03/02/2015

Arouca, Janeiro e Derby


I. Arouca

Vitória difícil e sofrida, como já se esperava. O timing do empate foi excelente, nem deu para atrair energias negativas. O segundo golo tardou mas lá acabou por surgir. O terceiro não matou o jogo porque o Sporting se deixou levar para um jogo de faltas e faltinhas que foram dando ao Arouca livres atrás de livres. Mas os 3 pontos foram assegurados.

Não achei o jogo assim tão mau. O Sporting entrou forte e fez uma primeira parte em que falhou inúmeras vezes o último passe. Há uma jogada na 1ª parte que é replicada no segundo golo. Simplesmente no lance da 1ª parte não saiu bem o passe a João Mário e Adrien chegou atrasado. Houve vários lances deste género e ainda um remate de Carrillo logo a abrir, um remate de Montero e um cabeceamento de Adrien. Na segunda parte, Adrien e Martins falharam golos cantados e (isso sim preocupante) desperdiçaram-se vários lances de superioridade numérica por más opções no passe ou execuções deficientes. De resto, não tendo sido uma boa exibição, já vi o Sporting jogar bem pior este ano. No Domingo, jogou qb.

Também não percebo, sinceramente, tanta polémica à volta da arbitragem. O penalty assinalado contra o Sporting é daqueles que permite aos comentadores rivais o habitual discurso do "para mim não é, mas tendo em conta os critérios em Portugal, aceito", discurso que adoram fazer. A minha opinião: é um lance bem difícil de julgar. Obviamente que não há intenção de jogar a bola; mas como já aqui discuti em tempos, as instruções para os árbitros vão no sentido de punir não apenas a intenção mas também o comportamento negligente, traduzido, nessas mesmas instruções, como o aumento da volumetria do corpo com a utilização dos braços. Naquele caso, o Tobias não está naquela posição que o defesa prudente (e experiente...) assume (cruzar dos braços atrás das costas), mas de forma alguma está com os braços abertos a aumentar a volumetria. Mas na fração de segundo, pode parecer ao árbitro que o braço está afastado do corpo. Para mim, não é penalty; mas aceito a decisão. Olha, não é que estou a dar a opinião dos comentadores rivais? Com uma diferença: eu faço-o porque acredito nisto, eles fazem porque não lhes dá jeito, nestes momentos, reconhecer que no entender neles não é penalty.

Já o lance do Jonathan, desculpem, mas não é penalty em lado nenhum - o Jonathan corta claramente a bola, depois disso toca no jogador mas só por milagre não o faria, considerando que o adversário não se evapora depois de a bola ser cortada. Repito, em lado nenhum. Ou melhor, em semana nenhuma. Porque o que está em causa nesta discussão, não duvidem, é o timing. Não é penalty, a não ser na jornada que antecede o derby, para criar a ideia de que o Sporting foi beneficiado na última jornada e criar um ambiente de pressão na arbitragem do derby (esquecendo o que aconteceu nas outras 18 jornadas).

II. Janeiro

Resumidamente foi assim:

- Maurício cedido à Lazio, empréstimo com compra no final da época por 2,6M€;
- Ewerton contratado por empréstimo com opção de compra por 1,5M€;
- Esgaio e Cissé emprestados à Académica;
- Iuri e Fokobo emprestados ao Arouca;
- Chaby emprestado ao União da Madeira;
- Wilson Eduardo emprestado ao Den Haag;
- Slavchev emprestado ao Bolton.

Houve outros negócios, envolvendo outros jogadores (Enoh, Gazela, etc) mas estes terão sido os mais relevantes.

