07/05/2014

Porque há mais uma aposta a correr!


Sim, eu perco apostas mas insisto nelas. A silly season está a chegar e tem muito mais graça com alguma adrenalina à mistura. E as apostas sempre são um pretexto para almoçar com amigos e falar de bola.

Além de que todos gostamos do exercício especulativo abaixo reproduzido.

Então é assim:

Mesmo assumindo as vendas de Patrício, Rojo,William e Capel (e a descida de divisão do Catania), apostei que não seriam contratados mais do que 6 jogadores para a equipa A. Basta a entrada de um sétimo e lá estou eu a arcar com a almoçarada.

Uma nota quanto à equipa B: para além dos que são óbvios (incluídos abaixo), poderá haver outros que entretanto tenham condições para subir à equipa A. Reconheço que não conheço suficientemente os jogadores para dizer se estão ou não preparados. Mas não me chocaria que algumas das vagas fossem ocupadas por jogadores da equipa B (Wallyson e Dramé têm estado em destaque, Iuri Medeiros é um jogador a quem se antevê grande futuro).

Mas eu aposto num máximo de 6 contratações, não em 6 contratações. E esquecendo agora a aposta, a subida de alguns deles seria não só aceitável como lógica se pensarmos que foram renovados mais de 20 contratos, precisamente a pensar numa aposta mais vincada na formação.

Isto dito, eu acho que não andará longe disto:

GR: Boeck + 1

DD: Cedric + Esgaio (pelos vistos está claro que será DD)

DE: Jefferson + 1

DC: Dier, Maurício, Semedo + 1

MD: Rinaudo + 1

MC: Adrien + João Mário

MO: André Martins + Vítor + Chico Bala

EXT: Carrillo + Heldon + Mané + 1

AV: Montero + Slimani + 1

24 jogadores, 6 contratações para a equipa A.

Daqui decorrem as dispensas de Welder, Magrão e Wilson Eduardo (que até poderia ficar numa lógica de ter mais uma opção que servisse tanto para os flancos como para o centro do ataque, a jogar com 2 AV - mas teria que aceitar este papel de última opção e provavelmente jogar na equipa B, o que creio não fazer sentido porque tem "mercado" nos clubes abaixo dos grandes).

E decorre também a "desconsideração" de jogadores como Cissé, manifestamente ainda com muito caminho para pedalar.

Já agora, e numa lógica FM, no mercado nacional podem ser considerados os seguintes nomes (todos considerados como opções e não titulares indiscutíveis): José Sá, Ricardo, Adriano, Matt Jones, Djavan, Ruben Ferreira, Danilo, Ghazal (estes até poderiam ser titulares mas o Rinaudo que vi noutro dia com a Roma fez-me lembrar o Rinaudo que chegou em 2011 e espero que seja esse o de 14/15), Bebé (sim, sei que é meio abrutalhado mental, mas tem imenso potencial), Rafael Martins, Derley.

Não me refiro a jogadores (de qualidade, nem discuto) como Paulo Oliveira, André Leão ou Ricardo Horta porque me parece que para as posições em causa o Sporting precisaria de aspirantes a titular indiscutível, o que não seria o caso destes jogadores.

E não me refiro a Rafa ou Eder porque o Sporting não tem capacidade para comprar ao Braga, considerando os valores que o Braga tem praticado nas suas vendas nos últimos anos. Agora, não deixo de me perguntar se o Alan ainda viria a tempo de dar uma perninha...

Está lançada a aposta mesmo antes de acabar o campeonato. Depois atualizo. O essencial é que o BC perceba que as suas opções, para além de determinantes para a época 14/15, são também determinantes para um sócio, acionista, titular de Lugar de Leão, subscritor do jornal e regular cliente da Loja Verde. Agradeço antecipadamente a consideração pelo meu orçamento mensal.

23 comentários:

  1. Império dos Temakis7 de maio de 2014 às 14:22

    Esta lista de reforços do FM é de meter medo ao susto (embora faça sentido na lógica de contratações do Sporting).

    4 jogadores do mais fraco Marítimo que há memória... e mesmo assim não conseguir acertar nos melhores que lá têm, é obra!

    Venham mais Héldons de uma assentada que eu pago já...

