27/07/2015

Primeiras impressões

1. Não consegui ver a totalidade do jogo com o Ajax Cape Town e não tive grande vontade de rever os 90 minutos. Tive algum azar, já percebi, porque só comecei a ver no início da segunda parte e dizem por aí que a primeira não foi má. O que vi na segunda parte assustou-me: independentemente dos erros individuais (diria que "normais" e "quase aceitáveis" nesta fase da época) vi debilidades na construção ofensiva que já vinham do passado e uma equipa que dá demasiado espaço a defender.

2. JJ disse, no final desse jogo com o Ajax, que aqueles jogadores (os da defesa) têm menos rotina do que os da primeira parte. Que seja. Mas foram demasiados lances de 1x0 e pelo que vi do resumo não foi apenas na segunda parte. Fiquei, confesso, assustado. Não por desconfiar de JJ, mas por pensar que, afinal, tudo poderia levar muito mais tempo.

3. E, claro, neste momento surgiram-me novamente dúvidas sobre a programação da pré-época: um jogo a feijões (Sporting B), 2 jogos fáceis (Mafra e Atlético), 2 jogos de dificuldade não mais do que média (diria média baixa com o Ajax, média alta com o Crystal Palace), 1 jogo de dificuldade elevada (Roma). Não creio que JJ quisesse programar a época desta forma e ontem mesmo disse que preferia jogar mais um ou dois jogos (mais dois "Palaces" para podermos confirmar o que se viu no segundo jogo - já lá vamos - e depois, sim, a Roma para o Cinco Violinos). Mas não vale a pena agora chover no molhado: foi assim e terá que servir para preparar convenientemente a equipa.

4. Não estava à espera, por tudo o que disse, de um jogo tão conseguido com o Crystal Palace. Reparem que digo "conseguido", não digo "bom". Há muito a fazer e a melhorar. Mas sendo o Crystal Palace naturalmente mais forte do que o Ajax, e depois do que vi no primeiro jogo, a minha expetativa era baixa. Com o Ajax contei 4 lances claros de 1x0. Com o Palace, de que me lembre, apenas 1 (e mais em resultado de trapalhada do que propriamente exploração de espaço nas nossas costas). Claro que houve lances mal defendidos mas é completamente diferente ter 3 ou 4 lances com erros corrigíveis ou ter 4 ou 5 lances de 1x0.

5. Ofensivamente, ainda não foi nada de especial, mas vi o Sporting a assumir claramente o jogo. A execução não está perfeita mas a equipa está com a atitude certa (nada de confusões, não me refiro a "entrega" e outros dichotes à Zé Mota - refiro-me à disposição da equipa no campo).

6. Os destaques individuais vão para Patrício (o melhor nos dois jogos, principalmente no primeiro), Adrien (bem nestas "novas" funções), Ruben Semedo (azarado mas estava a sair-se bem no meio-campo e ainda marcou um golo no primeiro jogo), Gelson (a melhorar mas dá para ver que tem maturidade para estar ali), André Martins (dos melhores no primeiro jogo) e Montero (marcou dois golos e entrou muito bem). Pela negativa, vi João Mário muito em baixo de forma (descanso curto depois da primeira época "a sério" e de um Euro bastante exigente?) e Carrillo algo desconcentrado (resolvam lá a renovação...).

7. Um destaque especial para Slimani: como sabem, acho-o um jogador limitado. Mas desde a final da Taça, em que carregou o ataque da equipa às costas, tenho-o visto com outros olhos. Continuo a achar que tem muitas limitações, mas se tivesse melhor jogo com os pés seria um jogador excecional. É inteligente, dá à equipa o que ela precisa em termos de pressão, tem uma atitude competitiva extraordinária e é fortíssimo fisicamente. Veja-se o segundo golo ontem: estava onde tinha que estar, ganhou fisicamente após o erro do defesa, fez tudo bem na leitura da jogada e dos movimentos dos colegas (isto tudo aos 90 mimutos de jogo) e depois... faz um passe fraquíssimo a que Montero só chega porque nem os defesas do Palace acreditaram que o passe poderia sair tão mal. Em circunstâncias normais, com a época a decorrer, Slimani teria feito tudo bem e "estragado" a jogada no último passe. Que balanço fazer? Como me ensinou um grande amigo que percebe mais disto do que eu, há duas coisas que dificilmente conseguimos "dar" aos jogadores: inteligência e "pezinhos. Slimani é um jogar extremamente útil, dá profundidade à equipa e até faz mais do que se esperaria que fizesse. Mas se o tema é "Slimani vs Mitroglou", com saída pelos 15M€ de que se fala... o argelino que me perdoe (até porque nunca me vou esquecer da final da Taça que protagonizou), mas prefiro Mitroglou.

