados em termos de objectivos desportivos - não viria daí mal ao mundo. Defendo em complemento a integração imediata de vários dos jovens dispensados com excepção de Podende que deve continuar a jogar no Moreirense porque ainda tem muito para amadurecer. Iuri, Geraldes, Tobias e Gauld de regresso a casa, para o mister lhes explicar com tempo a "ideia de jogo".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em teoria, sim.

      Mas eu diria que temos que ver caso a caso. No ano passado o Semedo voltou para jogar. Fez sentido. E jogou bem, até porque é sempre mais fácil integrar um jovem jogador numa equipa com dinâmica de vitória (em particular tratando-se de um jovem da formação) do que integrá-lo numa equipa em mau momento (os jovens acusam sempre mais a pressão e nas bancadas não se fazem distinções).

      Tendo em conta o momento da equipa diria sumariamente o seguinte:

      Iuri: não começou particularmente bem no Boavista e agora está a jogar regularmente e a ter um bom rendimento. Será que vale a pena trazê-lo de volta para jogar pouco (recordo que há BCesar e BRuiz, para além de Gelson, jogadores de quem JJ gosta bastante), ainda para mais quando a equipa está neste "momento psicológico"?

      Geraldes: nem Marco Silva nem JJ o quiseram inicialmente, faz sentido fazê-lo voltar depois da renovação de Schelotto (nem comento...) e quando o lançamento de Esgaio a DD, sendo uma realidade, é ainda intermitente (porque, lá está, o momento não facilita a sua integração)? O regresso de Geraldes implicaria novo empréstimo de Esgaio? A menos que Esgaio passe a ser solução no meio-campo (sempre foi onde pensei que pudesse ter mais rendimento).

      Tobias: havendo Coates, Semedo e Paulo Oliveira (e mesmo assumindo a saída de Douglas), será que Tobias teria lugar? Eu este gostaria de recuperar, até porque o Nacional vive uma época traumática. Mas entre jogar no Nacional ou ser 4º central, o que será melhor para a evolução do jogador? Além de que o 4º central pode perfeitamente ser um dos que está na equipa B.

      Gauld: aqui o caso é diferente, eu acho que se JJ apreciasse o jogador ele estava no plantel... Este eu integraria seguramente porque não vejo outro no plantel com as suas características e poderia permitir transfigurar o sistema de jogo num falso (ou verdadeiro mesmo!) 4x3x3. Mas honestamente acho que JJ não aprecia o jogador.

      SL

      Eliminar
    2. O Geraldes de que eu falava era o Francisco. Mas o que diz sobre o defesa justifica-se plenamente e eu subscrevo. O que mais me decepciona no Esgaio -que eu sempre defendi como alternativa ao inenarrável Schelloto - é a sua incapacidade para arrancar um cruzamento que jeito tenha.
      Quanto ao Gauld acho que é uma das duas maiores azelhices de JJ apenas comparável à de Iuri. A sua capacidade para jogar atrás do ponta de lança ou a partir da ala, pela capacidade de aceleração e pelo último passe letal não tem paralelo no plantel. Imagino o que nalgumas situações Geraldes, Iuri e Gauld podiam trazer ao jogo da equipa.
      Eu ponho as coisas nestes termos: entre ter um treinador tão bom quanto JJ e ter que abdicar de jogadores como Iuri, Gauld, Geraldes, Matheus e outros, eu passava a guia de marcha ao treinador. Aliás uma SAD que se preze não dá carta verde aos treinadores. Quem deveria definir numa equipa com o historial formador do Sporting quem passa para a equipa sénior deveria ser a estrutura que lidera a formação. Não podemos correr o risco de estar à mercê das idiossincrasias do treinador. Por essa via podíamos ter perdido os Figos, os Ronaldos e os Nanis.
      Quanto ao Tobias eu acho mesmo que tivemos muito azar com o Nacional. A equipa é muito fraca e jogar lá não adianta grande coisa.

      Eliminar
    3. Quanto ao Francisco Geraldes aplica-se um raciocínio semelhante ao do Iuri e mesmo do Tobias: estando a jogar regularmente, faz sentido interromper esse ciclo de evolução e afirmação do jogador?