    ResponderEliminar
  2. Só escrevi "Danilo" à espera do teu comentário :)

    Mas sim, era o Pereira e não o Dias. Sei que gostas do Dias (e do Artur) mas não vejo em que lugar encaixaria(m) no nosso plantel. Já o Pereira seria uma boa alternativa ao Rinaudo que vi jogar contra a Roma (se for o outro, acho que podes ganhar a aposta por aí porque provavelmente só para essa posição virão dois jogadores).

    O José Sá parece-me um bom GR. Sei que o Ruben não agrada a muitos, mas recordo que estamos em busca de um suplente (e não vejo em que é pior do que o Joãozinho, apreciado por muitos). Quanto ao Derley, acho um bom jogador.

    Nome mais polémico: Bebé. Já me disseste que é burro que nem uma porta. Mas tenho um bom feeling quanto ao rapaz.

    Comum a todos os nomes, para além de já ter indicado que seriam suplentes: não temos dinheiro. Quem não tem dinheiro não tem Rafas, desculpa, vícios.

    Obviamente que se tivéssemos dinheiro não ponderaria nenhum destes jogadores.

    ResponderEliminar
  3. Império dos Temakis7 de maio de 2014 às 15:25

    Há muitos melhores jogadores do que esses no campeonato português...
    Estoril: Vagner, Anderson, Babanco, Diogo Amado, Gonçalo (ambos muito melhores que o Danilo e provavelmente sem o passaporte falsificado), Evandro e Sebá
    Nacional: Gottardi, Mexer, Miguel Rodrigues, Jota, Rondon
    Marítimo: Danilo Dias, Artur
    Setúbal: Pedro Tiba, Ricardo Horta, Cardozo
    Rio Ave: Ederson, Marcelo, Tarantini, Filipe Augusto, Ukra
    Gil Vicente: Gabriel
    Belenenses: Fernando Ferreira, Tiago Silva
    Paços de Ferreira: André Leão, Rodrigo Antônio, Romeu, Del Valle
    Olhanense: Paulo Sérgio

    Claro que se o objectivo não for tentar jogar futebol, Danilo, Djavan, Derley, Bebé e Rafael Martins encaixariam que nem uma luva!

    ResponderEliminar
  4. Koba,

    isto é um post que dá muito trabalho.
    Vou pelo Império e deixo aqui algumas preferências:
    - Seba, Evandro, Tiba, Horta, Caetano (Gil Vicente), Miguel Rosa, Fernando Ferreira;

    Lá fora:
    - José Fonte e Nolito (muita bagagem futebolística, conhecimento do futebol português e muita qualidade; devem ser caros...)

    Saídas (sem ser os BEM vendidos):
    - Magrão, Gerson Magrão, Welder, Píris, Magrão, Capel, Wilson, Rinaudo (o da pré-época 2011 não existe, só existe o verdadeiro), Gerson Magrão e Cissé;

    ResponderEliminar
  5. LOL...

    A frase final está muito boa.

    Mas expliquei porque não incluí o André Leão e o Ricardo Horta, por exemplo, e isso aplica-se a alguns dos outros que referes.

    Ao Vagner aplicar-se-ia o raciocínio inverso: aceitaria ser suplente do Boeck?

    Discordamos, e não é de hoje, no Paulo Sérgio. Nunca vingou, em lado nenhum.

    O Cardozo gosto (mas é um PL mais fixo, não sei se faz sentido), o Rondon, enfim, é bom mas não seria muito melhor opção do que o Derley ou o Rafael Martins. Assim como o Del Valle (este com a vantagem de ser mais móvel).

    Não vejo em que é que o Gottardi é muito melhor do que o Adriano ou o Matt Jones. E o Ederson acho que puseste só mesmo para ver se estou atento, porque é francamente fraco.

    Todos os centrais que referes: para isso, prefiro apostar nos que temos. Precisamos de um central melhor do que qualquer desses para fazer dupla com o Dier. O mesmo se aplica aos extremos.

    Gosto do Fernando Ferreira, não me lembrei dele. Para a posição do Tiago Silva temos opções.

    Enfim, poderíamos discutir nome a nome a tarde toda...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Império dos Temakis7 de maio de 2014 às 17:59

      Na saudosa escala:

      aborto --> horrível --> péssimo --> fraco --> medíocre --> mediano --> razoável --> bom --> muito bom --> excelente --> excecional --> fenomenal

      eis como classifico os jogadores propostos inicialmente:

      José Sá --> mediano
      Ricardo --> mediano
      Adriano --> medíocre
      Matt Jones --> aborto
      Djavan --> fraco
      Ruben Ferreira --> medíocre
      Danilo --> horrível
      Ghazal --> medíocre/mediano
      Bebé --> aborto
      Rafael Martins --> razoável
      Derley --> bom

      Eliminar
    2. Nada exagerado, Império...

