12/06/2014

IX Congresso Leonino & O discurso de Bruno de Carvalho - Parte III: alguns dos temas discutidos


Inicialmente tinha pensado fazer um terceiro e último post dedicado ao congresso, focado nos principais temas discutidos e recomendações aprovadas. Mas creio que o Sporting o fará seguramente, pelo que me dispenso de fazer o resumo.

Gostaria apenas de comentar quatro ideias que passaram pelo debate:

1. A primeira que gostaria de destacar, incluída numa das recomendações aprovadas, passava por, de certa forma, "inibir" o aparecimento de figuras ligadas ao Sporting nos OCS que denegrissem a imagem do clube. A este respeito, confesso que fiquei com pena de não ter tido uma intervenção na secção alertando apenas para o seguinte: o Sporting, durante anos, foi representado nos OCS (jornais, rádios, TVs) por figuras que, de uma ou outra forma, estavam ligadas ao "regime". Isso era muito criticado pelos sportinguistas, que não se reviam nesses comentadores/cronistas/paineleiros, na medida em que os mesmos se limitavam a defender o "regime". Eram opinion makers mas só faziam opinion num sentido (o próprio Eduardo Barroso fê-lo durante anos a fio). Agora, não podemos cair no mesmo erro (de que nos viríamos a arrepender mais tarde). Se pensarmos na TV, temos o ROC (ligado ao "antigo regime"), o Barroso (ligado ao "atual regime") e o Jorge Gabriel (que não está ligado a nenhum dos dois). Podemos gostar ou não gostar (eu, pela minha parte, não aprecio nenhum dos 3 em particular) mas parece haver alguma representatividade do que é o "pulsar sportinguista". Pode haver quem não goste do Jorge Gabriel, mas ele diz o que pensa. E isso é mais útil, a meu ver, do que um brilhante comentador ou paineleiro mas claramente afeto ao "regime".

2. A segunda diz respeito a uma intervenção em que solicitei a um sócio que dividisse em duas a sua proposta de recomendação. A proposta era bastante original e passava essencialmente pelo seguinte: (i) criar uma marca Sporting ao invés de nos equiparmos com a Macron, ou a Puma, ou a Nike; (ii) realizar um concurso entre os sócios para a escolha de um dos equipamentos alternativos do Sporting. Ambas as ideias são interessantes, mas como o próprio proponente reconhecia na (bem elaborada) proposta de recomendação, a primeira implicaria um grande investimento (e diminuto retorno, acrescento eu) numa fase inicial. E parece-me que não fazia sentido, numa fase de desinvestimento, que fossem os sócios a fazer uma recomendação em congresso que implicasse... investimento. O sócio contrapôs que mesmo que a recomendação fosse aprovada, o CD poderia não dar execução à mesma. É verdade. Mas é verdade para todas as recomendações - e por algum motivo todas são votadas, umas aprovadas e outras não. No final, a ideia (que me parece excelente) de propor um concurso entre os sócios para o design de um equipamento alternativo, foi aprovada quer na secção quer no plenário. Espero que o CD a implemente (sem prejuízo, claro está, do necessário acordo com a Macron para o efeito).

3. A terceira, ainda relacionada com a vertente comercial, dizia respeito à criação de linhas de produtos para crianças com margem 0, numa lógica de investimento para o futuro. A ideia parece efetivamente boa, mas é das tais em que tem que ser analisado o impacto imediato da mesma para que a respetiva viabilidade seja ponderada. A ideia vinha acompanhada do franchising da Loja Verde para núcleos e delegações, a que se juntou, ainda, a ideia de colocar vendedores no estádio, durante os jogos, com um catálogo, a vender produtos aos adeptos, produtos esses que seriam imediatamente pagos por MB e entregues ou levantados em balcões da Loja Verde criados para o efeito no final dos jogos. Todas ideias interessantes e que, diga-se, estão implementadas (de acordo com os proponentes) em clubes como o Chelsea.

4. Por fim, a ideia, já referida na AG de 30 de junho, do escalão de quota superior aos 12€. Seria para os sócios que, querendo ajudar as modalidades (uma vez que as quotas revertem integralmente para as modalidades), estivessem dispostos a pagar mais sem ter qualquer retorno ou benefício adicional. Mantinham antiguidade, número de votos, etc. limitavam-se a contribuir de uma forma simples para um acréscimo de tesouraria nas modalidades.

Fico a aguardar que o Sporting publique, no jornal, no site ou nos dois locais, as recomendações aprovadas em plenário.

2 comentários:

  1. ainda não fui ver, mas parece que está hoje no jornal do clube... não?

    ResponderEliminar
  2. António, tanto no site como no jornal há um resumo mas não a totalidade das recomendações aprovadas.

    Admito que possa surgir brevemente.

    ResponderEliminar