      Vejamos quem já temos disponível: Bruno Paulista, por exemplo (e o que é feito de Wallyson?) ou Matheus Pereira.

      Eliminar
    4. Naturalmente que o BPaulista seria em vez do FGeraldes e o MPereira em vez do Iuri...

      Eliminar
  2. Boas MMS,

    Não me vou armar em esperto e dizer que Markovic sempre me pareceu flop, mas é verdade e disse-o aos meus amigos :) Passo a explicar: Sempre foi jogador de contra-ataque nós jogamos quase em exclusivo em ataque continuado; MArkovic foi empolado na imprensa por causa do golo ao Sporting e venda mendilhona, nc foi indiscutivel com JJ salvo erro fez 18jogos completos de resto entrava no decorrer. Foi uma oportunidade e JJ sempre gostou dele não resultou infelizmente.
    CAmpbell - concordo que foi muito prejudicado pela temporada de Gelson já que parece que joga melhor no lado direito, muito anárquico a nível de decisões mas já foi importante em alguns jogos.

    Com a saida do primeiro não acredito que entre ninguem, talvez se comece a dar alguns minutos a MPereira o que sinceramente prefiro. Se o Campbell sair acredito no regresso de Iuri (a quem me pareceu que JJ dedicou algum tempo na Pré-epoca apesar de não se ter traduzido em minutos).

    Por outro lado fala-se na provavel saida de Elias, Andre, Marvin e em relação a estes só tou a ver o Sporting ir ao mercado por um LE e depois trazemos o Gauld ou o Geraldes maravilha e sob condições de pressão terrível vão ser o Palhinha, Gauld/Geraldes, Matheus/Podence, Iuri que vão ter a responsabilidade de lutarmos pelo 2º(?)lugar ?

    Complicada esta gestão, para não falar que fica a faltar petrovic, jefferson, castaignos e douglas para outra lua de mel...


    Muitos erros, muito mau planeamento onde se salvou Dost, Beto e a esperança Ruiz. Custou-nos, entre outros factores, incontroláveis a temporada. Mas o meu medo é que JJ não perceba que a nível tático a equipa também não está bem isto não é só do jogador A ou B, de foro psicológico ou gatunagem. Existem problemas táticos e agora era uma boa altura de mostrar porque é que é dos melhores a nível tático e de treino.

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gostei bastante dele (Markovic) no Benfica e achava que podia resultar

      Mas, mais do que o perfil do jogador, o facto de ter estado quase 2 anos sem jogar, aliado ao momento em que chegou, prejudicou a sua afirmação e integração na equipa.

      Eu não vejo o Sporting a ir ao mercado em circunstância nenhuma. Posso estar enganado mas a sentença Doyen está a limitar-nos os movimentos. A conversa da provisão é uma grande treta porque a provisão é um mero movimento contabilístico; agora é preciso pagar e aí não há contabilidade que valha: têm que sair 15 milhões. Creio que isso está a limitar a nossa intervenção neste mercado.

      SL

      Eliminar
  3. Markovic foi a desilusão da época. Era o único jogador contratado que podia efectivamente elevar a qualidade da nossa equipa. Isto porque acho que ninguém esperava que Bas Dost se viesse a revelar o jogador que é, mesmo tendo custado 10M de euros.

    Acho que houve erros de todas as partes. O jogador não apresentava bons índices de confiança. A equipa não estava tão organizada quanto seria de esperar. Os adeptos a assobiarem-no ao fim de 2 ou 3 jogos... Jorge Jesus não lhe deu oportunidades que cheguem para mostrar mais qualidade. Etc...

    Noutro contexto, poderia ter sido uma contratação bombástica.

    Cumps

    ResponderEliminar
  4. MMS,

    Havendo restrições por causa da doyen ou não, o mercado de Janeiro é horrível, os bons são titulares algures e mt caros e os que estão "à venda" provavelmente não acrescentam nada.

    Eu sou defensor como o era no início de época a integrar iuri, Geraldes e palhinha e re-integrar matheus, mas teriam que sair Elias, Campbell, petrovic e André. Mas aceito à partida uma irregularidade ao nível de resultados pq é o que esta aposta acarreta no decorrer desta época.

    A questão do LE não me parece minimamente possível resolver sem ir ao mercado

    SL

    ResponderEliminar