15/06/2016

Estatuto 1 - Seriedade 1

Disse aqui em posts anteriores que ir passear estatuto normalmente dá mau resultado. Referia-me a jogadores, mas aplica-se também a equipas. Portugal marcou e achou, como tantas vezes acham os grandes em Portugal, que o mais difícil estava feito. Descansou e pagou caro.

As seleções de nível médio aproximaram-se das grandes por um simples motivo: definem uma estratégia para os jogos e trabalham-na, ao passo que as grandes se vão fiando no estatuto e o jogo coletivo é quase inexistente (as exceções são Alemanha e Espanha, que efetivamente têm um futebol que vale a pena ver  e que é difícil de contrariar- na altura disse que também a Bélgica o tinha, pelos vistos nessa parte estava enganado).

Daí que o resultado mais desnivelado da 1ª jornada do Euro seja 2-0, em 3 jogos, sendo que apenas num deles (o Alemanha-Ucrânia) o resultado foi o "normal". O Hungria-Áustria foi um jogo entre seleções de nível semelhante, assim como o Itália-Bélgica (nunca se menospreza a Itália, há malta que não aprende...).

Mas não foi só o estatuto da equipa que a seleção foi passear. Foi também passear o estatuto de alguns jogadores, em particular Moutinho, que claramente não tem lugar. A dúvida neste momento é entre Adrien e Renato Sanches. Outros, como André Gomes e Danilo, não rendem mais porque não podem: André Gomes naquela posição nunca achei que valesse a pena (porque não recuar Nani para aquele papel, como peço há meses?); e quanto a Danilo, que sempre considerei um jogador interessante para suplente do William, como se recordarão os que me acompanham há mais tempo, tem vindo a provar que deveria ser isso mesmo, suplente do William (e, já agora, suplente do Ruben Neves no Porto, mas aí felizmente que ninguém me dá ouvidos).

Para que não pareça um 11 faccioso, deixo à escolha do freguês Adrien ou Renato. Mas de resto no próximo jogo seria Patrício, Cedric, Guerreiro, Pepe, Carvalho, William, Adrien/Renato, João Mário (péssimo jogo mas não tem alternativa à altura), Nani, Rafa, Ronaldo.

Isto assumindo que a ideia é obter o apuramento sem ser pela via do 3º lugar no grupo, claro... Porque caso o empate chegue, não vale de facto a pena ter João Mário de um lado e Nani do outro. Mantenha-se lá o André Gomes, num papel ingrato para o próprio (e até poderia jogar, também ele, no lugar do Moutinho), que lá rendeu a assistência para o golo, é verdade, mas pouco ou nada mais.

Teimosamente, acho que o selecionador vai jogar com o mesmíssimo 11, tirando Vieirinha por Cedric. Não deixa de fazer pena que um selecionador que, mesmo com tão pouco futebol, tinha mostrado ideias arejadas nas convocações, chegue ao Euro e faça o mesmo que todos antes dele fizeram: cria o 11 ideal e só os tira quando o INEM os leva ou, pior, quando um viking sai da crio-preservação para nos marcar um golo num Euro.


6 comentários:

  1. Concordo muito com isto. Na vida só o trabalho vence.

    ResponderEliminar
  2. Ah e mete lá o Renato. Ontem entrou e mexeu logo.

    ResponderEliminar
  3. O Renato mexe mas é inconsequente, tudo más decisões. Deixem-se de acreditar na campanha lampiónica.

    ResponderEliminar
  4. MMS,

    como bem sabes o futebol português vive de mitos. Há vários, daqueles que nos sustentam e iludem, elevando feitos e jogadores àquilo que nunca foram:
    - grande Euro 84 (em 4 jogos, vencemos 1);
    - Rui Costa como o melhor 10 de sempre e um dos melhores do Mundo (coitados do Deco e do Mário Coluna);
    - Bento como melhor que Baía;
    - Petit sozinho no meio-campo chega bem (Costinha e Maniche riram-se disto);
    - é impossível comparar Eusébio a Ronaldo (aqui concordo, só porque Ronaldo será sempre melhor);

    Agora, adicionámos novos mitos:
    - Renato Sanches é quase o melhor jogador do Mundo e tem de jogar (nem que seja pelos 5M que o Bayern tem de pagar);
    - André Gomes é o novo Rui Costa (só se for na arte de chegar ao fim do jogo e não ter necessidade de tomar banho);
    - Danilo é melhor que William porque sim, e porque foi o melhor do FCP (ainda bem para nós), e porque é bom de cabeça e também pode jogar a central (o jogo de ontem e o golo sofrido contra Inglaterra "confirmam" estas duas últimas teorias);
    - na frente só pode jogar Ronaldo + 1 jogador atacante;

    Para não entrar em discussões sobre "potencial" vs "qualidade" (para mim, ainda é a última característica aquela que ganha jogos), vou só ao último ponto.
    Porquê que a selecção são 4 defesas, 4 jogadores no meio e só 2 na frente, com capacidade para fazer golos? Porquê que para jogar Nani, não podem jogar, em simultâneo Quaresma e/ou Rafa? É assim tão mau tentar marcar golos?

    O 11 tem de ser esse que falas mas, como é óbvio, com Adrien em vez de Renato.
    Mas não vai ser. Adrien e Rafa foram só passar férias.
    A convocatória foi mal feita. Jogadores como Carriço (no lugar de Bruno Alves), Ruben Neves no lugar de Danilo e Pizzi no lugar de Sanches eram obrigatórios e davam outra qualidade à saída da bola e em jogar mais à frente. Depois, Éder e Gomes são anedóticos e era preciso mais "rasgo" (a lesão do Bernardo complicou).

    Mas isto vai dar para "safar" (8avos ou 4os). E isso, para a FPF e Mendes, chega.

    um abraço

    ResponderEliminar
  5. só mesmo o lagartismo mais fatela para vir aqui defender que há um "mito" chamado Renato Santos e que é fruto de uma "campanha lampiónica".

    O mesmo lagartismo que é responsável pela campanha mais nojenta e absurda anti-jogador que eu vi em Portugal:

    - primeiro pondo em causa a idade de um jogador de 18 anos que.... estava a jogar com seniores (!?!?);

    - depois até levantando a suspeita sobre um quisto no mamilo.

    Um conselho: deixem-se de brunices cavalares.

    Tenho a certeza de duas coisas:

    a) o Bayern não acredita em mitos;
    b) o Bayern agradece muito que Santos não o ponha em campo. Sempre evita que o menino se estrague.

    Quanto aos restantes outros "mitos", tenho de parar de escrever para me rir um pouco mais.

    Cresçam, pá !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. André,
      Só agora vi este teu comentário.
      Um ponto prévio: não percebo a necessidade de "lagartismos" e expressões desse tipo, por isso não vou por aí.
      Digo-te apenas o seguinte:
      - concordo contigo que foi lamentável a campanha contra o Renato Sanches (já to disse pessoalmente que nem a percebi muito bem);
      - mas também te digo que a pressão na comunicação social para que o gajo seja titular é absurda.

      Quanto ao que diz o Cantinho, discordo no Rui Costa, por exemplo, mas nalguns dos pontos tem toda a razão. O ponto do Danilo então é de bradar aos céus, o Danilo nem no Porto devia ser titular, o Ruben Neves é bem melhor. E olha que eu gostava de ter o Danilo no Sporting (mas para suplente do William).

      Abraço e deixa lá as bocas pá!

      Eliminar