19/08/2014

Este sim, é reforço!


BC tem o inegável mérito de conseguir sair dos buracos que ele próprio cavou ou ajudou a cavar melhor do que estava antes de cair no buraco. E isto também é importante num líder. Eu preferia, claro, que evitássemos todos os sobressaltos antes de chegar a este tipo de resultado. Mas, como diz o povo, mais vale tarde do que nunca. Veremos se é desta que aprende que para se chegar a este tipo de resultado, não é necessário por o clube em alvoroço todas as pré-temporadas. Para o ano, resolvamos estes temas mais discretamente e mais cedo, sff!

Isto dito: Nani é uma grande jogada de BC. A melhor jogada desportiva desde que chegou ao Sporting.

Do ponto de vista da equipa de futebol, é uma opção fantástica e é o tal extremo de que precisávamos. E até pode ser 10 - eu no início da carreira achei que ele ia ser 10, mas sempre se afirmou como extremo; sempre defendi neste blog que o Nani poderia ser um 10 para a seleção; e agora vejo o Carlos Pereira a dizer que pode ser 10. Ainda bem! Mas, Carlos, da próxima vez que quiseres falar em público sobre coisas que eu disse aqui antes, cita-me por favor.

Do ponto de vista político, deixo para reflexão as dúvidas que tenho sobre este negócio:
1. Como é que o Naite alinhou neste negócio, feito "à revelia" da Doyen? Ainda não consegui perceber...
2. O Sporting devolve à Doyen o valor que esta investiu, 3,75M€, se não estou em erro. Significa isto que a Doyen vai exigir judicialmente do Sporting os restantes 11,25M€. Difícil recorrer a fundos enquanto este tema não estiver resolvido (por um lado) e nem quero pensar (por outro lado) se perdemos totalmente a causa porque implicará pagar 11,25M€ assim de repente... espero que isto tenha sido muito bem ponderado e não faça parte de uma estratégia de "empurrar com a barriga".

Do ponto de vista jurídico, e aqui não posso conceder por "defeito profissional", acho aberrante que uma entidade receba um valor de 16M€ e anuncie aos quatro ventos que vai aplicar 9M€ na construção de um pavilhão... de um seu acionista. Não vou desenvolver o tema para não vos aborrecer, mas eu se fosse credor da SAD estaria neste momento a perguntar porque é que, afinal de contas, o acionista recebe antes de mim. O comunicado refere que os "termos legais" desta operação estão ainda por definir, mas este é um ponto em que teremos que estar atentos. Por muita criatividade que se ponha nesta situação, vejo demasiados obstáculos para ultrapassar (pelo menos sem o apoio/acordo dos credores).

Mas, por ora, o meu lado irracional de adepto prevalece e só me apetece gritar: ganda NANI!

25 comentários:

  1. Koba,

    vamos ficar-nos (para já) pelo lado irracional.
    Aliás, toda a sessão da Sporting TV hoje às 17h foi irracional (e assim estou a ser brando).

    É um grande reforço! Aliás, é reforço!

    Continuo a achar que esta cedência do Man United (e de Jorge Mendes) tem mais contrapartidas que, somente, o Rojo.
    Amanhã tem já de treinar. Tem pré-temporada feita e tem de entrar já na convocatória para o Arouca.

    Lá mais para a frente, a frio, analisamos isto tudo (até mesmo o aparecimento de Miguel Lopes, o que me preocupa bastante).

    abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cantinho, estou contigo

      Passei a tarde a fazer refresh nos sites desportivos sempre que tinha oportunidade. É uma grande contratação. E veremos se fica por aqui.

      Abraço

      Eliminar
  2. "...se fosse credor da SAD estaria neste momento a perguntar porque é que, afinal de contas, o acionista recebe antes de mim."

    Esse é um problema para a direcção resolver. Só digo que é de TODA a justiça que o clube seja beneficiado com o pavilhão, depois de tanto ter dado à SAD. Deixa estar que ninguém ficará a "arder".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, normalmente os credores nao estao muito preocupados com a justiça dos outros, querem saber da justiça deles, ou seja, querem receber. A a arder alguem ficara, resta saber se há algum acordo quanto a isto. Creio que faria sentido esclarecer.

      Eliminar
  3. Koba, como não sou jurista (a minha especialidade é outlets) queria colocar três questões:

    1. O Spartak (e a Doyen, já agora) não poderia vir reclamar uma "mais-valia" que contasse o valor da cedência do Nani?

    2. É possível apurar quanto é que o Sporting teria de pagar, em juros a acrescer à indemnização pelo incumprimento, caso perca o litígio em que presumivelmente estará envolvido com a Doyen?

