16/02/2015

As sombras de Marco (e de Patrício)

Péssimo jogo no Sábado a partir dos 20/25 minutos. Muito mau, a fazer lembrar o pior Jardim. Com uma desvantagem: o Jardim sabia fazer isto com um mínimo de eficácia; o Marco, isto, claramente, faz muito mal. Nem percebo, sinceramente, o que se passou pela cabeça do Marco no Sábado.

Desde logo, porque ao contrário do que diz o Marco, o Sporting não entrou mal, entrou bem. OK, podia jogar mais rápido; ok, podia ser mais objetivo; ok, podia envolver mais gente nas jogadas pelo centro. Mas o Sporting estava com a atitude correta perante o jogo: pressão sobre o Belenenses (que não saiu do meio-campo durante 20 minutos), jogadas (ou pelo menos tentativas) com cabeça, tronco e membros (e paciência), reação imediata à perda da bola, enfim, estava ali a faltar desfazer as cerimónias na hora de arriscar um último passe ou o remate mas tudo indiciava um domínio claro do jogo.

Só o facto de o Marco ter dito que não gostou disto e ter pretendido mudar de filosofia (em vez de corrigir/melhorar) seria suficiente para me assustar. Quando a isto juntamos as substituições ao intervalo (ou seja, o "como" quis mudar), ficamos definitivamente a perguntar-nos: "quem é que perpetrou o sequestro do Marco e colocou no lugar dele aquele rapaz que foi ao Restelo comandar a equipa?".

As substituições são incompreensíveis. Notem bem isto: estava a ver o jogo sem som, vi entrar o Tanaka e o Mané e não vi a indicação das substituições no ecrã; eu e o meu primo discutíamos "tirou o Adrien e o Carrillo, que disparate este último", "não, não, vais ver que tirou o João Mário". Nem nos passou pela cabeça que Montero tivesse saído. Não porque estivesse a fazer um grande jogo, de facto não estava (e como podia ter resolvido o jogo se naquele lance na primeira parte tem fintado o GR, eventualmente sacando um penalty e expulsão...); mas porque o jogo parecia pedir que no meio de todas aquelas pernas que rodeavam a área do Belém lá estivessem mais duas nossas. De preferência, duas que soubessem controlar a bola e jogá-la em espaços curtos, porque o tempo e espaço para pensar era reduzido. As combinações entre Tanaka e Montero poderiam ser um caminho para o golo.

A equipa, ao intervalo, ficou pior: entra um jogador que precisa de espaço, que não existia, e outro que procura constantemente servir o apoio, que não estava lá (o que ficou evidente nas duas ocasiões que Tanaka teve para rematar e em que procurou, em ambas, servir colegas de equipa); e saíram dois dos que têm mais qualidade técnica para jogos em que receber, passar, conduzir em espaço curto é a chave do jogo. A leitura de jogo de Marco Silva deixou-me atónito.

A consequência lógica e evidente para todos os que viram o jogo acabou por efetivamente acontecer. Além de entregarmos o meio-campo ao Belenenses (depois disto, Lito jamais deixou William respirar), passámos a conduzir o jogo para as faixas. E, uma vez aí, com o Belém a fazer o que mandam os livros (um no homem, outro na contenção) a bola era perdida em iniciativas individuais infrutíferas ou entregue aos cruzamentos dos laterais (os de Jefferson intercetados pela defesa, os de Cedric, como começa a ser cada vez mais habitual, pelos apanha-bolas).

Isto já li em vários blogs e foruns e é verdade: estávamos a jogar para Slimani mas sem Slimani. E desculpem puxar a brasa à minha sardinha mas disse aqui inúmeras vezes que era má política jogar assim, não apenas porque retira à equipa alternativas de jogo (e logo a mais importante de todas elas) mas também porque quando não há Slimani isto é igual a zero. Posso estar a ser excessivamente duro, mas esta é a verdade: o futebol do Sporting no Restelo, na segunda parte, foi igual a zero. O zero que criticámos no adversário da semana passada (mais conhecido por "visitante") e que foi ironicamente "premiado" da mesma forma - uma chouriçada aos 90+4.