Duas notas de destaque:
- o facto de não se terem encontrado soluções "para adepto ver" confere um balanço positivo a esta atuação, sem prejuízo das interrogações quanto à opção Ewerton (ou seja, o "nível zero" estava assumido por todos ou foi uma surpresa?);
- foram colocados jogadores que claramente pareciam estar a pedir outro tipo de oportunidades (Esgaio, Iuri, Chaby), assim como outros que dificilmente serão opção no futuro (Cissé, Fokobo). O PLF alertou-me há uns anos para a preocupação de encontrar para os jogadores emprestados (refiro-me em particular ao primeiro grupo) não o clube certo mas o treinador certo. Olhando para o atual momento da I Liga, pergunto-me: quem seriam os treinadores certos (excluamos aqueles que podem ser, se o derby correr menos bem, os nossos adversários diretos, Braga e Guimarães)? Vejo Paulo Fonseca no Paços e, com boa vontade, Pedro Martins, Lito, Couceiro e Miguel Leal. Com exceção do primeiro, não vejo que os restantes ofereçam muito mais do que o Paulo Sérgio ou o Pedro Emanuel. Mesmo que a traumatizante passagem do Paulo Sérgio pelo Sporting nos leve a considerá-lo abaixo do que ele realmente vale (não é treinador para o Sporting, claro que não - mas não é tão mau quanto o pintam, na minha modesta opinião).

III. Derby

Todos os derbies são para ganhar, mesmo que estejamos no lodo (não estamos! mas estávamos com Vercauteren e até estivemos a ganhar ao intervalo...) e o Benfica no top (não está! mas está uns furos acima em termos de qualidade) e mesmo que já não ganhemos vai para 3 anos (última vitória em abril de 2012, demasiado tempo).

Recordo-me de ganhar derbies com exibições épicas do Djaló, como me recordo de perder derbies em que os melhores em campo foram o Michael Thomas e o Mark Pembridge. Recordo-me de massacrar e "só" ganhar 3-0, como me recordo de massacrar e perder 0-1 no último minuto. Recordo-me de uma equipa de luxo sair vergada da Luz com 0-3 como me recordo de ganhar na Luz na última jornada e roubar um título ao Benfica (curiosidade muitas vezes esquecida: (i) não fosse essa vitória do Sporting, o campeão teria sido o Benfica; (ii) no ano seguinte, o FCP não disputaria a Taça dos Campeões e, logicamente, não teria sido campeão europeu; (iii) eu não teria ouvido uma música que ainda hoje me ecoa nos ouvidos "o Porto é o maioooor" que me começou a formar como anti-portista primário).

Tudo pode acontecer. Há jogadores que neste tipo de jogo se agigantam, outros que sentem a pressão e se escondem. E isto vai acontecer de um lado e do outro. Nos últimos anos, tem dominado o Benfica, claramente, porque o seu coletivo é de tal forma forte que disfarça as tais individualidades que tremem nestes jogos (recorde-se, por exemplo, que aquilo que Artur fez com Carrillo na primeira volta já tinha feito com Jackson Martinez há dois anos).

O que mais temo: as nossas dificuldades para lidar com o contra-ataque do Benfica (não somos propriamente fortes neste aspeto, como se viu com o Rio Ave).

Onde deposito mais esperanças: na capacidade de os nossos extremos, mais Montero, mais João Mário, encontrarem espaços para explorar o setor mais débil do Benfica, o espaço entre Jardel e o lateral esquerdo.

11 comentários:

  1. "...o espaço entre Jardel e o lateral esquerdo."

    Que é onde vai estar o Carrillo. Espero que ele esteja num dia inspirado e parta os rins a esses gajos. lol

    ResponderEliminar
  2. Koba,

    I. Não consegui ver o jogo. Já vi muitos resumos mas não é a mesma coisa. E em nenhum deles deu o falhanço do Martins (vi os lances do Adrien e do Tanaka e, tb, um do Montero na 1ª parte).
    Boa vitória porque mantém esta tendência vitoriosa, porque mantém a pressão no Porto e (também) Benfica e porque aumenta distâncias para Vitória (mantendo o Braga a 8 pontos).
    Os penaltys: o do Jonathan não penalty e nem vale a pena discutir; o do Tobias custa-me muito. Acho que o aceito porque não teve consequências negativas para nós. Se tivesse...
    Concordo com último parágrafo deste ponto. Estão claramente a passar a ideia (e apagar outra) que o Sporting começa a ser beneficiado. Incrível. Eu só queria as primeiras 15 jornadas do slb...

