22/10/2014

Vamos lá, de uma vez por todas, perceber as regras do jogo


Isto, meus amigos, não é penalty. Vejam lá se percebem isto de uma vez por todas: varrer um jogador do Sporting em plena área não é penalty, em particular quando o adversário é o Chelsea.


Já isto é obviamente penalty.

Encarem a realidade e deixem-se de calimerices: aos 90+2, em Gelsenkirchen, contra a equipa cujo adepto mais célebre foi... (vá, não posso recorrer a esta demagogia barata, não é justo para o Schalke, vou voltar atrás e tentar de novo); aos 90+2, contra a equipa cujo patrocinador... (eh pá, assim também não, pareço o Octávio Machado, vou tentar outra vez); aos 90+2, em Gelsenkirchen, contra uma equipa alemã, qualquer jogador do Sporting que impeça a bola de chegar à baliza faz penalty. Ainda que jogue com os pés ou a cabeça. Digo mais: se o Patrício defendesse a bola, era penalty, onde já se viu jogar com as mãos dentro da área?...

PS: O Sporting de ontem foi enorme! As sucessivas imagens de pânico nas bancadas, com o resultado em 2-3 e o Sporting reduzido a 10, essas sim espelham o que se passou dentro de campo.

16 comentários:

  1. A meritocracia está no 'auge'. Grande século 21 que temos :(

    ResponderEliminar
  2. E ninguém diz nada sobre o facto do Jonathan parecer um guarda redes de andebol nesta foto?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. anónimo, lógica da batata... obviamente que a forma de abordar o lance é negligente e que se a bola lhe acertasse em qualquer dos braços era penalty. mas não acertou. é o mesmo que eu ir na rua, dar um pontapé no ar e ser preso porque poderia ter acertado em alguém

      Eliminar
    2. Não é lógica da batata na medida em que é um comportamento que é por demais apto a causar confusão ou equívoco, além de ser totalmente imbecil. E não é a lógica da batata porque o objecto deste post é a aparente má vontade (para não usar os termos do Barroso) do árbitro ou dos árbitros dos jogos anteriores, sendo que este por acaso até tinha marcado um penalti a favor do Sporting uma meia hora antes.

      Não é a lógica da batata referir que, face ao comportamento do Jonathan, o erro do árbitro é compreensível, pois afinal, a maior probabilidade era mesmo que batesse nos braços (que ocupam uma "volumetria" superior à cara). Pretender ignorar esse facto não faz um serviço a ninguém e é tão estúpido como referir que foi penalti.

      Mas pronto. Apesar de nos últimos 10min o árbitro e os auxiliares terem decidido várias vezes, em situações emque poderia haver dúvida, a favor do Sporting (faltas, foras, etc.), é bastante mais reconfortante achar que o árbitro é um grande bandido, que é máfia russa da boa, que o Sporting é o centro do mundo e tem de ser contra tudo e contra todos. É pena é que este blog alinhe nesse discurso simples. De valor era resumir o post ao PS e referir que o Sporting fez uma boa exibição e teve azar num pormenor, que provavelmente nem teria acontecido se o jogo tivesse sido em Alvalade (porque o "factor casa" existe e ainda bem que assim é), e que a manter-se assim pode ter ambição de ir mais além. Mas não foi essa a opção.

      Eliminar
    3. FDX!!! Para além de mts considerandos pura e simplesmente estúpidos (tipo "factor casa existe e ainda bem que assim é") o que se conclui é que o SCP ainda foi beneficiado (nem que fosse nos últimos 10 minutos), segundo aqui o expert em arbitragem moderna!!! Mas, questiono-me: não foi precisamente nesse período de tempo (últimos 10 minutos) que inventaram um penalty absurdo...? Nem vale a pena falar no indefensável critério disciplinar ou no golo de Huntelaar que parte em fora-de-jogo e ganha a bola em falta. 4 golos sofridos, 2 ilegais… Jogador do SCP expulsão após um lance banal em que salta com adversário para disputar a bola de cabeça no meio campo (2.º cartão amarelo à 2.ª falta!)… Coisa pouca, td pormenores.

      Ópah, não sei se és lampião ou tripas, mas és um burro do crlho. E dos gdes.