Ainda assim, e esta é a que mais me custa, ainda assim, dizia eu, o Sporting podia ter disputado a vitória no jogo até ao fim. Porque o Belenenses, valha a verdade, embora tenha assumido o controlo do jogo na segunda parte (tentando sair a jogar, o que não fez na primeira), nada fez para assustar. Reparem, o Belém nada fez para assustar. O Belém. Houve quem tivesse feito. Refiro-me a Rui Patrício. Aquele lance no início da segunda parte deixou marcas. Nos adeptos e, pelos vistos, nele próprio.

Rui Patrício é um GR a quem sempre antecipei uma grande carreira, porque tem qualidades fantásticas, a principal das quais, a meu ver, a percentagem altíssima de boas decisões (como joguei muitas vezes a GR atrevo-me a este linguajar, os experts que me perdoem!) nos lances verdadeiramente difíceis para os GR. Já revelava essa capacidade enquanto jovem GR, falhando todavia em alguns aspetos técnicos (facilmente corrigíveis num GR com a sua categoria). Felizmente, Patrício deu "o" salto. É raríssimo vermos Patrício mal batido por estar mal posicionado, por ficar a meio do caminho, por sair quando devia ter ficado ou ficar quando devia ter saído, por tentar defender a bola com a mão errada (o Labreca nestes era pródigo...). E é isto que me deixa estupefacto: Patrício evoluiu para um ponto na sua performance em que raramente falha um lance complicado; mas (para além do jogo com os pés, em que efetivamente é fraco) falha em lances básicos, não sabendo proteger-se dos seus próprios defeitos. Os lances do Restelo são, todos eles, resultado de uma abordagem desleixada em que Patrício não foi capaz de se defender... de si próprio.

Vai-se mantendo este problema. E enquanto se mantiver... corremos o risco inerente a esse defeito do nosso GR e capitão. Saibam os colegas protegê-lo dos seus defeitos e melhores dias virão. Por ora, parece que Patrício assumiu a sua responsabilidade, o que só lhe fica bem porque revela que percebeu o que se passou. Espero que perceba, também, o que está na origem das falhas.

Pelo contrário, parece que Marco Silva não percebeu o que se passou. Se ele próprio não interiorizar o que esteve mal, dificilmente vai melhorar. A minha fé mantém-se mas levou um abanão, confesso. Espero que tenha sido apenas um dia mau, um jogo mau. Mas o discurso final não antecipa nada de bom para as próximas jornadas...

PS: só um comentário à troca de galhardetes entre Vieira e BC. Comunicados de um lado e do outro são dispensáveis, já o sabemos; não resolvem nada, criam conflitoes estéreis e só alimentam picardias desnecessárias entre adeptos. Mas BC insiste em levar as coisas para o nível "diz que disse". Quando o fez, perdeu a (estapafúrdia) "guerra das picardias". Porque baixou o nível. Depois de suspender um black-out para responder a Ricardo Costa e Abel, vem agora falar das conversas de Vieira com o seu motorista. Não consigo acreditar que alguém olhe para esta forma de comunicar e se reveja nisto...

7 comentários:

  1. De facto ainda com toda a 2ª parte para jogar, numa penada abdicar de poder jogar com 2 jogadores lá à frente ao mesmo tempo que também desiste entrar pelo meio é obra.

    90 minutos de cruzamentos e a única ocasião é a do William num movimento apenas por mérito deste.

    Em relação ao Montero é um excelente jogador sem dúvida mas ali tem que ser eficaz, decisivo e raramente é...

    O Marco parece que teima em não querer avançar para o futuro e o futuro tem nomes: Gauld e Wallyson. Mera teimosia?

    Tirar o Carrilho para meter o Capel naquelas circunstancias é o que? Serve para que? Mais uma deixa para CS? Enfim...

    Um bocadinho à margem, 10 cantos contra o benfas, uma dúzia com os pastéis e lances de perigo são uma miragem.

    Totalmente de acordo com o PS.

    Ahh e o Paulo Sério, conforme previ já não é problema.

    ResponderEliminar
  2. Koba,

    Concordo com grande parte do post. Não vou voltar a repetir o que já disse 500x sobre o Cédric... só quero mencionar que para o próximo jogo da liga teremos muito provavelmente Miguel Lopes titular! Como já tinha dito, o empréstimo do Esgaio foi um erro e agora teremos as consequências até ao final da época.

