03/11/2014

Revisitando o passado

Este campeonato está a fazer lembrar, por algumas coincidências, mas motivos diferentes, dois outros campeonatos da nossa história:

- o de 99/2000, em que entrámos periclitantes, mas sem perder, subimos de forma (mais anímica do que outra coisa), perdemos um jogo (em Alverca) quando estávamos num bom momento, eliminámos um rival direto da Taça, no respetivo estádio (na altura Benfica, desta vez foi o FCP, mas o mesmo resultado: 3-1) depois de empatar na Luz (na altura 0-0, desta feita 1-1), vitória sobre o Marítimo por 4-2 depois de vantagem confortável (na altura de 2-0 para 2-2, agora de 3-0 para 3-2) e até a novela do central que na altura só chegou em Janeiro (André Cruz).

- o de 2004/2005, em que o Sporting jogava aquilo que se usa designar como o futebol "mais atrativo" mas tinha uma consistência defensiva muito abaixo do desejável, o que em "dia sim" permitia golear o Boavista, em Alvalade (6-1) e no Bessa (4-0) (e na altura ainda era "o" Boavista), e em "dia não" conduzia a que se fizesse 1 ponto em 6 possíveis com uma equipa do Vitória de Setúbal primeiro liderada por José Couceiro e depois por José Rachão (para nem referir derrota com o Penafiel em casa em plena luta pelo título). Uma ambição futebolística quase ingénua, que também levava a derrotas na Choupana no último segundo depois de, a jogar 10 contra 11, e recuperar de 0-2 para 2-2, tentar ainda assim ganhar o jogo (e desta lembrei-me pelo jogo em Gelsenkirchen em que, sem prejuízo dos erros de arbitragem, o Sporting tem um livre aos 90+2 que podia ter aproveitado para congelar o jogo ali e, ao invés, fez subir os centrais para tentar o 4-3).

Espero que Marco Silva não seja "um" Peseiro. Espero que os próximos jogos demonstrem que estamos mais perto de 99/2000 do que de 2004/2005 (até porque, na altura, o que nos permitiu disputar o título até ao fim foi o fraco nível dos rivais diretos, o que não se repete nesta época). Espero que o central de Janeiro ajude a corrigir os problemas defensivos. Mas, para tudo isto ser verdade, convém que a distância para os lugares da frente não aumente, o que significa que o Sporting tem que aguentar a pedalada, mesmo que não jogue tão bem (e mesmo que ganhe a "Campomaiorenses" com golos marcados por "Vidigais" bem perto do fim do jogo).

O que o Sporting não pode fazer, e fez, é esperar para ver o que o jogo dá. De tudo o que vimos no Sábado, e muito de mau foi visto, o que me fez mais confusão é que o Sporting tenha entrado, contra uma equipa de miúdos que no ano passado jogavam no CNS, a deixar o adversário jogar. E chocou-me, no fim do jogo, que o Marco Silva, que continuo a achar ser um treinador competentíssimo e o homem certo no lugar certo, tenha afirmado que "se não fossem dois erros em bolas paradas, o jogo ia ser resolvido na segunda parte". Ou seja, sem eufemismos que só fazem mal à saúde: o Sporting queria deixar o jogo correr e resolvê-lo na segunda parte; levou duas batatas e nem forças teve para correr atrás do prejuízo. Assim, não há seguramente candidato ao título.

A segunda coisa que me fez mais confusão foi terem sido retirados do jogo 3 dos 4 elementos mais talentosos (só ficou Nani). A perder 2-0, sem Carrillo, sem João Mário e mais tarde sem Montero, o Sporting passou à fase do cruzamento à toa, que como é evidente não dá nada. O Sporting quis, na segunda parte, ver se o sistema Jardim resolvia os problemas. Sejamos honestos: o sistema Jardim resolvia problemas porque era um sistema seguro e que permitia sofrer poucos golos; mas o Sporting, com Jardim, raramente sofria 2 golos; e quando os sofreu, ganhou 1 jogo, e apenas 1, os restantes empatou ou perdeu. Sei que estou a ser simplista, mas é um sistema que previne que isso aconteça, não resolve problemas quando os factos estão consumados. Era indispensável no ano passado ter alguma consistência, mas seria insuficiente para este ano, como sempre se disse.

O caminho: corrigir. Mas corrigir no treino e não com puxões de orelhas em público. Eu, pelo menos, não acho que os jogadores do Sporting tenham entrado em campo a dormir só por acaso. Alguns nem entraram a dormir, entraram a dar o que têm e isso não chega (responsabilidade de quem os contratou); outros entraram a fazer o que o treinador pediu, como o próprio pareceu admitir no fim do jogo (responsabilidade dele, treinador). O presidente e o treinador do Sporting devem evitar o discurso que fica bonito nos jornais e perceber onde é que eles falharam. Sem isso, vamos continuar a acreditar que, "se aquelas duas bolas não tivessem entrado, na segunda parte é que ia ser".