8. Os reforços: João Pereira não se destacou (até diria que Esgaio pode ganhar o lugar); gostei bastante de Naldo (tranquilo, quase sempre bem, algum azar naquele penatly no primeiro jogo); Ciani teve aquele erro de abordagem no 1º jogo, espero que esse lance não o represente como jogador (e não deixe marcas); gostei muito de Teo - os lances não saíram todos bem, mas gostei das movimentações e da qualidade técnica, acho que é jogador (recordemo-nos como decorreu a primeira pré-época de Montero até ao jogo com a Fiorentina, depois desatou a marcar golos...). Aguardemos agora pelos restantes.

9. Mais reforços? Difícil opinar. Acho que andamos em busca de mais um GR (não é muito normal Boeck não ter tido nem 1 minuto de utilização). Na defesa, os centrais e laterais serão aqueles, fiquei com reservas relativamente a João Pereira mas já o conhecemos e é um jogador que precisa de competição (estes jogos "a brincar" não tiram o melhor dele); no meio-campo ou JJ confia em Rosell e/ou Semedo ou tem que ir ao mercado (já deu para ver que Martins é opção mas não naquela posição); nos extremos, se Ruiz estiver pensado para essa posição, creio que fica assim; no ataque a dúvida é a que já referi: Slimani ou Mitroglou (embora não creia que o grego fique eternamente à espera da nossa decisão).

10. Mais otimista do que 6ª feira, ainda longe de estar confiante. Mas é normal que assim seja. Infelizmente pela primeira vez em muitos anos não vou à apresentação, já estarei a banhos. Em compensação, já tenho bilhete para a Supertaça!

3 comentários:

  1. 1 e 2- ver o jogo na totalidade dá uma visão mais correcta do que se passou. Sem deslumbrar houve jogadas prometedoras a nível ofensivo. Defensivamente foi um desastre que já se viu, foi corrigido com celeridade.

    3-o que o koba acha é o que a generalidade dás pessoas acha. Uma noção de senso comum que pelos vistos não é partilhada por quem planificou à época que, como se percebeu, não foi JJ.

    4- concordo, embora ache que o que é normal é o de ontem. O CPalace é uma equipa inferior ao Braga.

    5- ontem pior que no jogo anterior. Jogadas com pés e cabeça quase não existir.

    6- À minha discordância vai para Adrien que ainda falha em demasia em momentos de grande exposição da equipa e para Gelson, muito verde para já.

    7- exactamente o que eu penso.

    8-concordo.

    9-dito o que foi tenho que ser coerente é dizer que falta definir os extremos e ponta de lança.

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. Leão,

      1 e 2 - Por isso digo que tive azar. A parte que vi foi francamente fraca.

      4 - Concordo que o Palace estará ao nível do Braga ou abaixo. Mas como disse creio que na pré-época temos que defrontar estas equipas. Sem prejuízo de uma ou outra Roma para abrilhantar a festa, estes testes mostram melhor aquilo que nos espera. Pena que não haja mais um ou dois Palaces, lá está. Ideal mesmo seriam Empolis e Sassuolos...

      6 - Adrien falhou essencialmente na execução (passes - aliás no primeiro jogo fez um, na segunda parte, verdadeiramente assustador, a fazer lembrar o jogo com o Nacional na Madeira). Mas foi cumprindo: recuava para construir, aproximava da linha defensiva a defender. Quanto às coberturas defensivas de que tanto se falou no ano passado, teria que rever o jogo. Quanto ao Gelson, discordamos - acho que esteve genericamente bem; sem deslumbrar mas, por exemplo, não o vi muitas vezes agarrado à bola. Está a crescer.

      9- Sendo resolvido Carrillo, e considerando que Ruiz não veio para assistir da bancada, diria que extremos estão resolvidos. Mané e Gelson serão as alternativas. Eventualmente Capel. No PL concordo que falta definir.

      Um abraço

      Eliminar