      Eliminar
    4. Virgílio, nem lampião, nem tripas. Apenas com bastante desconforto com o maniqueísmo instalado, em que uns são puros e os outros criminosos.

      Não disse que o Sporting tinha sido "beneficiado" nos últimos 10min, disse apenas que não foi prejudicado em lances em que facilmente se poderia ter decidido de outra forma. Lances de dúvida há dezenas durante o jogo, houve alguns no período subsequente ao empate e nem todos caíram para o lado do Schalke.

      Já agora, disputar a bola de cabeça e acertar com a bacia na cabeça do adversário que está de pé, é tudo menos banal.

      Por último o factor casa existe e é bom que assim se mantenha, porque também é por isso que vale a pena ir ao estádio apoiar uma equipa: condicionar as decisões do árbitro em que possa haver dúvida é o objectivo. Se fosse em Alvalade e o contrário acontecesse, não haveria seguramente esta indignação colectiva.

      Mas pronto: burro e dos grandes.

      Eliminar
    5. Bom, vejo que não percebeste a ironia dos strikethroughs, que acaba por conduzir à conclusão de que o tema não é mafia nem patrocínios, apenas poderio dos clubes em questão. Acreditas que o mesmo lance, no mesmo estádio, seria assinalado se o adversário fosse o Chelsea? Eu (sim, estou a especular) não acredito.

      Daqui não retiro qualquer teoria de conspiração, retiro apenas que fomos gamados. Não sei porquê nem me interessa.

      Quanto ao "erro", se fosse do próprio árbitro até poderia ser compreensível, vê o lance de lado. Do árbitro de baliza, desculpa, mas não consigo entender de outra forma: marcou o penalty porque quis marcar.

      Quanto ao factor casa, onde andou ele no lance da 1ª foto?

      Eliminar
    6. Olha o PLF!!! Ainda bem que apareceste, pah! Andas incógnito? Mas olha, apareceste em má altura e desculpa dizer-te, mt mal, até pq não, não é maniqueísmo: é roubalheira e das grandes. Por fim, retiro o burro, pq sei que não és e pço desculpa pelo insulto. Mas, sabendo que não o és, esta tua opinião para lá caminha. Tds temos direito a dizer disparates, de vez em qd.

      Deixo-te um pequeno exercício: tenta saltar de braços colados ao corpo enquanto tentas interceptar uma bola... E dps vem cá dizer-me que sim, que te sentiste muito,como dizer? "natural... pois, diz que é isso: posição "natural"...

      SL

      Eliminar
  3. Continuas a desconsiderar que a decisão foi adoptada numa fracção de segundo, que 2 dos 3 árbitros envolvidos até tomaram a decisão certa, que houve um que errou, mas que nenhum dos 3 teria certezas. E continuas a desconsiderar que o comportamento do jogador em causa, na jogada da "indignação", é mais do que susceptível de induzir em erro. O que o árbitro de baliza tem verdadeiramente tempo de ver é que o jogador do Sporting salta de braços abertos. Depois entre a cabeça e o ombro vão 15cm de distância. E da mesma forma que está mais próximo para verificar o que realmente se passou, está também mais próximo para verificar a abordagem totalmente imprudente do jogador do Sporting.

    Se não dás valor a esse aspecto, estás no teu direito. Acho que fazes um mau serviço a ti próprio, mas tu lá sabes. Aproveitar para afirmar que o Sporting foi "roubado", é ir um passo além: é afirmar que o árbitro decidiu de forma premeditada. Ao juntar esse erro com um erro de um jogo anterior, pretendes estabelecer um padrão. Mas alto lá que este "padrão de premeditação" não tem nada a ver com "conspirações" (talvez o termo te faça confusão).

    Quanto ao "factor casa", até acho engraçado que perguntes pelo lance da 1ª foto. É que eu lembro-me de te ouvir dizer que "factor casa" e "equipas mais fortes" andam de mão dada e que é normal que isso exista. Não estou a ver a União de Leiria a ter grande "factor casa", pois depende também da capacidade do público mobilizar o árbitro quanto ao adversário. Quando me disseste isto, não me pareceste muito indignado. Portanto é lógico que o "factor casa" se dilui se o adversário for uma "grande equipa", que o Sporting não é em termos de Liga dos Campeões.

