22/07/2015

A vantagem de um ego mais comedido

Se em vez de Rui Vitória fosse um Jorge Jesus que chegasse ao Benfica, teríamos tudo o que estava feito até então atirado ao lixo e o seu sistema tático e modelo de jogo implementados. É uma questão de ego e de ter a ideia que apenas o que pensa e interpreta é que faz sentido. Daí que até tenha dúvidas de que todas a tecnologia que está hoje implementada no futebol do Benfica fosse devidamente aproveitada por Jorge Jesus. Mesmo que os números, estatísticas e indicadores apontassem numa direção, o que ia na sua cabeça é que determinava a solução a implementar. O que analisa e decide é que está certo, quer seja Emerson a titular, passar a dois avançados num jogo que está a ganhar ao Porto ou colocar o Talisca a extremo.


Rui Vitória, com uma base mais teórica por força da sua formação como professor, poderá ser bastante diferente e os primeiros tempos na Luz dão alguns indícios neste sentido. Começou por dizer que ia aproveitar tudo o que estava bem feito. O sistema de jogo do Benfica de Jesus com dois avançados, pelo menos em casa e contra adversários mais fracos, resultava em pleno. Isto quer dizer que para pelo menos 13 dos 15 jogos em casa, não há muito a inventar. A equipa titular que apresentou contra o PSG e jogou toda a primeira parte, suporta esta ideia de que efetivamente aproveitará o que está bem feito.
No entanto, há muito a melhorar. Sobretudo na Champions mas mesmo nos jogos fora de portas que na última época que foram bastante sofríveis e até uma maior competência nos jogos com os grandes. Neste enquadramento, será mais razoável um só avançado e três homens no meio campo? Eu penso que sim. Na segunda parte contra o PSG tivemos a oportunidade de ver Rui Vitória a aproximar-se deste sistema. Primeiro, com Talisca no apoio ao avançado e depois com a saída do brasileiro.

Vamos aguardar por mais alguns jogos para perceber as ideias do novo treinador mas quero acreditar que Rui Vitória terá a capacidade de tirar partido de tudo o que tem à disposição e ser flexível o suficiente para proceder facilmente a alterações sempre que as suas opções não se revelem as mais acertadas. Já seria um enorme passo no caminho do sucesso. O resto, mãozinhas para o Ferrari (sim, estou apenas a olhar para dentro de portas) em curvas perigosas ou ultrapassagens, ainda teremos que ver se tem.

4 comentários:

  1. Jesus entrou no Benfica com o clube em vários anos consecutivos em 3 e passou a pasta a Rui Vitória com 1 bicampeonato acabado de conquistar, estranho era se não houvesse nada de bom para aproveitar.

    ResponderEliminar
  2. lol.
    Este texto no ano passado não era escrito...
    Basco "O Leão"

    ResponderEliminar
  3. É só uma questão de ir buscar textos do ano passado. Garanto que há muitas críticas como estas. Também existe o reconhecimento ao mérito que Jesus teve especialmente na época passada e isso é inegável.

    ResponderEliminar
  4. Gorbyn, não deixa de ser irónica a foto que escolheste! O futebol tem mesmo coisas curiosas...

    ResponderEliminar