    Em relação a Marco Silva, tenho que dizer que esperava muito dele no início da época e agora essa esperança desvaneceu-se. Não pelos resultados, mas pelas últimas exibições que têm muita (ir)responsabilidade do treinador que não parece querer ver o que está à vista de todos: Não é a jogar assim que o Sporting alguma vez irá ser campeão. Chega de cruzamentos. Ele que volte a demonstrar que consegue por a equipa a praticar bom futebol como fez (?) no ínicio da época.

    Cumps,
    RMSCP

    ResponderEliminar
  3. Quanto ao golo do Belém, quem vê aquele charuto para o ar e depois o Paulo Oliveira a deixar bater a bola lembra-se logo do lance em Maribor (má abordagem ao lance). Mas não há que recear pois já não está lá Sarr nem Maurício pensei eu... mal.
    Há uma série de pormenores que já não se vêm no Sporting há uns anos e vemos nos nossos rivais, aquele lance antes do golo em que um jogador do belém salta sozinho com RP na pequena área na sequência de um canto (o árbitro acaba por marcar falta atacante) nunca aconteceria por exemplo no benfica que trataria de pôr 3 ou 4 jogadores a fazer os famosos bloqueios (tipo os que os defesas fazem no basket após um lançamento a impedir os adversários de se aproximarem do ressalto). Também nos cantos vemos com frequência jogadores adversários imediatamente à frente de RP a perturbar a sua acção sem que pareça existir protecção de algum dos nossos jogadores. Já quando temos cantos a favor o redes adversário está sempre à vontade e raramente se vêm movimentações colectivas com sentido (isto para não falar novamente de bloqueios). Dito isto também me faz alguma confusão que na sequência de faltas duras sofridas raramente se vê pressão sobre o árbitro para que admoeste o adversário e por vezes até se recomeça rapidamente a jogar sem verificarmos se o nosso jogador ficou em condições (ver lance entre maxi e Nani no derby) o mesmo acontecendo quando o árbitro admoesta os nossos jogadores invariavelmente à 1ª ou 2ª falta quando há um teatro mais espalhafatoso do adversário (1º amarelo ao Cedric). Era por causa destes pormenores que gostava do Sá Pinto se bem que quanto ao resto levava uma abada quer de Marco Silva quer de Leonardo Jardim.
    Quanto à entrada do Capel nada a dizer até porque olhando para quem estava no banco a única alternativa era meter o Sarr para jogar a ponta de lança, à semelhança do que fazia o Robson com o fcouto quando estava no porto.

    ResponderEliminar
  4. Desde que o Slimani saiu para a CAN, a 'regressão' do futebol do Sporting tinha dado o seguinte registo no campeonato: 4V, 2E, 11 golos marcados e 5 sofridos. O Sporting empata 2 jogos, os dois no último minuto (faz 2 pontos onde poderia ter feito 3 e decisivos para o campeonato, porque o empate que cedeu levou a perder 1 ponto) e o treinador passa de bestial a besta. Eis o fascínio das redes sociais...

    Pergunta: há quanto tempo o Rui Patrício não é confrontado com um 1x0, algo que acontecia com frequência no 1o terço do campeonato?

    Pergunta: o relvado estava em condições para praticar um futebol mais apoiado?

    Pergunta: se o Sporting estava a jogar bem na 1a parte, por que só criou uma oportunidade e num erro grosseiro do adversário?

    Pergunta: o treinador do Benfica também passou a responsável de maus indícios depois da derrota em Paços de Ferreira, ou do Porto da derrota na Madeira, o do Vitória depois da derrota com este mesmo Belenenses ou o do Atlético de Madrid com a derrota em Vigo, ou o do Real Madrid com a derrota por 4-0 com o Atlético?

    Como é possível gostar de um desporto e não compreender a sua essência?

    ResponderEliminar
  5. Concordo! As opções de MS no domingo foram incompreensíveis... Mau dia, com decisões erradas, qlq um tem. Não esquecer que MS é um treinador jovem, com pouca experiência. Tem que ganhar ainda muito calo para adicionar à qualidade que tem demonstrado. A equipa atravessa um momento de forma reduzido. Alguns dos seus elementos estão a baixar, nitidamente de rendimento. Apenas William parece estar em "contra-ciclo". Quinta-feira, na Alemanha, vamos ter mais espaço para atacar e se houver acerto defensivo (que pena William estar castigado) acredito numa boa resposta

    Sobre o P.S. deixo a questão: mas ele alguma vez demonstrou ter "nível"?