No fundo, que me perdoem os que assim pensam, isto não é mais do que o discurso da avó e do camião...

PS: Admitindo que possa estar a ser influenciado pelos experts, não percebo como é que uma equipa que precisa de ganhar 1 jogo que perde por 2-0, abdica de João Mário e deixa ficar Adrien Silva; e insiste num William que fez a esmagadora maioria dos passes "à queima", deixando os colegas em maus lençóis.

9 comentários:

  1. Não há duvidas que o treinador esteve mal nas substituições, mas isso não explica o fraco rendimento na 1ª parte. A culpa terá mesmo que ser repartida pelas 2 partes. Para ganhar aquele jogo, nós precisavamos do Montero e do Slimani em campo ao mesmo tempo, bem como de João Mário e o Adrien. Podia ter tirado o William e o Adrien descia um pouco no terreno (e já mostrou que o sabe fazer bem).

    Esperemos que aprenda com os erros cometidos.
    De qualquer maneira, acredito que a equipa vai mostrar atitude já na 4ª feira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mike, o treinador abordou mal o jogo, não há que escondê-lo

      Provavelmente por considerar não ter condições para rodar jogadores (e acho que até tem nalgumas posições: Miguel Lopes/Esgaio, Rosell, Martins, Mané, Tanaka são jogadores de qualidade), optou por "descansar" 45 minutos. Duas bolas paradas e estratégia para o galheiro. Foi o que me pareceu resultar das declarações finais...

      Eliminar
  2. Koba,

    Revejo-me no texto todo. Até nos paralelismos com 1999/2000 e 2004/2005. Quando saí do jogo com o Marítimo lembrei-me logo desse em 1999/2000.

    As explicações do Marco são curtas. Preparou-se mal e preparou mal a equipa. É isto e mais nada.
    Bruno Carvalho podia mandar uma "caralhada" para dentro, mas lá DENTRO e nunca da forma como o fez.
    Normalmente, estes "tiros nos pés" tendem a sair caro, muito caro.

    As responsabilidades são de todos. E alguns têm mais que outros. E o sucesso só será possível com TODOS. Isto assim só cria divisão.

    Rossel, Martins, Jefferson, Esgaio, Mané e Tanaka podiam muito bem fazer parte dos planos de jogo do Marco Silva. Uma coisa é certa, o 11 que vai a jogo amanhã, vai fragilizado.

    abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Outra coisa que também abordaste:

      - 1999/2000 - só um excelente treinador, como é o Engenheiro do Penta, consegue perder um Campeonato com Baía, Jorge Costa, Aloísio, Paulinho Santos, Capucho, Zahovic, Drulovic, Domigos e Jardel;

      - 2004/2005 - a equipa que venceu tinha, a titular, jogadores como Karadas, Bruno Aguiar, Dos Santos, António Costa e Paulo Paraty.

      Esta época, os adversários estão mais fortes e, aqueles que têm grandes planteis, estão muito melhor orientados.

      Eliminar
    2. Cantinho,

      Em defesa do Eng.º, devo dizer que esse foi o ano mais desgastante de sempre da Champs, com duas fases de grupo consecutivas. Foi também (creio) o ano da miserável arbitragem de Hugh Dallas num Bayern-Porto (não que tenha pena dos meninos, mas apenas para dizer que podiam perfeitamente ter ido + longe na Champs se não tivessem sido gamados).

      No demais, já sabia que ias excluir o Miguel Lopes :)

      Abraço

      Eliminar
    3. Cantinho, outra coincidência com 04/05: jogador das escolas que voltou emprestado, na altura Hugo Viana.

      Eliminar
    4. Koba,

      Já nem me lembrava dessa arbitragem. Agora até já me lembro da cara do Bife. Fiquei mesmo triste... Vê lá que se consegue ter memória das arbitragens más dos nossos rivais, mesmo que estas tenham sido há 15 anos. São tão raras que são fáceis de recordar.

      O Miguel Lopes não é jogador de futebol (mas a culpa não é dele).

      Bem vista, essa do Hugo Viana.

      Eliminar
  3. Cnatinho/Mike,

    Para ajudar à discussão:

    - http://svpn.blogspot.com/2014/11/assim-nao-ha-empenho-que-nos-valha.html;
    - http://jogodirecto.blogspot.com/2014/11/sporting-e-o-pessimo-controlo-defensivo.html.

    Dito por quem percebe mais da poda do que eu...

    ResponderEliminar