23/03/2015

Jornada positiva


Já o tinha dito aquando do jogo da primeira volta: fomos, na altura, derrubados por duas bolas paradas e não tivemos capacidade de reação (porque estávamos a "descansar" para resolver o jogo na segunda parte). Mas o Vitória, este Vitória, não é nada de especial. Nem nos deu, na 1ª volta, o banho de bola que se vendeu por aí. Marcou golos em dois cantos e soube gerir o jogo contra uma equipa que fez, nesse dia, a pior exibição da época. Ontem o Vitória também teve vários cantos perigosos nos primeiros minutos e não foi por isso que não acabou goleado.

A primeira parte do Sporting foi muito boa, a partir do primeiro golo (o "desbloqueador da pressão"). Porque antes do 1º golo já estávamos a ouvir os habituais assobios a Nani por temporizar. Mas depois foi uma demonstração clara daquilo que esta equipa pode fazer: futebol paciente mas objectivo; jogo ao primeiro toque; constante procura do jogador em melhor posição; jogo variado entre o centro e as faixas. Certo que o fizemos contra uma equipa que, repito, não é nada de especial. Ainda assim, é a 5ª ou 6ª melhor do campeonato que temos.

Uma palavra especial para Adrien Silva - fez, a meu ver, o melhor jogo desta temporada. Vi-o perder uma ou outra bola em "rodriguinhos"mas, em geral, esteve muito bem, simplificando todos os lances, rodando a bola, procurando sempre o colega em melhores condições para receber. Este Adrien, que já no ano passado tinha estado na maioria os jogos, merece ir à seleção. Mas a convocatória saiu antes deste jogo. E de qualquer forma não seria por um jogo que o selecionador passaria a contar com ele.

Aliás, deixando Adrien de lado, repare-se como uma exibição coletiva pode ser positiva mesmo que individualmente não haja quem se destaque. William está (definitivamente?) de volta, mas João Mário ontem esteve mais discreto do que, por exemplo, na Madeira (onde a exibição coletiva foi o que vimos). Slimani continua a dar pouca continuidade às jogadas, mas de facto tem mais "feeling" para os lances do que Montero, por muito que me custe reconhecer (embora continue a achar que seria possível, com Montero, ter um futebol ainda melhor, ainda que necessariamente diferente). Carrillo e Nani estiveram desinspirados nas suas iniciativas individuais, mas deram continuidade a quase todos os lances com inteligência. Na defesa, Ewerton talvez o mais seguro e menos dado a ligar o complicómetro, mas Paulo Oliveira algo trapalhão em meia dúzia de lances, Miguel Lopes bem a atacar mas com duas ou três distrações que causam calafrios, Jefferson com um jogo em que não se viu a atacar e deu metros e metros de espaço a quem lhe aparecia por ali.

Em suma, quando a equipa funciona, até podemos ter 3 ou 4 elementos desinspirados - o coletivo resolve!

Uma nota para mais um golo para os registos do anedotário: como perguntava Jozic depois de um célebre jogo em Chaves, "yo solo pregunto, hasta la cuando?" Até quando vamos levar golos como os do Restelo, o 1º do Penafiel em Alvalade e este de ontem? Sendo que, nestes dois últimos, já se sabe que a pancada é sempre a triplicar: toma lá livre perigoso, toma lá expulsão e toma lá golo (nem que a bola entre às carambolas - e by the way, Patrício: sabes que és o único que pode usar as mãos dentro da área para chegar às bolas?). E nem falemos de arbitragem: no estádio, nem parecia nada de especial; na TV vi bem que a entrada do Paulo Oliveira foi completamente disparatada e o amarelo (o segundo) é justíssimo.

Enfim - feito o balanço, creio que pela primeira vez temos uma distância para o 2º inferior à distância que temos para o 4º. Ou seja, por muito difícil que seja o nosso calendário (e é) se o FCP perde na Luz e nós fazemos todos os pontos até aí, acabamos o campeonato a disputar o 2º lugar. Não é bom. Mas é melhor do que termos o Braga a pisar os calcanhares...

PS: A foto é em homenagem à Juve Leo. Estão sempre lá, desde que me lembro. Sempre. Nunca falharam. Têm os seus problemas, eles e os outros. Mas sem eles o estádio não seria igual. Eles fazem a curva (?) sul ter outra vida. Dão cor e som ao estádio. O problema da liderança é lá com eles, resolvam-no. Enquanto adepto, sei que gosto de os ter lá.

6 comentários:

  1. Fogo, estava difícil ler um texto sobre o jogo de ontem sem uma ode ao Miguel Lopes.
    O rapaz fez uma excelente primeira parte e foi parte fundamental na excelente vitória de ontem, mas já li e ouvi coisas... A nível defensivo foi um zero (habitual) e os lances de perigo do Vitória foram todos por ali.

    Gostei do resultado mas a exibição da 2ª parte... Sei que estou a ser exigente (e confirmo que deviam ser todos os jogos assim) mas não me digam que aquilo, na 2ª parte, foi controlar o jogo, porque não foi! Levar 3 amarelos (e uma expulsão), ver o Patrício safar duas, ver o Vitória a rematar com perigo contra defesas e sofrer um golo é tudo menos controlar o jogo.

    Mais uma vez, ouvindo Marco Silva no fim do jogo, confirmo que viu o mesmo que eu. Só não percebo o que se trabalha (e fala) durante a semana, ao intervalo e durante o jogo.