    Utilizando o mesmo lance num Sporting - Maribor, com os mesmos árbitros, acredito que o árbitro também se enganasse e errasse a favor do Sporting. Mas lá se iria a conspiração, a premeditação e o padrão...

    Mas o pior de tudo deste post é focar no negativo. Isso é que é mau.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seguramente já me leste muitas vezes sobre arbitragem (basta seguir o tag). Terei sido dos poucos a não entrar em lógicas conspirativas com a arbitragem do Duarte Gomes no jogo da Taça da época passada, só para dar um exemplo. Neste lance, se me permites, custa-me a acreditar que um tipo a 2 metros do lance tenha visto algo que não aconteceu. Porque não esqueças isto: não aconteceu.

      Todos os lances são julgados em frações de segundo. Do mesmo modo, todos os jogadores têm que tomar decisões em frações de segundo. Os que decidem (e executam) melhor são normalmente os que andam nos grandes clubes, na Champions, etc. Na esmagadora maioria dos casos, quando um jogador decide mal, fá-lo porque lhe falta ali qualquer coisa. Mas quando vejo, por exemplo, dois jogadores do Marítimo, num jogo contra o FCP, ansiosos por meter um braço na bola a ver qual primeiro faz o penalty, não me peças para não desconfiar.

      Bom, estás a desvirtuar o contexto. Quando eu disse isso, referia-me ao facto de o Leiria, mesmo em casa, ter menos adeptos do que nós. Até fiz aqui um post em que disse que só não jogávamos em casa em 4 ou 5 estádios. Com o Chelsea, foi simplesmente o poderio do clube a desequilibrar.

      Eliminar
    2. Koba, só vi os últimos 20min do jogo.

      Já vi muitos jogos com o campo inclinado. Vi o Sporting jogar mais de uma década nas Antas com o campo inclinado. Faltas (marcadas e por marcar), foras, amarelos, a atitude do árbitro relativamente aos jogadores, tudo feito de forma a condicionar. Não foi isso que vi nos últimos 20min do jogo com o Schalke. Aliás, nem reparei na existência de um "factor casa", em que se compreende que decisões duvidosas possam cair para o lado da equipa visitada. E é assim que se decidem jogos, não é com erros grosseiros nos 3min de tempo suplementar (bem longe dos 8min que um Martins dos Santos oferecia ao FCPorto) dados pelos árbitros que se rouba, porque isso - para o árbitro - é pessoalmente muito pior.

      Quanto ao erro, o erro aconteceu, assim como um facto. A bola bateu no corpo do jogador do Sporting. Se não tivesse batido, não teria acontecido, mas bateu, pelo que houve facto relevante que exigiu uma subsunção ao tipo.

      Claro que se preferires a experiência da religião em massa, é só dizer.

      Eliminar
    3. Quantos dos lances que viste foram ajuízados por aquele árbitro de baliza? O árbitro não marcou o penalty e o tipo que estava em melhor posição para ver o que aconteceu marcou...

      Aliás, explica-me isto: como é que um lance em que a bola é cabeceada na direção da baliza e o árbitro de baliza entende que o jogador do Sporting cortou a bola deliberadamente com a mão, não sai sequer um amarelo?

      Eliminar
    4. Em primeiro lugar, estás na posição muito confortável de defender que o árbitro errou, mas deverias procurar alargar esse conforto à existência de qualquer indício que o tenha feito de forma deliberada (que é o que sugeres e que é bem diferente). Porque se me deixas apenas com a tarefa de justificar um erro que é grosseiro, é um bocado desequilibrado.

      Quanto à tua pergunta "por que não sai um amarelo", honestamente, não faz qualquer sentido e até pode ser contraproducente para a tua tese. O que custaria a um árbitro corrupto mostrar um amarelo a um jogador, se isso não acarretaria qualquer consequência e até seria lógico na sequência da decisão? Seguramente, nada.