    II. Esta época contrataram-se 4 centrais para a Equipa A. E só não veio um 5º porque o Nápoles roeu a corda. Creio que está tudo dito face à desorientação da direcção sobre este tema (se ainda se acrescentar que Maurício, Matías Perez, Hugo Sousa e Sambinha também são fruto desta direcção, parece óbvio que o scouting tem lacunas no que diz respeito a identificar centrais).
    A situação Ewerton ainda nos vai criar problemas. E estou certo que veremos mais vezes o Sarr do que aquelas que queríamos. Resumindo, estamos com 2 centrais titulares a quem não devíamos exigir tudo (um porque é muito novo e inexperiente [Tobias], outro porque também é novo e não tem tanta qualidade assim [Oliveira], embora neste contexto pareça um Naybet). Quando pensamos que ainda terão pela frente Jonas, Lima, Jackson, Bendtner, Schurrle, De Bruyne, é legítimo pensar que não podemos estar muito confiantes (acredito que vão crescer muito, mas vão sofrer ainda mais, para já).

    Quanto aos empréstimos, o Sporting está limitado na Liga, devido à falta de amigos. Gostava de os ver no Belenenses e Setúbal (pela proximidade, por Lito, Bruno Ribeiro não conheço). Mas como não dá... Paços e Moreirense também seriam bons. Mas também não dá. Sobram Académica e Arouca. Não estou confiante. Ainda acho que Esgaio deveria estar no nosso plantel, no lugar de Geraldes e Miguel Lopes.

    III. Já vi de tudo (7-1; 3-6; Sabry; Amunike a fuzilar Preud'homme, Brian Deane a maltratar o Marco Aurélio, Liedson a humilhar e até o Luís Loureiro a marcar).
    Mesmo que não ganhando desde 2012, nos últimos 2 derbys em Alvalade, o Benfica não foi superior (e num deles, ganhou 1-3). É muito complicado. Temo Jonas, Gaitan, Ola John, Maxi e Luisão. Temo golos estúpidos (bolas paradas ou arrancadas sem pressão de Maxi, Gaitan ou Salvio). Temo que se ache que a responsabilidade seja só nossa.
    Confio em Nani, Montero, J. Mário, Patrício e William.
    Acho que podemos ganhar. Se vamos conseguir?

    abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cantinho,

      Vê, se puderes, o falhanço do Martins. É um golo cantado. Pôs mal o pé na bola...

      No tema centrais concordo com a desorientação. Mas acho que prefiro a conclusão de que não conseguimos melhor do que já temos do que contratar por contratar. Janeiro está cheio de exemplos desses, alguns bem caros (basta lembrar Pongolle), alguns sem explicação possível (Cristiano...). O meu balanço positivo é por aí. E pelo facto de terem sido colocados os jogadores que a generalidade dos adeptos entendia que estavam num patamar equivalente ao do JMário no ano passado: (talvez) ainda não preparados para a equipa A, mas claramente acima das exigências da equipa B (e saturados de ali estarem).

      Por outro lado, o tema da falta de amigos também se vai resolvendo assim. Duvido que a Académica ou o Arouca sejam muito amigos do Sporting. Acho que ficarão mais amigos se os empréstimos os ajudarem. Acredito que o único desses que não alinharia seria o Belém, é fortíssimo aliado do Benfica. Os outros, dependeria do que tivéssemos para lhes oferecer. A Académica não rejeita um Cissé porque não tem melhor (diz muito da qualidade do plantel, como aqui disse na semana passada), o Arouca não rejeita um Fokobo. Mas acho, sinceramente, que o Paulo Fonseca não desdenharia um Esgaio. Deve haver mais nesta história que se lhe diga.