      Bebé = aborto, quando se trata de um puto (sim, tem 23 anos) com tudo para aprender, convenhamos que não é uma lógica que manifeste muita crença no ser humano e sua evolução

      Estás a aplicar uma escala "universal", quando o que está em causa é o que podemos contratar. Aquele não é o meu plantel, é o plantel que acho que podemos/vamos ter.

      Nessa tua escala, quem seria fenomenal? Seguramente que nenhum da tua lista. Aliás, nenhum da tua lista seria, sequer, excelente.

      Mais: há exatamente um ano, em que lugar dessa escala colocarias, por exemplo, William Carvalho?

      Outro exemplo: nessa tua escala, onde se enquadra Maurício? Ou Capel?

      É que o Maurício, por exemplo, numa escala "universal" não é mais do que medíocre ou mediano. Mas na escala do que podemos ter, é bom.

      E assim sendo subirias um valor, pelo menos, a todos os que indicas. Isto não contando aqueles em que exageras, como é o caso do Matt Jones ou do Danilo.

      Eliminar
    3. Império dos Temakis7 de maio de 2014 às 18:35

      Vagner --> razoável
      Anderson --> bom
      Babanco --> razoável
      Diogo Amado --> razoável
      Gonçalo --> razoável
      Evandro --> bom
      Sebá --> bom
      Gottardi --> bom
      Mexer --> bom
      Miguel Rodrigues --> razoável (2º ano de sénior, muita margem de progressão)
      Jota --> razoável
      Rondon --> razoável
      Danilo Dias --> bom
      Artur --> bom
      Pedro Tiba --> muito bom
      Ricardo Horta --> bom
      Cardozo --> muito bom
      Ederson --> razoável (2º ano de sénior, tem um pontapé fenomenal, poderia ser uma arma ofensiva sem paralelo)
      Marcelo --> bom
      Tarantini --> bom
      Filipe Augusto --> muito bom
      Ukra --> razoável
      Gabriel --> razoável
      Fernando Ferreira --> bom
      Tiago Silva --> bom
      André Leão --> bom
      Rodrigo Antônio --> bom
      Romeu --> razoável
      Del Valle --> bom
      Paulo Sérgio --> bom

      William --> razoável
      Maurício --> fraco
      Capel --> razoável

      Mas o critério é outro. É este: como jogaria uma equipa com:

      Matt Jones/Adriano/Ricardo/JoséSá; DD, DC, DC, Djavan/Ruben Ferreira; Gahzal/Danilo; MC, MO; Derley, Bebé e Rafael Martins

      Ou o que fariam em campo os 5 jogadores que faltam? É que não há um único (talvez o Ruben Ferreira, um bocadinho menos o Derley) que saiba passar uma bola...

      Já uma equipa com: Gottardi; Anderson, Marcelo, Mexer, Babanco; André Leão (Tarantini), Filipe Augusto, Evandro; Tiba, Sebá e Paulo Sérgio (Horta), era equipa para lutar pelos 3 primeiros lugares. Certo, certo é que todos têm a capacidade de passar a bola uns aos outros.

      Eliminar
    4. Estás a assumir que todos os "meus" jogariam em simultâneo, já tivemos essa discussão. Não é assim que funciona. Se o destino o proporcionasse, seguramente não correria bem. Com o "meu" 11 ou com o "teu". Porque o teu 11, como sabes, não lutaria "pelos 3 primeiros lugares", talvez pelo 3º num campeonato como o do ano passado.

      Não estamos em condições de fazer um 11 com Artur, André Almeida, Silvio, Jardel, Vitória, André Gomes, Ruben Amorim, Salvio, Sulejmani, Djuricic, Cardozo. Não é possível.

      Depois, há a questão de até concordar com muitas das apreciações que fazes, mas não os considerar como opções porque, para algumas das posições, entendo que precisamos de mais. É o caso dos centrais, é o caso dos extremos.

      Achas que o Mexer poderia ser titular num Sporting candidato ao título? Ou o Miguel Rodrigues ou o Marcelo? Ou o Sebá (tanto quanto vi do Estoril, jogou quase sempre a extremo) e o Ricardo Horta? Esse é que é o ponto.

