07/09/2015

Seleção sem futebol

Sei que o tema interessa a poucos mas como já disse várias vezes eu gosto da seleção nacional. Não espero pelos grandes torneios para ver os jogos, vejo os apuramentos e até os amigáveis. Acompanho as convocatórias, gosto que jogadores do Sporting vão à seleção e quando possível vejo ao vivo. Com limites, apesar de tudo. Não me recordo de ter pago bilhete para ver um amigável da seleção, esses vejo na TV. Mas acompanho sempre.

Na 6ª feira tinha uma agenda complicada e não consegui ver o jogo com a França. Quando cheguei a casa, vi o resumo e depois recorri às gravações automáticas para ir espreitando alguns momentos do jogo. Só posso dizer que foi mau demais para ser verdade. O adversário era a França, é certo, mas a França recentemente até com a Albânia perdeu. E perder não é desculpa para o futebol (?) apresentado.

Realço o que já disse aqui em junho deste ano: Fernando Santos mudou, para muito melhor, o critério para as convocatórias. Ver Vieirinha e Cedric, ver José Fonte e Paulo Oliveira, ver Adrien e Danilo (já ia mesmo estando no Marítimo) mostra que vai quem está melhor, o que é essencial. Mas em termos de futebol, ainda não fez um jogo convicente.

Ganhou à Itália e à Argentina? Enfim, podemos muito bem estar perante uma das piores Itálias da história, basta lembrar que foi colocada no pote 2 no apuramento para o Mundial e ganhou com dificuldade a Malta na semana passada. Quanto à Argentina, é outro fenómeno de bons jogadores e péssimo futebol. Hoje em dia, futebol a sério, em seleções, tem a Alemanha, tem a Bélgica, ainda vai tendo a Espanha, e pouco mais (a própria França não jogou grande coisa, embora tenha sido muito melhor que nós). Daí que os as Islândias e as Áustrias tenham apuramentos garantidos e os Gales e as Albânias estejam lá muito perto. A qualidade caiu muito, os países médios, com estratégias mais seguras, acabam por aguentar os "grandes".

Portugal tem o melhor jogador europeu da atualidade, tem uma defesa experiente (basta não inventar: Coentrão a DE!), no meio-campo jogadores muito promissores (William e João Mário, por exemplo), tem ainda jogadores como Nani ou Danny e como reserva e uma seleção sub-21 que esteve na final do Euro da categoria (Bernardo Silva até já tem lugar indiscutível na seleção A). Falta o que já vai faltando desde os anos 80: um PL. Que não será Eder, mas enfim...

Fernando Santos até pode ter pouco tempo para trabalhar. Mas pouco tempo é o que têm todos. Ele que use o sistema com que tentou começar, sem PL fixo, mas com os intérpretes certos. Para o meio-campo, tem William (Danilo), Moutinho (Adrien/Pizzi/Tiago), Nani (João Mário), Bernardo Silva (João Mário). Nos jogos mais durinhos, tem ainda Tiago, um jogador experiente. Contra equipas mais físicas, poderia jogar André Gomes. No ataque há poucas opções, mas há CR. Monte a equipa em função dele e ponha os criativos a jogar.

Assim, como estamos agora... vamos ao Euro, provavelmente. Mas voltamos rapidamente para casa.

1 comentário:

  1. Boa tarde!

    Passem pelo meu blogue e leiam o meu artigo onde me debruço sobre o mandato Godinho Lopes ao nível do futebol, com o título 'E se as bolas de Llorente e Marinho não tivessem entrado?'

    http://davidjosepereira.blogspot.pt/2015/09/e-se-as-bolas-de-llorente-e-marinho-nao.html

    Depois deixam o vosso comentário, dizendo o que concordam e o que discordam.


    Abraço

    ResponderEliminar