      Quanto a derbies só acho que há aí uma confusão nesse 1-3. É que fui vê-lo ao estádio e foi a 2ª parte mais desequilibrada que já vi num Sporting-Benfica. Nem o 7-1 ou o 3-6 devem ter sido tão desequilibrados. O Sporting até teve uma oportunidade para o 2-0 aos 55 minutos, pelo Elias. Mas daí até ao fim do jogo nem passou do meio-campo. Foi muito mau mesmo. No ano passado, sim, o Benfica empatou o jogo e estoirou aí pelo minuto 75, algo de que o Sporting só se apercebeu quando já não havia tempo.

      Individualmente, o que mais temo é mesmo o Salvio: sei que os "experts" o desvalorizam porque insiste sempre na iniciativa individual; mas o que eu vejo é um jogador com velocidade, força, técnica, dois bons pés, bom remate e que consegue quase sempre sucesso nas suas ações, ainda que (teoricamente) sejam más decisões. É um jogador que contraria a lógica e isso é o pior de tudo - talvez por isso, ninguém o leva daqui para fora. É mais do que bom para a Liga portuguesa mas não é suficientemente bom para um grande europeu. Por motivos diferentes, acontecia o mesmo com Jardel, que nos andou a atormentar durante anos e depois passou a atormentar os outros.

      abraço

      Eliminar
    2. Koba,

      Onde poderei ver o falhanço do Martins? Já vi tantos resumos e népia.

      Pode ser que tenhas razão nessa demanda em arranjar amigos. Ou então acontece como sempre foi, ainda gozam. E concordo, acho que o Paulo Fonseca não desdenharia um Esgaio (nem o Pedro Martins). O caminho faz-se caminhando...

      Esse derby também foi muito desequilibrado na 1ª parte e esse lance do Elias podia dar 2-0. E repara que o Boulahrouz foi expulso no lance do 2-1. No nosso 11 havia muita porcaria!! Em 90 minutos não levámos um baile. A 2ª parte foi má (era o 1º contra o 13º???).
      Concordo com isso do Salvio. Esperemos que o Carrillo seja o nosso Salvio.

      abraço

      Eliminar
    3. o da SportTV acho que tem, se tiveres gravações automáticas consegues apanhar

      Eliminar
  3. Talvez seja útil recordar que o Sporting começou a temporada com o Rojo - a quem o presidente tinha prometido deixar sair por uma boa proposta e voltou com a palavra atrás -, com o Dier - com quem o presidente queria renovar com uma cláusula de 45 milhões -, com o Maurício - a quem o presidente também fez promessas que depois não cumpriu - e com o "reforço" Paulo Oliveira (que custou 1,8M de euros).

    Depois(?) vieram os malvados da Doyen e, com episódios rocambolescos à mistura, o Rojo saiu. Pelo meio o "mercenário" do Dier pôs-se a andar por uns míseros 5 milhões. Isto feito, a "estutura" tinha em mira o David Luiz egípcio desde Maio e foi contratar o Sarr - um jovem francês "cheio de potencial" - para emparceirar com o despeitado Maurício. Ambos constituíram a dupla de centrais titular no primeiro terço do campeonato - sendo, portanto, a 1ª e a 2ª opção no plantel.

    O Sarr, em virtude das suas limitações notórias, foi caindo na hierarquia dos centrais... de 2ª opção, para 3ª opção. O David Rabia chegou lesionado e foi aquecer para a B, onde demonstrou igualmente a sua maravilhosa condição tecnico-táctica. Em virtude dos falhanços recorrentes dos seus colegas de sector, o Paulo Oliveira subiu de 3ª opção para 2ª opção e o Tobias - depois de um ano emprestado ao Réus (o que lhe terá feito maravilhas pela evolução!) - passou de 5ª opção para 4ª opção.