      E dizer que o Danilo e o Ghazal não sabem passar uma bola, convenhamos que é um pouco exagerado.

      Por fim, noto que nos AV estamos substancialmente de acordo e que de todos os da tua lista o melhor, para mim, é mesmo o Evandro que, repito, não incluí na lista por não estar em causa essa posição (e acho mesmo que não vai estar).

      Eliminar
    5. Império dos Temakis8 de maio de 2014 às 09:21

      Obviamente o meu 11 lutaria pelos 3 primeiros lugares do campeonato, porque:

      Rui Patrício > Gottardi
      Cédric = Anderson
      Maurício < Marcelo
      Rojo >= Mexer
      Jefferson > Babanco
      William > André Leão
      Adrien < Filipe Augusto
      André Martins = Evandro
      Carrillo >= Tiba
      Capel < Paulo Sérgio
      Montero >= Sebá

      Nos suplentes
      Boeck = Vagner
      Dier > Miguel Rodrigues
      Mané = Horta
      Magrão < Romeu (ou Fernando Ferreira)
      Héldon < Ukra
      Wilson Eduardo < Danilo Dias
      Slimani < Cardozo
      Vítor < Tiago Silva
      Piris = Gabriel
      Weldjinho < qualquer pessoa na bancada

      Note-se ainda que o 11 de suplentes do Benfica tem:
      Artur - ex-Braga
      André Almeida - Ex-Belenenses
      Sílvio - ex-Rio Ave
      Jardel - ex-Olhanense
      Vitória - ex-Estoril
      André Gomes - ex-Boavista
      Ruben Amorim - ex-Belenenses

      Eliminar
    6. Ganhaste a discussão só pelo comentário ao Weldjinho, que está muito bom!

      Mas nem o Filipe Augusto é mais valioso do que o Adrien, nemo Horta é igual ao Mané, etc....

      Eliminar
    7. Império dos Temakis8 de maio de 2014 às 13:01

      As lentes dos meus óculos não têm listas horizontais.

      Eliminar
    8. Mas as camisolas (com listas horizontais) pesam muito, meu caro...

      Eliminar
  6. Cantinho,

    Também dispensaria o Magrão, o Gerson e todos os demais com nomes parecidos várias vezes.

    O Piris nem me lembrei, obviamente sai.

    Nolito seria excelente, José Fonte é muito bem lembrado mas deve ser caro (mas muito bem lembrado!).

    Os restantes:

    Seba/Horta - bons jogadores mas permitam-me sonhar com um extremo de outro calibre;

    Evandro - claro que gostaria de ter o Evandro, simplesmente não referi na minha lista de chassos nenhum jogador para essa posição porque me parece que não vamos mexer nessa posição; aquele não é o "meu" plantel mas o plantel que acho que vamos ter. Se fosse o meu, por exemplo, e como o Império bem sabe, o Esgaio não teria lugar (acho que eventualmente pode ser um bom médio, como lateral ou extremo acho que não vai dar).

    Tiba - case semelhante ao do Evandro, embora para uma posição diferente;

    Caetano - ok, reconheço a minha implicância com pini-pons...

    Do Miguel Rosa e do Fernando Ferreira, gosto. Mas duvido que o Miguel Rosa esteja a ser bem aproveitado no Belém. E na posição em que me parece que ele mais renderia, acho que não vamos mexer. O Fernando Ferreira seria uma boa alternativa, não me lembrei dele.

    Abraços

    ResponderEliminar
  7. É um regalo ver as vossas conversas. A fase romântica do japonês é-lhe intrínseca... É o Paulinho Sérgio e o Postiga... E o farnerud...

    ResponderEliminar
  8. Império dos Temakis9 de maio de 2014 às 10:00

    Metralha,

    A malta interroga-se porque é que o Sporting não joga a ponta de um corno. No último jogo até marcou um golo antes de fazer um remate enquadrado com a baliza e isso é coisa para não acontecer com grande frequência. Acho que ainda poucos compreenderam que a qualidade exibicional do Sporting, que já era fraca, veio por aí abaixo quando o "super-slim" começou a calçar de início. Assim como assim, é importante não juntar um número excessivo de jogadores que não sabem dar um pontapé numa bola para a coisa não descambar.