    No lance do golo do Vitória, além da paragem do Patrício destaco 3 asneiras de Jefferson:
    - não salta com o avançado (aliás, foge dele)
    - coloca um jogador do Vitória em jogo (que tem interferência no lance)
    - tapa a bola para o Patrício e falha o corte

    Gostei muito da 1ª parte, após os 10 minutos iniciais. Boa saída de bola (bem Carrillo, William, J. Mário, Ewerton e... Miguel Lopes). Facilmente se chegava a frente. Bom envolvimento atacante com variações do jogo, muita gente nas jogadas atacantes (em todos os golos, além dos que cruzam ou rematam de fora, há 3 jogadores do Sporting dentro da área).

    2ª parte, um conjunto enorme de disparates:
    - falta de concentração
    - falta de rigor e agressividade
    - substituições tardias (porra, se o Adrien tem amarelo e vai falhar a próxima jornada, que tal colocar o André Martins e jogar cerca de 30 minutos com os colegas, num jogo de resultado feito)
    - substituições mal feitas (Slimani já tinha golo, que tal dar minutos e motivação ao Montero?)
    - lance do golo do Vitória; além do descrito acima, há a falta estúpida do Oliveira (sai mais uma dupla de centrais nova para Paços!), mas tudo começa numa burrice conjunta entre Nani, Miguel Lopes e J. Mário; o 1º atrasa o lançamento de linha lateral, o 2º corre até ao Nani mas Nani lança a bola para J. Mário quando Miguel Lopes está fora do campo ao lado de Nani porque pensava que este lhe ia dar a bola para ele lançar!! J. Mário perde infantilmente a bola - resultado, a equipa estava muito descompensada e permite superioridade ao Vitória.
    Estas merdas tiram-me do sério. Logo não posso ficar surpreendido quando sofremos o golo do empate contra o Benfica, apesar de aos 89 minutos ainda se ter 2 substituições para fazer.

    Bom resultado, bom meio jogo.

    Há que manter e elevar os níveis de confiança para o que ainda falta da Taça de Portugal.

    Agora venham de lá a porcaria das selecções que nos leva 9 jogadores fundamentais (8 jogaram ontem). Claro que tem tudo para correr mal...

    grande abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cantinho, excelente a análise ao lance do golo do Vitória. O facto de colocar o jogador em jogo só me apercebi na TV, nem queria acreditar!

      Concordo com os comentários às substituições, ainda mais quando estivemos alguns minutos sem o Slimani, a ser assistido fora do campo. Tinha saído logo aí.

      Cá para nós que ninguém nos ouve: estou muito curioso para ver esta dupla de centrais (o Paulo Oliveira que me perdoe mas ainda não estou convencido). Ainda mais curioso para ver quem estará no banco...

      Um abraço

      Eliminar
    2. Koba,

      nas declarações pós-jogo, Marco Silva não mostrou grande preocupação relativamente à ausência de Paulo Oliveira. E disse, "temos o Tobias e o Sarr, veremos quem estará melhor ao longo da semana".

      Espero que tenha sido a parte cómica da conferência de imprensa...
      No entanto, se pensarmos que Tobias não estará a trabalhar com a equipa durante semana e meia... e se Marco diz que joga quem estiver melhor "ao longo da semana", não sei se posso ficar descansado.

      abraço

      Eliminar
    3. Koba,

      nas declarações pós-jogo, Marco Silva não mostrou grande preocupação relativamente à ausência de Paulo Oliveira. E disse, "temos o Tobias e o Sarr, veremos quem estará melhor ao longo da semana".

      Espero que tenha sido a parte cómica da conferência de imprensa...
      No entanto, se pensarmos que Tobias não estará a trabalhar com a equipa durante semana e meia... e se Marco diz que joga quem estiver melhor "ao longo da semana", não sei se posso ficar descansado.

      abraço

      Eliminar
  2. Koba,

    Sinceramente, não achei a 1ª parte nada de especial. Tivemos uns minutos interessantes mas a diferença principal para os últimos jogos foi a eficácia. Marcámos 3 golos em 3 ou 4 oportunidades. Continuo a não gostar do que vejo...

    Menção honrosa para Miguel Lopes. Tem muitas lacunas mas ou menos sabe fazer coisas diferentes do Cédric. Coisas que não sejam cruzar e bombear... Aquelas diagonais demonstram inteligência. Não me lembro do Cédric fazer coisa parecida.

    Esta época dá para fazer um bom álbum com os golos que sofremos para nos rirmos no futuro (porque agora não têm graça nenhuma). Tem sido assim desde o início da época, por isso não estou à espera de mudanças neste aspecto. Qualquer lance (mas mesmo QUALQUER) pode dar golo...

    Em relação à arbitragem, também não sei qual é a queixa. Tirando o amarelo ao Mané, os outros pareceram-me todos bem mostrados. Se fazemos faltas imprudentes e desnecessárias querem o quê?

    Cumps,
    RMSCP

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. RMSCP,
      Eu gostei e explico porquê - tivemos a paciência suficiente para criar as situações que criámos sem bombear bolas, evitando procurar a cabeça do Slimani ou o lançamento em profundidade no extremo, tentando sair pelas alas ou pelo meio. Os laterais (como bem assinala com os elogios ao Miguel Lopes) nunca cederam à tentação de colocar na área, procuraram sempre a melhor opção. Isso agradou-me.
      Foram só 3 ou 4 oportunidades, mas foram claras - a eficácia depende também, em grande medida, do tipo de oportunidade que se cria. Se no lance do terceiro golo, por exemplo, não estivessem vários jogadores nossos, em diferentes posições, dentro da área do Vitória, as opções estariam reduzidas e os jogadores disponíveis mais "apertados", o que dificultaria o aproveitamento da oportunidade.
      O amarelo ao Adrien também é absurdo, a meu ver. Mas claramente não é por aí.

      Eliminar