      Já o que parece passar-se - pelo menos a mim que não me sinto suficientemente importante para me crer alvo de perseguições avulsas e conspirações universais - é o seguinte:
      (i) um jogador salta de braços abertos para a bola;
      (ii) no ângulo de visão do árbitro, provavelmente o braço esquerdo do jogador está na projecção da linha da bola (atrás da cara),
      (iii) o lance é atípico (principalmente por causa do movimento do defensor).

      A conjunção destes factores não permite gerar certezas quanto à realidade material, razão pela qual se admite que o preenchimento do tipo se tenha realizado com um grau de dolo menor (dolo eventual). Resultado, penalty sem amarelo. Isto é lógico.

      Veja-se, por exemplo, o comentário dos 2 comentadores em lance corrido abaixo no clip abaixo. O árbitro de baliza, que marca imediatamente, não tem o benefício da repetição.

      http://www.goalsarena.org/en/video/champions-league/21-10-2014-schalke-04-sporting-cp-group-g.html

      Por último, também é lógico que o nosso cérebro processe aquilo que acha que vai ver (e que, numa fracção de segundos, não consiga acomodar-se a uma outra realidade): como referi acima, naquele momento, quer (a) o inusual e negligente movimento do Jonathan, quer (b) o volume ocupado pela cara por relação aos braços, sugerem haver maior probabilidade que a bola tenha batido nos braços e não na cara (da mesma forma que, quando um guarda-redes faz a mancha, a probabilidade é que bata nos braços e não na cara... e daí o meu 1º comentário, que foi olimpicamente ignorado e rebatido com o contra-argumento absurdo do pontapé no ar). A decisão imediata é, pois, no sentido da maior probabilidade do elemento a apurar que é mais simples (cara ou braço). Uma decisão menos imediata (amarelo, não amarelo) sugere já um grau de qualificação mais aprofundado quanto ao elemento subjectivo. Como não havia certeza sequer quanto à existência de ilicitude, muito menos quanto à graduação da culpa, a escolha lógica é mesmo a de não dar amarelo. Chegado a este ponto árbitros poderiam ter voltado a discutir se tinha sido mesmo penalty, mas isso é extraordinariamente difícil.

      Dito isto, e por isso o meu primeiro comentário, estou convencido que o árbitro é induzido em erro pelo movimento dos braços do Jonathan. Estou também convencido que se os braços estivessem bem abertos, mas abaixo do nível dos ombros, que o árbitro não teria marcado penalty. Estou portanto convencido que isto não foi uma cabala contra o Sporting. Não estou convencido que o árbitro é bom ou o erro desculpável, estou apenas a dizer que há muitos factores que sugerem o porquê do erro e que, dessa forma, sugerem ser menos provável que o árbitro estivesse a "gamar". Mas isso também nem sequer exclui que o árbitro estivesse efectivamente a gamar, seja o maior dos corruptos e que de facto existe uma grande cabala da máfia russa e os dinheiros e tudo o mais que o Barroso se lembrou de dizer. Só digo que os factos, tais como os apreendo, não me permitem tirar essa conclusão. Ou pelo menos não me permitiriam tirar essa conclusão, sem pelo menos explorar as condicionantes.

      No fundo, quero acreditar que percebes o que digo e até concordas comigo.

      Eliminar
    5. Percebo o que dizes mas não concordo contigo por um simples motivo, que aliás já referi: quem marcou o penalty foi o árbitro de baliza, não o fiscal de linha (que estava longe) nem o árbitro (que estava de lado).

      Eliminar
  4. PLF,
    O que é mau...é justificar e desculpar a maldade, mesmo que os factos demonstrem que houve intenção!
    O que é mau...é que embora errar seja humano, o tal "humano" erre quase sempre contra a mesma equipa, como se errar contra o Sporting fosse a atitude mais humana e compreensivel na vida!

    Podes não ser benfas nem tripas, mas não serás muito melhor que essa bicharada...

    SL

    ResponderEliminar
  5. Juba, se ser do Sporting actualmente se confunde com a vitimização, a perseguição e o insulto fácil, de facto aspiro a ser bastante melhor do que a bicharada que só conhece esses recursos.

    Mas o que é sempre mais engraçado é o "SL". O insulto seguido do "SL" é característico da bicharada que pulula na internet. O Sporting com que eu cresci era muito mais do que isso.

    ResponderEliminar