    3. No que se pode presumir serem os termos do contrato, será de esperar esta operação consistir num "empurrar com a barriga", face à celeridade expectável da decisão e ao montante indemnizatório em causa?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. António,
      1. Possível, mas difícil. E se o Sporting fechasse o negócio Nani apenas no dia 31? Ou se fechasse Nani antes de vender Rojo? Nisso o comunicado não é inocente. "Em simultâneo a SPORTING SAD chegou ao acordo com o Manchester United para a cedência temporária, livre de encargos, para a SPORTING SAD do atleta Nani, até ao final da época 2014/2015." Não "em contrapartida", apenas "em simultâneo". O espírito é "já que estávamos ali, fechámos outro negócio". Mas depende do que consigam provar e do que esteja no contrato com um e outro.

      2. Se não estou em erro, a taxa é de 7.25%. Uma vez que a sua especialidade são outlets, calculo que conheça a prática do mercado: na grande maioria dos casos ninguém exige juros de mora, mesmo com pagamentos faseados. O que não significa que numa posição de força eles não sejam exigidos.

      3. O post não foi suficientemente enfático: não consigo acreditar que se empurrem com a barriga 11M€ (onze milhões de euros - pouco menos de metade do orçamento anual). Se BC estiver a empurrar com a barriga 11M€ sem qualquer fundamento minimamente válido, não há outras palavras: é um irresponsável. Como não o tenho por irresponsável, quero acreditar que há fundamentos para discutir com a Doyen.

      Eliminar
  4. Para mim, esta é a melhor venda da história do Sporting. Bruno de Carvalho aproveitou e de que maneira para galvanizar os adeptos senão vejamos:

    - Venda de um jogador problemático que ficaria encostado por 20M (na minha opinião, Rojo não vale nem perto disso).
    - Empréstimo de um jogador de classe mundial e muito acarinhado pela massa associativa sem quaisquer encargos.
    - Decisão de investir 9M no pavilhão. Alguém dúvida que nas próximas semanas a Missão Pavilhão vai "disparar"?

    O único senão deste negócio será o braço de ferro com a Doyen. Como não percebo nada desse assunto, não vou comentar.

    Mas para já, jogada de mestre de Bruno de Carvalho.

    RMSCP

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acrescento ainda o impacto que isto terá na recepção ao Arouca: grande afluência às bilheteiras.

      RMSCP

      Eliminar
    2. RMSCP,
      Concordo que Rojo não vale os 20M€ e acho o empréstimo uma grande jogada. O tema do investimento no pavilhão, sinceramente, precisamos de aguardar. Tal como está no comunicado, parece uma aberração jurídica, mas reconheço que como jogada de marketing para a missão pavilhão pode funcionar bem. A menos que haja um qualquer acordo prévio com os credores, suspeito que isto ainda vai dar que falar. Mas espero que não.

      Eliminar
    3. Koba,

      Como dizes num comentário acima, não acho que BdC seja um irresponsável. Duvido que tenha declarado o investimento só porque sim. Creio que já terá o aval necessário de todos os credores.

      O meu único receio será mesmo o confronto com a Doyen, mas mesmo aí acredito que o departamento jurídico do Sporting tenha feito uma avaliação e que tenha confiança na legalidade de todo este processo. Em relação a isto, tendo em conta a Justiça no nosso país, teremos muito tempo para debater sobre o assunto e só o tempo dirá se foi uma vitória esmagadora de BdC ou um falhanço descomunal.

      RMSCP

      Eliminar
    4. Este RMSCP deve ter muita experiência com contratos em que se investem milhões de euros...

      O que vale é que:
      A- o Bruno não é um irresponsável
      B- Podemos contar com o Departamento Jurídico (que até faz isto todos os dias!)
      C- A Justiça é morosa em Portugal pelo que só lá muito para a frente é que veremos o resultado e
      D- Os credores foram tidos e achados, quer nas 4h que seguiram o comunicado, quer no "investimento"(?) num pavilhão, quer a aprovar o nível de risco desta operação e provavelmente até para estar de acordo com o teor do comunicado.

      Claro que ficaríamos todos surpreendidos caso nenhuma destas condições se tenha verificado e o grande mestre de Carvalho tenha, com todo o seu saber jurídico e aconselhamento de primeira qualidade, colocado o Sporting com uma contingência maior do que o orçamento anual...

      Eliminar
    5. António Benedito,

      Não tenho nem experiência em investimentos nem milhões para investir.

      Tenho é a confiança que a direcção do Sporting sabe o que está a fazer.

      RMSCP

      Eliminar
    6. Ok.

