07/10/2014

Uma estranha dependência

O jogo de Benfica contra o modesto Arouca foi, durante toda a primeira parte, no mínimo penoso. Não só o futebol do Benfica era denunciado e enfadonho como as jogadas de maior perigo acabaram por vir do Arouca. Como consequência disto, o melhor jogador do Benfica durante a primeira parte foi mesmo, imagine-se, Artur. Os motivos de interesse eram tão poucos que as conversas sobre os mais variados temas de futebol multiplicavam-se naquela zona de cativos. Só faltavam as cervejas (com álcool) e os tremoços.

Na segunda parte as coisas melhoraram um pouco mas não muito. O Benfica fez um pouco mais de perigo e Artur apenas teve um susto. E quando os níveis de preocupação começavam a chegar a valores bastante elevados, surgiu o suspeito do costume deste início de época do Benfica: Talisca. Mais um grande golo do jovem brasileiro, que deu tranquilidade ao Benfica, que desestabilizou e desagregou a estratégia defensiva do Arouca e que acabou por levar o Benfica a uma inesperada goleada,

Acho que a estratégia de Jesus dos últimos jogos continua a apresentar resultados relativamente fracos que só ainda não se tornaram mais evidentes porque os jogos do campeonato têm corrido da melhor forma possível, contando com falhanços dos adversários como neste jogo ou com expulsões como em alguns anteriores, e contra adversários mais fracos (contra a equipa mais competente, o Sporting, não fomos além do empate em casa). O que me preocupa são os jogos a doer e o próximo do campeonato já é um desses (Braga fora)... 


Pegando neste jogo, é mais uma vez óbvio que Samaris não dá para 6. Na segunda parte subiu no terreno e a sua exibição subiu muitíssimo. Depois jogar com Talisca no meio campo em que apenas tem a companhia de mais um jogador, é também uma decisão duvidosa uma vez que o brasileiro ainda não tem a capacidade de defender e recuperar bolas que a posição exige. Nem ao nível da construção de jogo tem essa capacidade pelo que, se é para jogar, que jogue no meio campo com mais dois jogadores e a jogar de trás para a frente e não perto do avançado como é hábito quando é o terceiro elemento do meio campo. É também por isto que preferia ver Gaitán a jogar no meio e perto do avançado, já que tem uma capacidade de arranque muito mais forte (Talisca gosta mais de vir embalado de trás) e é muito mais influente na construção de jogo e desmarcações de colegas no último terço do terreno. A outra razão de ter Gaitán no meio era precisamente ter o Ola John a jogar na esquerda. As suas jogadas que resultaram em dois golos são simplesmente fabulosas e impressionam pelo seu poder físico, algo que os outros extremos não têm. 

Como para trinco só vejo o André Almeida e Enzo é para mim o melhor jogador do Benfica, é estranha a conclusão de que Talisca não tem lugar no meu 11 quando é o melhor marcador do campeonato, tem Arsenal e Liverpool à perna e tem decidido alguns jogos com grandes golos. Bom, só tenho uma forma de explicar esta preferência que fará confusão à grande maioria dos benfiquistas: acredito que se jogasse com estes jogadores contra o Arouca (neste jogo específico seria Samaris no lugar do indisponível Enzo), Artur não teria sofrido tantos sustos na primeira parte e as ocasiões de golo teriam sido bem superiores e assim evitado a dependência de um rasgo de génio de Talisca para vencer o Arouca em casa. Quanto a este, aproveitaria todas as oportunidades para lhe dar minutos para que pudesse desenvolver todo o seu potencial e transformar-se num grande jogador que poderá facilmente vir a ser mas que seguramente ainda não é.

Outras notas:
- grande Artur;
- gostei da qualidade de passe de Lisandro a fazer lembrar Garay;
- Jonas promete bastante. Poderá ser mesmo "o" jogador para jogar atrás do avançado já que Derley e Lima não parece que se complementem. Tem muito critério a soltar a bola, movimentações muito interessantes e ainda por cima não tem dificuldades em chegar ao golo;
- Samaris sim, mas a 8 para dar descanso ao Enzo;
- o talento de Ola John não pode ser desperdiçado;
- interessante a capacidade de trabalho de Derley, a forma como segura e protege a bola, sem deixar o adversário entrar na sua zona de protecção. Com maior confiança, já começa a fintar e arrancar com a bola pelo meio dos adversários. Reclama claramente a titularidade.

Vamos ver como nos safamos no teste a sério de Braga. Este tem mesmo que ser para ganhar! Jogando mal, sem oportunidades ou com a Artur como melhor jogador em campo, o importante é trazer os 3 pontos!
  

4 comentários:

  1. Aquilo o meio-campo não está a funcionar minimamente. Concordo que o Samaris não dá para 6 e que parece fazer mais sentido não forçar o Talisca a ser o apoio de Lima. Mas o mister já ganhou muitas vezes (apesar de ter tido os seus flos) apostas que pareciam não fazer grande sentido. E o Talisca tem um potencial tremendo. Também já tinha pensado de quem eu mais gostei de ver a jogar ao lado de Enzo esta época foi exactamente o André Almeida. Dá muita segurança, não inventa e liberta o resto da equipa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E ainda acrescentava que depois do Mundial parece que tem muito mais confiança. Que poderá se ir esvaziando com as passagens sucessivas pelo banco.

      Eliminar
  2. Como é possível, num texto tão extenso e por vezes revelador de boas análises, não haver referência ao facto de todas as jogadas de perigo até ao golo (inclusive) terem a marca Talisca?!? Se em teoria, os argumentos para que o Gaitan passe a jogar no meio como play maker, na prática, o que assistimos é que ele, e outros estão em deficiente condição física para fazerem a habitual diferença. E se o Ola John cumpre em termos ofensivos e tem de facto uma qualidade de passe e centros que impressiona, por outro lado é um jogador que não fecha o corredor em termos defensivos. Para mim continua a ser um pouco mandrião sempre que tem que correr sem bola. Quando oiço dizer sobre alguns que são bons suplentes, John é sem dúvida alguma isso mesmo. Quando é necessário balanceamento ofensivo e as acções defensivas são inexistentes, torna-se um jogador muito útil. Duvido que seja jogador para 90 minutos a ir à frente e a trás. Concordo que o trinco, enquanto não voltar Fejsa em perfeitas condições e em forma, deverá ser o André Almeida. Cristante e Samaris só a 8.

    AS

    ResponderEliminar
  3. Mesmo sem ter visto o resumo na televisão com mais calma, recordo os dois remates de Talisca com perigo é uma boa abertura. No entanto, num dos remates beneficiou do passe de Gaitán que fez uma grande diagonal e a jogada com mais perigo (Derley que recebeu a bola na área e ainda deixou o guarda redes no chão) não tenho a certeza mas penso que foi também Gaitán a fazer o passe.

    ResponderEliminar