    O Paulinho continua a levar o Olhanense às costas. O Farnerud não é mau jogador mas não era propriamente eu quem o defendia com unhas e dentes (deve haver aí alguma confusão). A única coisa que disse sobre o Farnerud é que perdia em comparação com um excelente jogador, quando na altura estava na moda dizer-se que esse jogador era um anão-copo-de-leite-minorca-sobrevalorizado-que-não-marca-golos-deixem-mas-é-o-matias-marcar-os-livres. E o Postiga tem fortes semelhanças com o... Montero.

    O que digo também é que a camisola pesa e, em cima dos pernetas, pesa ainda mais. O melhor treinador do mundo não conseguiria pôr uma equipa com Maurício, Rojo, Slimani, Héldon e Capel ou Wilson Eduardo a jogar futebol. Quando metade de uma equipa fica com francas dificuldades em perceber esse difícil conceito de "passar a bola a um colega em melhor posição", torna-se muito complicado fazer uma jogada com mais do que 2 ou 3 passes. Mas se se lhes acrescentasse o Bebé, o Danilo ou o Gazhal, o melhor treinador do mundo demitir-se-ia. E se para compor o ramalhete, ainda lhe dessem o Djavan, o Ruben Ferreira, o Matt Jones ou o Rafael Martins, o melhor treinador do mundo retirava-se do futebol.

    Pelo Koba ainda se ia buscar o Beto dos caracóis platinados ou o Fernando Aguiar. Verdadeiros "carregadores de piano". Qualquer semelhança entre o perfil dos jogadores sugeridos e o mainstream cacifeiro é mera coincidência...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Império,

      1. Já o disse, aqui e no A Norte, que apesar de ter pedido banco para o Montero, desde que o Slim é titular o Sporting perdeu qualidade. Pelo que sou (orgulhosamente?) dos "poucos" que "compreenderam que a qualidade exibicional do Sporting (...) veio por aí abaixo quando o "super-slim" começou a calçar de início".

      2. Se juntares 24 pernas de pau e o Paulo Sérgio, é provável que ele leve a equipa às costas. Este Olhanense é do piorzinho que já vi.

      3. Os nomes sugeridos entravam numa lógica de alternativa. Um 11 com Boeck, Weldjinho, Dier, Semedo, Piris, Fokobo, Magrão, Vítor, Slimani, Heldon e Wilson não seria grande coisa, mas é o segundo 11 do 2º classificado deste ano. Se tirarmos dali o Boeck (porque passa a titular), o Weldjinho, o Piris, o Fokobo, o Magrão e o Wilson, e acrescentarmos o Matt Jones, o Esgaio, o Ruben, o Danilo, o João Mário e o Bebé (que seria o que resulta do post), ficávamos melhor ou pior?

      4. Tinhas mesmo que dar dois exemplos absurdos para reforçar o teu ponto?

      Eliminar
  9. Império dos Temakis9 de maio de 2014 às 14:15

    Koba,

    1. É como dar um brinquedo a uma criança, explicar-lhe como funciona, e a criança tentar repetidamente enfiar o quadrado no triângulo.

    2. O plantel do Olhanense não tem 24 pernas de pau. Aliás, até tem jogadores a oscilar entre o medíocre, razoável e bom: o Ricardo é um GR muito acima da média do campeonato nacional, Vítor Bastos e o Kroldrup são dois centrais razoáveis, Jander é uma opção acima da média do campeonato para defesa esquerdo e o Luís Filipe para defesa direito não está mal. O Rui Duarte é um médio com boa técnica e muita experiência no campeonato, o Celestino é uma forte opção para uma equipa como o Nacional, o Pelé está no mesmo nível de valor que o Danilo Pereira, e na frente têm o Paulo Sérgio e um avançado italiano que é melhor que 50% dos avançados do campeonato nacional (Roberto, Rambé, Simy e afins...).

    Não têm é equipa, porque tiveram o treinador que treina a dor, o Paulo Alves (que foi mau em todo o lado) e um italiano que não sabe o mais básico (e apanhou o comboio no pior caminho). Mas o que é notável no Paulo Sérgio não é destacar-se no seio de um conjunto de pernetas. O que é notável é ele jogar numa equipa de pernetas sem treinador e, tudo o que faz (e faz muito), é atingido de forma colectiva. Ou seja, a sua forma de jogar substitui-se ao treinador e à ausência de talento dos seus colegas. Se o Bebé estivesse no Olhanense faria a mesma coisa que faz no Paços: pegava na bola, corria com ela na diagonal para tentar chutar. No contexto do Olhanense seria seguramente uma equipa com menos pontos.