    Vem Janeiro e o presidente - que tinha anunciado vai para fins de Dezembro que não haveria uma única contratação - despacha o despeitado Maurício (que apesar das suas limitações ainda era a 1ª opção...) e contrata um jogador lesionado E que fez 5 jogos no último ano (e não por estar lesionado), de quem o treinador diz poder vir a contar daqui a cerca de 1 mês e meio (depois de todos os jogos decisivos para o campeonato).

    Constatando que tinha contratado mais um central lesionado - ainda que representado pelo amigalhaço do Inácio, o mesmo que trouxe o Hugo Sousa pela mão, esse tal de central que tratou de remeter o Tobias para o Réus... -, a "estrutura" ainda tenta outro central que correu meia Europa sem se afirmar, em cima da hora, para oferecer ao treinador uma outra alternativa que não o constantemente azarado David Rabia. Helas, divergências (financeiras) de última hora ditam que o jogador afinal não vem. Só faltava mesmo, para mais, estar lesionado...

    Coisas semelhantes, mas menos flagrantes, se poderiam dizer da enxurrada de jogadores que saiu. Mas por economia de patrocínio, deixo o ensejo ao Koba, que me recuso a acreditar tenha considerado ser positivo o balanço da actuação da "estrutura" no mercado em Janeiro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O positivo não significa que tenha sido tudo bom. Mas como sabes aceito com relativa tolerância o "mais vale tarde do que nunca". É positivo, essencialmente, sob dois prismas:

      1. A "enxurrada de saídas" vem corrigir os disparates de Julho e Agosto. A meu ver, antes isto do que ficar na mesma, com jogadores desmotivados e fartos da II liga, da equipa B, dos batatais, etc.; ou com jogadores que já se sabe que não vão a lado nenhum a tirar o lugar a outros que podem (vir a) ser muito melhores. Sei que me vais dizer que o ideal era nunca ter sequer ponderado contar com o Manafá, o Baldé, o Enoh, o Cissé e o Gazela. Se calhar é verdade. Mas prefiro que se corrija o erro, tirando da equipa B os jogadores que estão ali a mais (seja porque estão a estagnar, seja porque já deu para ver que não dá para mais) e promovendo juniores/fazendo regressar o Zezinho e o Diego Rubio.

      2. O Sporting deixou sair o Maurício. O negócio parecia bom, retsava saber quem ocupava o lugar. Como sabes, fui dos primeiros a dizer que com aquele valor o Sporting dificilmente conseguiria um jogador muito melhor do que o Maurício. Nesse sentido, considero positivo que não se tenha inventado - manteve-se os que já cá estavam. Não preciso de te recordar as dezenas de disparates de Janeiro, pois não? Se seguirmos o teu crivo, mais apertado do que o meu, bastar-nos-ia recuar ao ano passado...

      De negativo - o facto de o Ewerton não estar disponível para já. Mas foi o própro Marco Silva a dizer uma coisa muito clara: quem não tem dinheiro, como é o nosso caso, não consegue, em Janeiro, contratar jogadores bons e que estejam a jogar (se forem bons e estiverem a ser utilizados, o clube que os tem, em Janeiro, abre mais a goela por motivos óbvios). Veio este, que é bom (supostamente) mas precisa de tempo. Mas sim, fica como um aspeto negativo.

      O saldo, ainda assim, é positivo. Estou a falar do que se fez em Janeiro, não do que se fez antes. O que se fez antes (como o histórico que descreves dos centrais) foi claramente negativo, como disse em Agosto e Setembro.

      Eliminar
  4. Chega a ser surreal certas coisas que se lêem.

    Ewerton - Parece-me relativamente óbvio que se o jogador estivesse nas suas melhores condições teria um preço proibitivo para os cofres do Sporting. Assim parece-me que 300 mil euros é um bom preço para pagar para ver. Certamente que se o jogador voltar ao nível que já exibiu acaba por ser uma bela aquisição.