      E não lhe interessa também o risco financeiro que o Sporting incorre nessas circunstâncias? Quando falo de risco, falo da possibilidade das coisas correrem mal (porque aí a confiança de que podem correr bem não chega).

      E vamos esquecer o risco reputacional caso a coisa não corra bem... (e mesmo que corra bem).

      Eliminar
    7. António, quanto ao risco financeiro já falámos, o risco reputacional é efetivamente preocupante.

      Pode ou não ser elevado em função da gestão mediática do tema, em particular nos próximos dias.

      Não quero acreditar (sim, wishful thinking) que BC simplesmente esteja a empurrar isto com a barriga sem fundamentos minimamente sólidos que possam conduzir a uma negociação equilibrada (e sigilosa!).

      Eliminar
    8. António,

      Claro que me interessa o risco financeiro mas lá está é um risco. E se o processo se desenrolar a favor do Sporting?

      Quanto ao risco reputacional, parece-me que a intenção de Bruno de Carvalho é cortar de vez com tudo o que sejam fundos. A meu ver, enquanto não existir qualquer regulação deste sistema, é uma boa decisão. Mas se no futuro precisarmos de algum fundo para qualquer coisa duvido também que alguém se chegue à frente para investir.

      RMSCP

      Eliminar
    9. RMSCP,

      ... já escrevi alguns 4 comentários que apaguei...

      O risco financeiro é importante, mas que interessa?

      O risco reputacional é importante, mas também não queremos saber dos fundos...

      O que é que isto tem a ver com fundos? Tem a ver com um comportamento oportunista do Sporting, em lixar os seus parceiros quando estes podem (por uma vez!) ganhar alguma coisa. Isto vale para fundos, empresários, jogadores (o próprio Rojo viu ser-lhe negado um compromisso que com eletinha sido estabelecido), acionistas, credores (que viram o dinheiro que nunca vai chegar prometido para a construção de um pavilhão que nunca vai ver a luz do dia)... falta alguém atingido por este comportamento?!

      Mas como é o Bruno, temos confiança e fé.

      E é nisto que o Sporting se tornou. Que tristeza...

      Eliminar
    10. António,

      O senhor acredita no que quiser. Eu não apelidei de "triste" a sua opinião nem a de mais ninguém, por isso agradecia o mesmo respeito pois penso que cada um está no direito de acreditar no que quer.

      Na minha opinião, foi um bom negócio, mas isto é a minha opinião e não falo pelos outros.

      Em relação ao caso Doyen, acha justo que o Sporting tenha que cumprir um contrato que foi, alegadamente, quebrado pela Doyen?

      RMSCP

      Eliminar
    11. A minha tristeza não é pela sua opinião em particular, mas pelo facto de se ter visto por aí - num conjunto bastante vasto de pessoas que se poderá considerar preocupada com o sucesso do Sporting - 2,5 (sendo que o Koba conta metade) pessoas a interrogar-se se os termos do negócio conforme anunciado pelo Sporting à CMVM são efetivamente bons ou se na realidade, são muito preocupantes.

      Não acha pouco?

      Não acha mau para o Sporting que tanta gente coma o que diz o Bruno de Carvalho sem questionar uma vírgula?

      Não acha mau que ninguém questione as possíveis consequências (negativas ou positivas) desta via de acção?

      Não acha mau que ninguém se manifeste sobre o risco potencial para o Sporting? Porque risco é algo que se pode suportar ou não, é um perfil de conduta empresarial que se deve aceitar ou não. Não é um "se corre bem" ou um "se corre mal", mas um "qual é a probabilidade de correr bem (ou mal)"-

      Não acha mau que se tomem determinadas posições como "verdades absolutas" sem exercer um mínimo de juízo crítico?

      Não acha triste que o Sporting se divida constantemente entre os bons e os maus, os puros e os impuros e esteja envolvido em N teorias da conspiração?

      Acha sinceramente que isso defende o Sporting?

      É que é nisto que o Sporting se transformou.

      Sobre o contrato com a Doyen, a única coisa que sei - e que o Sporting confessa - é que os 3 milhões de euros que foram instrumentais para que o Rojo pudesse jogar 2 épocas no Sporting, entraram nas contas do clube. Aí não houve qualquer incumprimento. Sobre outros eventuais deveres acessórios do contrato que tenham sido incumpridos, tenho a maior das dúvidas que justifiquem a sua resolução nestes termos. Mas deixaremos para quem tem acesso ao contrato e para quem irá decidir o litígio.

      Já a confusão entre o que é o interesse do Bruno e o interesse do Sporting, é uma realidade que está aí para ficar. Veremos como é que o Sporting se safa.