    3. Os nomes sugeridos são miseráveis. O facto de serem parecidos aos fraquíssmos jogadores que o Sporting tem no banco não faz deles bons ou melhores, porque são piores do que aqueles que sugeri. Só faz dos jogadores do Sporting jogadores muito fraquinhos. Se os atuais do Sporting não são alternativa ao 11, para quê contratar outros que não seriam alternativa ao 11?

    Repetindo o exercício:

    GR - Rui Patrício > Gottardi (CDN) > Vagner (GDEP) > Boeck Adriano (GVFC) > Ricardo (AAC) > Ederson (RAFC) > José Sá (CSM) > Matt Jones (CFB)
    DD - Cédric = Anderson (GDEP) > Rodigo António (PFFC) > Gabriel (GVFC) > Ricardo Esgaio > Weldjinho
    DC- Dier > Marcelo (RAFC) > > Maurício > Miguel Rodrigues (CDN)
    DC - Mexer (CDN) > Rojo
    DE - Jefferson > Babanco (GDEP) > Piris > Ruben Ferreira (CSM) > Djavan (AAC)
    MD - William > André Leão (PFFC) > Tarantini (RAFC) > Gonçalo (GDEP) > Fernando Ferreira (CFB) > Diogo Amado (GDEP) > Fokobo > Gahzal (CDN) > Danilo (CSM)
    MC - Filipe Augusto (RAFC) > Adrien > João Mário > Romeu (PFFC) > Magrão
    MO - André Martins = Evandro (GDEP) > Tiago Silva (CFB) > Danilo Dias (CSM) >= Artur (CSM) > Vítor > Jota (CDN)
    ED - Carrillo > Pedro Tiba (VFC) > Ukra (RAFC) > Mané
    EE - Paulo Sérgio (SCO) > Ricardo Horta (VFC) > Del Valle (PFFC) > Capel > Wilson Eduardo > Héldon > Bebé (PFFC)
    AV - Montero >= Sebá (GDEP) > Cardozo (VFC) > Rondón (CDN) > Derley (CSM) > Slimani

    O exercício é simples, basta escolher os 2 primeiros de cada opção para ficar com um plantel mais forte. O 11 seria:

    Patrício; Cédric(Anderson), Marcelo, Dier, Jefferson; William, André Martins, Filipe Augusto; Paulo Sérgio, Montero, Carrillo.

    O banco seria: Gottardi, Rojo, André Leão, Adrien, Evandro, Tiba, Sebá.

    4. Fernando Aguiar = Beto = Danilo.

    ResponderEliminar
  10. 1. Ainda bem que o treinador já não é o Paulo Bento, caso contrário teríamos ainda o losango na equação!

    2. Se bem me recordo, o Paulo Sérgio foi dispensado do Arouca. Porque, parecendo que não, o objetivo destes clubes é fazer golos e pontos, ficar na I Liga, enfim, essas coisas aparentemente irrelevantes.

    3. O Ukra, que anda nisto há vários anos e é uma eterna promessa, fica acima do Mané, que fez a primeira época de I Liga, no Sporting, e está na lista de pré-convocados para o Mundial. Ainda assim, ambos abaixo do Pedro Tiba. Lembras-te do Rui Maside ou do Aparício?

    4. ...

    ResponderEliminar
  11. Império dos Temakis9 de maio de 2014 às 16:13

    Koba,

    1. O losango é um óptimo sistema de jogo. Bem melhor do que o 4-4-2 do Jardim. O losango do Paulo Bento deixou de ter as dinâmicas ofensivas necessárias ao fim de 2 anos e meio e sempre foi incompreensível o porquê de não projectar os laterais. Mas fez de uma defesa com Abel, Polga, Tonel e Caneira das menos batidas da Europa.

    2. Se eu quiser ter resultados no curto prazo e deixar o Mané crescer para tornar-se naquilo que pode vir a ser, escolho o Paulo Sérgio (que não foi dispensado do Arouca, simplesmente incompatibilizou-se com o Pedro Emanuel, por essa ordem de ideias o João Mário, igualmente pré-convocado, foi dispensado do Sporting B), o Ukra e o Tiba (e provavelmente o Horta, que tem muito mais minutos nas pernas e é de 2º ano) como opções antes do Mané. Aliás, essa pré-convocação é só uma forma de dizer que o Sporting irá ter os 2 convocados do costume, mas isso é outra conversa. Estes 3-4 garantem um maior rendimento no curto prazo do que o Mané. Esse é o critério, caso contrário seria improvável o Adrien estar atrás do João Mário (e este não contar para o plantel).