    ResponderEliminar
  6. Admitindo que ainda venho a tempo...

    FCS, essa do Capel nem me lembrei de referir (e tem toda a razão). Mas não vou dizer mais nada. Ontem ouvi o Manuel José dizer do Capel o que o Koba (o "verdadeiro") não dizia do Trotsky. Vou dar descanso ao rapaz...

    RMSCP, já vi o Cedric fazer coisas muito boas, mesmo este ano. Infelizmente, quando a equipa se lança para um futebol excessivamente lateralizado, o Cedric acaba por ser o que mais dá nas vistas porque não tem a prestação do lateral contrário nos cruzamentos. Mas neste tipo de jogo, com exceção desse aspeto, não são assim tão diferentes. Preocupa-me mais o amarelo disparatado na 1ª parte...

    Tugarão, se a ideia era charuto, essa do Sarr até que não era mal pensada...

    Império, se eu não te conhecesse diria que estás a embirrar. Porque eu não disse, em lado nenhum, que o MS passou a besta. Disse, aliás, que tinha esperança que tivesse "sido apenas um dia mau, um jogo mau". E a piadola (fraca, bem sei) "quem é que perpetrou o sequestro do Marco e colocou no lugar dele aquele rapaz que foi ao Restelo comandar a equipa?" indicia precisamente o contrário do que afirmas. O que eu retiraria daqui se lesse isto escrito por outra pessoa seria "este tipo gosta do Marco, acha que naquele dia o Marco não parecia o mesmo".

    Quanto às tuas perguntas:

    1. Há quanto tempo o Rui Patrício não é confrontado com 1x0? Jogo com o Rio Ave em casa, que certamente concordarás que não foi no 1º terço do campeonato (mas o que me assusta é que a prestação defensiva possa estar a melhorar porque se está a usar o "plano Jardim" - nisto sim gostava de ter a tua opinião).

    2. O relvado estava em condições para futebol mais apoiado? Os de Arouca e Penafiel estavam piores e pelo menos tentou-se. Como no Restelo se tentou durante 20 minutos.

    3. Se o Sporting estava a jogar bem na primeira parte, por que só criou uma oportunidade e num erro grosseiro do adversário? Não disse que o Sporting jogou bem na primeira parte, só me referi aos primeiros 20/25 minutos. E quanto a esse período disse exatamente isto: "o Sporting não entrou mal, entrou bem. OK, podia jogar mais rápido; ok, podia ser mais objetivo; ok, podia envolver mais gente nas jogadas pelo centro. Mas o Sporting estava com a atitude correta perante o jogo". De qualquer forma, diz-me por favor se jogou melhor na 2ª parte e quantas oportunidades criou.

    A 4ª pergunta não faz sentido nenhum, porque o que me preocupou não foi o resultado (igual ao que tivemos com Moreirense, Paços, este mesmo Belém em Alvalade, etc) mas a exibição. Aliás, já tinha feito aqui um post bastante crítico após o jogo em casa com a Académica em que, se bem me lembro, ganhámos.

    Virgílio, é mesmo isso. Só critiquei um dia mau. Ainda bem que (pelos vistos) fui claro. Quanto ao PS, uma coisa são larachas sobre fait-divers outra bem diferente larachas sobre temas relevantes; as primeiras são inofensivas, as segundas contraproducentes. Pensei que houvesse capacidade para distinguir o trigo do joio. Pelos vistos, não há.

    Abraços a todos

    ResponderEliminar
  7. O que acho estranho é ninguém falar da miserável exibição do Nani neste jogo, assim como nos 2 anteriores. Mas decisões atrás de más decisões, não respeita as subidas dos laterais, não solta a bola nas desmarcacoes dos colegas, só faz passes de risco e centra invariavelmente mal. Tinha sido a minha primeira substituição. Adrien tb está mal, era o segundo a sair. Tirar Montero com zero a zero só ajudou o Belém, sem dúvida alguma.

    ResponderEliminar