    Mas é claro que eu gostava imenso que o Sporting tivesse ido buscar um central feito capaz de entrar directamente no 11 ( e o que não diriam por vir tapar o lugar do Tobias, e a aposta na formação etc e tal) e quem sabe talvez outro ponta-de-lança para atacar o campeonato e fazer tremer o Wolfburgo.
    Imagino que ai com uns 8 ou 9 milhões dava para isso... isso é o que uns meros 10% do que o Godinho Lopes estourou.... peaners. Só que lamentavelmente não há dinheiro!! Porque será??

    Continuo a ouvir falar nas comissões do Inácio e das negociatas com empresários amigos... Ahh bons tempos do Carlos Freitas. Realmente o Inácio é mesmo anjinho.

    Sou do tempo em se defendia que o Sporting podia e devia fazer favores a empresários e como isso seria altamente proveitoso no futuro...Recordo-me de um tal Patinho e do craque Júlio Alves. Também me lembro dos Tiuis, dos Tales, do Cristiano, do Kokes, e dos Motas. Haja memória!

    Sobre os empréstimos concordo que realmente era desejável emprestar a clubes amigos e a bons treinadores mas além de todos sabermos como é o panorama cá do burgo também sabemos que tudo muda num ápice. Duvido muito por exemplo que o Paulo Sérgio aguente muito mais.

    Agora pena tenho que não se tenha feito voltar o Betinho de Inglaterra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. FCS, discordamos em muita coisa, em particular nas constantes referências a Godinho Lopes e outros do passado (até quando?).

      Mas há uma coisa que não posso mesmo deixar passar, desculpe lá: o ENORME Rodrigo Tiuí (vénia) atingiu um lugar na galeria dos imortais ao decidir aquela final da Taça contra o FCP, com direito a golo de bicla. Se eu voltasse atrás, pagaria por ele o dobro do que pagámos.

      Um dia escreverei um post sobre Rodrigo Tiuí (vénia).

      Eliminar
  5. Koba, por acaso nem concordo que discordemos assim em tanto mas nisto claramente que sim.

    Pergunta até quando? Bem, pelo menos enquanto o presente e o futuro próximo estejam tão condicionados pelo passado recente. Convém não esquecer a História senão há o risco de ela se repetir.

    Ao mesmo tempo confesso que me faz muita confusão ver alguns a fingir que nada aconteceu, que nada limita e condiciona o presente.

    Essa do Tiuí não vale!! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. FCS, repare que o seu comentário não se refere apenas às limitações que GL deixou; vai à comparação com o que ele gastou.

      E aí, desculpe, mas tenho que dizer isto a todos os que sempre apoiaram BC, como calculo ser o seu caso: na 1ª eleição, em 2011, BC prometeu um investimento de 50M€ na equipa de futebol. Eram todos iguais, com exceção de Abrantes Mendes (que muito me arrependo de ter "atacado" nessa altura, foi o único que nos disse a verdade). Todos prometiam mundos e fundos, todos prometiam grandes reforços, todos tinham treinadores estrangeiros que seriam seguramente caríssimos (a exceção aliás era GL que tinha Domingos). E todos fomos na cantiga, todos sem exceção - a começar por mim próprio, que acabei por votar naquele que me parecia ser o melhor projeto desportivo (com Rijkaard, uma equipa "cara" mas só com 18 jogadores e uma equipa B ao serviço da equipa A).

      Portanto, e em primeiro lugar, o que falhou com GL não foi o que ele gastou, porque isso todos fariam; foi como gastou. Em segundo lugar, convém perceber que com este projeto de BC, mesmo em desinvestimento, foram contratados 30 jogadores. Até podem só ter custado 10M€ ou 20M€, mas convém perceber quantos desses 30 realmente faziam sentido. Agrada-me que se esteja a corrigir, mas preferia que se tivesse acertado à primeira.

      Eliminar