    O argumento do "fazer golos e pontos" é particularmente caricato quando, em designas 1 GR, 1 defesa e 1 trinco da 3ª equipa com mais golos sofridos. E acrescento que é um argumento que não diz nada do colectivo (pelo que vale muito pouco, o Messi no Arouca seria fenomenal mas o Arouca não estaria nos 5 primeiros).

    3. Lembro-me do Maside ou do Aparício, não me lembro de os ver jogar. Aliás, não me lembro de ver jogar o Quaresma quando jogou no Sporting. E não é por falta de memória. O jogo evoluiu e a minha forma de ver o jogo também evoluiu. Um bom jogador há 10 anos poderá ser um jogador sofrível actualmente. E o jogo evoluiu no sentido de valorizar as características de jogadores como o Paulo Sérgio, o Ukra ou o Tiba: valoriza quem tem técnica e quem a coloca ao serviço do colectivo, desvaloriza quem tem técnica e a coloca ao serviço do individual.

    Dito isto, o Mané pode ser 4ª opção num plantel do Sporting. Não pode é ser 1ª, 2ª ou sequer 3ª. Portanto pode estar à frente do Ukra, mas não pode estar à frente dos 2 titulares e da principal opção. Ainda não tem consistência para isso.

    Por último, o que seria uma equipa com Claudemir, Candeias, Danilo ou Gahzal, Derley, Bebé, Ruben Ferreira e Rafael Martins? Seria um buraco negro futebolístico.

    ResponderEliminar
  12. "O jogo evoluiu e a minha forma de ver o jogo também evoluiu"

    Esse é que é o ponto principal da nossa discórdia e o mais interessante na discussão (já o abordei em comentário no A Norte, espero que o LdA e o Cantinho não o levem a mal): não acho que o jogo tenha evoluído assim tanto, acho que houve um fenómeno excecional que conseguiu concentrar, no mesmo 11, 9 ou 10 jogadores muito acima da média. A nível de seleção têm sido imbatíveis (porque baseiam a equipa em 2 outras, ambas de qualidade muito acima da média), a nível de clubes a verdade é que nos últimos anos têm perdido para autocarros e bisontes.

    E agora temos o Atletico Madrid quase campeão a reafirmar que o coletivo é essencial (nesse ponto concordamos), mas a deixar claro também que uma equipa é mais do que 11 jogadores de grande qualidade. Duvido que, com a eventual exceção do GR, algum jogador do Atletico entrasse de caras no 11 do Barça ou do Real. Mas fizeram a época que fizeram.

    E se visitares o Lateral Esquerdo, como sei que visitas, há uns tempos defendiam que ninguém na defesa do Bayern tinha qualidade para lá estar e que o próprio PL não tinha qualidade, argumentando precisamente com a falta de qualidade técnica (àquele nível, bem entendido) dos jogadores em causa. Mas foram campeões europeus no ano passado precisamente com aquela linha defensiva e com aquele PL, simplesmente ao serviço de um outro sistema de jogo que potenciou aquele coletivo melhor do que, pelos vistos, o Guardiola pode fazer.

    E quando passamos de uma equipa a um plantel, recordo sempre a relevância dos Ayews e dos Weldons e dos Adrianos e dos Jankos em títulos conquistados, não porque fossem bons jogadores (o Weldon até nem era mau) mas porque num determinado papel, num determinado contexto, com um determinado treinador, desempenharam funções que serviram à equipa. Sem os golos que o Ayew marcou, não teríamos sido campeões em 99/2000, o mesmo se diga dos golos do Weldon no Benfica de 09/10.

    Poder-me-ás dizer que com outro em vez do Ayew seriam marcados ainda mais golos e teríamos tido ainda mais pontos. Nunca o saberemos. O que sabemos é que foi possível contratar aqueles e aqueles serviram num determinado contexto e num determinado momento, com um treinador que, convenhamos, nem era propriamente um génio.