      Eliminar
  5. Koba, o quanto dessas respostas são wishful thinking?

    1. Difícil? E se o "Naite" confirmar que o jogador foi reclamado pelo Bruno de Carvalho, como aliás é bastante evidente, no âmbito do negócio? E o que é isso do simultâneo. É que "subsequentemente" até daria para admitir tratar-se de um contrato não relacionado (isto é justificação para alguma coisa?)...

    2. Da última vez que verifiquei, a taxa dos juros comerciais está nos 8,5% mas essa é a supletiva. E se o contrato contiver uma daquelas cláusulas que diz "o juro à taxa máxima legal permitida", a que acresceriam 5% por não haver uma garantia real. 13,5%, coisa para meninos seguramente. E depois "ninguém exige juros de mora"... e porquê mesmo? Para deixar parte da remuneração doo capital com o devedor inadimplente?

    3. Pelas minhas contas, a factura não se fica pelos 11M. Só aplicar os juros de mora a um montante equivalente ao devido pelo Sporting, dá algo como 2 milhões de euros. E isto, claro, se a Doyen não conseguir provar outros danos resultantes do incumprimento.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. António,

      1. Sim, difícil. Repara que BC sempre esteve a negociar uma proposta de 20M€ e que o único problema com essa mesma proposta era não o respetivo valor mas sim o facto de o Sporting ter que entregar x à Doyen e y ao Spartak. A própria Doyen o refere no seu comunicado. Saindo a Doyen do caminho, a proposta de 20M€ tornou-se aceitável. Isto nem necessita de prova, é público. Já provar que só com Nani se fazia o negócio Rojo depende do Naite o dizer precisamente nestes termos. Será exatamente assim? O que ganha o Naite com isso?

      2.
      (i) as taxas supletivas de juros comerciais são de 7,25% e 8,25% (e não 8,5%), consoante o tipo de crédito em causa. Creio que aqui se aplicaria a de 7,25% mas confesso-lhe que não estudei o tema em profundidade.
      (ii) não se exige juros, como calculo que saiba, porque se privelegia o recebimento e os acordos de pagamento relativamente à possibilidade de uma execução do devedor. Se o credor for irredutível, e considerando o tempo que as coisas levam, o que ganha o devedor em acertar um acordo de pagamento (que permite ao credor efetivamente receber em prazos acordados com o devedor)? Mas falo apenas da prática do mercado na maioria dos casos. A Doyen pode muito bem querer ser ressarcida até ao último cêntimo. Aliás isso está dito na primeira resposta.

      3. Esta sim, é 100% wishful thinking.

      Eliminar
    2. Faltou dizer que o contrato entre o Sporting e a Doyen pode efetivamente prever um spread, mas isso só lendo o contrato

      PS: obviamente queria escrever "privilegia"

      Eliminar
  6. Koba,

    um leitor de A Norte de Alvalade (MRosa ou Diácono dos Remédios) escreveu o seguinte no blogue:

    «Comunicado do Sporting à CMVM: "Mais se informa que o referido acordo prevê ainda o direito da Sporting SAD a receber 20% da mais valia numa futura transferência do jogador por montante superior a € 23.000.000,00." Porque acham que se fala numa mais valia acima de 23M e não de 20M que foi o valor da contratação? Porque o valor da contratação foi 23M: 20M da compra do passe, mais 3M do ordenado comparticipado pelo Manchester. Fazendo umas pequenas contas de merceeiro, 5M limpos é o equivalente a mais ou menos 7,5M brutos (tendo em consideração o regime especial de IRS das profissões de desgaste rápido, segurança social, seguros). Também vos posso dizer, mais uma vez porque sei do que estou a falar, que o Nani vai receber efetivamente 3M de ordenado (mais impostos, seg. social e seguros) sendo o restante recebido como "prémio de assinatura e direitos de imagem". Ou seja vai ter custos para o Sporting de cerca de 4M/ano.»

    Sendo professor da área de História/Antropologia tenho alguma dificuldade em retirar semelhante conclusão do comunicado do Sporting à CMVM. O Koba considera admissível a ilação sobre o pagamento pelo Sporting de parte do salário de Nani?
    Obrigado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Zargo, vou escrever mais um post sobre o tema, agora que passou a emoção da contratação. Eu sou dos que reconhece que o (meu) lado emocional de adepto prevalece muitas vezes, mas na hora da "ressaca" não vou deixar de (tentar) analisar o tema com um pouco mais de rigor.

      Eliminar
    2. Agradeço a resposta, Koba... e fico a aguardar com muito interesse!

      Eliminar