    Isto dito - há jogadores que referes que seriam muito úteis e melhorariam as nossas hipóteses; outros, como o Paulo Sérgio ou o Pereirinha (referido pelo Cantinho no A Norte), na minha modesta opinião, não viriam acrescentar nada no nosso futebol, na nossa equipa, com o nosso treinador e na nossa Liga.

    Um abraço

    PS: o exemplo do Ayew é propositadamente chocante, porque se tratava de um jogador francamente abaixo do nível que, em tese, deve ser exigido a um jogador do SCP.

    ResponderEliminar
  13. Império dos Temakis9 de maio de 2014 às 17:24

    Koba,

    achar que o jogo evoluiu significa que "o jogo evoluído é o de Espanha ou do Barcelona" é errado mas também não disse isso. Todo o jogo evolui para um peso maior do colectivo, seja qual for o modelo de jogo em causa. Isto é, o modelo do Jardim é mais colectivo do que um modelo semelhante há 15 anos atrás. Ou posto de outra forma, o espaço para o Quaresma ser decisivo é mais reduzido hoje do que era há 10 épocas atrás. E por isso disse que "bom jogador há 10 anos poderá ser um jogador sofrível actualmente. E o jogo evoluiu no sentido de valorizar as características de jogadores como o Paulo Sérgio, o Ukra ou o Tiba: valoriza quem tem técnica e quem a coloca ao serviço do colectivo, desvaloriza quem tem técnica e a coloca ao serviço do individual". Antigamente esperava-se dos jogadores como o Quaresma, o Paulo Sérgio, o Ukra ou o Tiba o 1x1 e o cruzamento, hoje espera-se muito mais... e o que se espera mais é aquilo que os 3 que referi são capazes de dar e o Quaresma não (ou muito menos).

    Isto sobre a evolução do jogo. Sobre a minha própria evolução, decorre de saber mais (e melhor) hoje do que sabia há 10 anos ou há 15 anos atrás. Portanto tenho dificuldades de fazer comparações de jogadores que avaliei com menores conhecimentos e que jogaram em contextos diferentes.

    Depois pode-se discutir os defeitos e as virtudes de cada modelo de jogo. Eu não tenho qualquer a priori sobre o modelo de jogo, embora (a) preferia determinados perfis (porque entendo que aproximam uma equipa do sucesso) e (b) entenda que determinados perfis são mais adequados a determinados contextos. Por isso (pela enésima vez), há jogadores com mais perfil para o campeonato italiano do que o inglês, e sucessivamente, isso não faz dos jogadores melhores ou piors, ou os campeonatos melhores ou piores tecnicamente que outros. Obviamente que o modelo ou o jogador que é capaz de superar todos os contextos, é melhor.

    ResponderEliminar
  14. Mas quanto ao Maside e ao Aparício, nem era isso que queria dizer. Queria apenas salientar dois jogadores que fizeram épocas fantásticas no Vitória de Setúbal (onde joga o Tiba). Os tempos são outros, claro, mas o peso das camisolas é equivalente.

    No primeiro caso, chegou ao Sporting e afinal a camisola pesava um bem mais do que parecia, durou uma época; no segundo caso, fez uma época excecional, não saiu, e nunca mais fez nada.

    Isto para dizer: o Tiba é um jogador acabado de chegar dos distritais que pode ter feito uma boa temporada ou pode vir a fazer consistentemente boas temporadas. Recordas-te certamente do Edmilson que jogou no Nacional, no Marítimo, mais tarde no Vitória e no Braga. Nunca percebi porque não chegou a um grande. Já jogadores que fazem boas épocas em clubes médios e pouco ou nada fazem nos grandes, são mais do que muitos. Estou apenas a dizer que não há garantias só pela qualidade (e sim, também se aplicaria aos que listei - mas recordo que aos meus eu tinha reservado o banquinho de suplentes, nºao o lugar de titular em detrimento do Mané...).

    Um pouco o que costumo dizer dos treinadores. Porque me convence mais o Marco Silva do que o Fonseca me convencia (e sei que agora é fácil falar) ou me convence agora o Espírito Santo? Precisamente porque o Marco Silva fez duas épocas muito consistentes, com recursos limitados e com uma segunda época melhor ainda do que a primeira tendo perdido meia equipa (Jeff, Vitória, Eduardo, Licá, Leal), não foi um tiro tipo Leixões Zé Mota ou Guimarães de Cajuda...

    E essa implicância com o Quaresma, agora tanto na moda... enfim.

    ResponderEliminar