23/04/2014

Manel e Francisca, isto é o Benfica!


Achei por bem começar este post pelo motivo que me levou a desaparecer do Fa3 por umas boas semanas. A chegada da menina à família, juntando-se assim ao irmão de 2 anos e meio, levaram a que todo o meu tempo disponível lhes fosse dedicado (na medida do possível e das minhas limitações) assim como para dar algum suporte a um desempenho de verdadeira heroína da mãe. Digamos que eu me sinto o Cardozo que toca esporadicamente na bola e mesmo assim parece que anda sempre cansado enquanto a mãe parece o Enzo com um pulmão incrível e que não sabe jogar mal. Desta forma, já me dei por satisfeito por, pelo menos ter sido possível ver sempre os jogos do Benfica. O resto, com muita pena minha mas sem arrependimento, teve mesmo que ir ficando para trás. Peço desculpa a todos os meus dois leitores: ao meu colega de escrita sportinguista Koba que foi mantendo a loja aberta (o gajo do Porto deu de fuga há alguns meses antecipando talvez o desfecho desta época) e a minha mãe. Olhando para os jogos do Benfica que passaram entretanto, parece que foram largos meses. É o que dá ter o Benfica em todas as frentes e com dois jogos por semana.

Resumo muito mas mesmo muito sintético deste interregno:

Benfica-Tottenham
Equipa alternativa a ser suficiente para os ingleses e no final, quando nada o fazia prever, ainda teve tempo para apanhar dois valentes sustos.


Benfica – Académica
Vitória segura e sem sobressaltos de quem sabia o que tinha que fazer. As trocas de bola e as jogadas desde a defesa e a passar por vários jogadores foram uma constante e um regalo para quem gosta de bom futebol.


Porto – Benfica
No grande mérito que Jesus tem esta temporada, neste jogo viu-se o pior de Jesus. O 4-4-2 está a funcionar mas não funciona com qualquer onze. Numa primeira mão, em que não precisava de ganhar e com rotação de jogadores, impunha-se uma estratégia mais defensiva com Cardozo sozinho na frente. Foi um resultado muito simpático para o Benfica e que permitiu alimentar esperanças para a segunda mão.

Braga – Benfica
Jesus disse que era uma final e os jogadores assimilaram a mensagem… em demasia. Contra um fraco Braga, o Benfica jogou muito pouco e desistiu praticamente de jogar depois de se colocar em vantagem. Preferia ter empatado e jogado bem?! Claro que prefiro ganhar mas não foi um jogo de campeão.


Az – Benfica
Holandeses fraquitos e o bom Benfica da Liga Europa a continuar, mesmo com rotação de jogadores.



Benfica – Rio Ave
Umas das melhores exibições do Benfica desta época. Futebol espectacular, sem dar a mínima hipótese a uma equipa que vinha apresentando bons resultados fora de portas. Esta foi a exibição que convenceu os adeptos, mesmo com todos os traumas da época passada, que o 33º não fugiria desta vez.



Benfica – Az
Holandeses fraquitos e o bom Benfica da Liga Europa a continuar, mesmo com rotação de jogadores parte II


Arouca – Benfica
No mini Estádio da Luz, mais uma exibição para não deixar dúvidas quanto ao próximo campeão nacional.


Benfica – Porto
O jogo da época até ao momento e só ultrapassável por uma eventual final europeia. Este jogo terá que receber umas linhas adicionais mais à frente.


Benfica – Olhanense
A festa do título! Sim, ainda nos lembrámos do jogo com o Estoril várias vezes durante os primeiros 45 minutos. Traumas são traumas. Mas é uma tal diferença qualitativa que, por mais falhanços que acontecessem, só um descalabro evitaria o levantar da Taça. Salvio conseguiu roubar a Sílvio o título de jogador mais azarado do plantel…


 Poderiam pensar que o Benfica que fiz questão de apresentar aos meus filhos, era o Benfica da festa, a gritar “Nós somos campeões”, “O Campeão voltou” e a vestir literalmente o Marquês de vermelho e branco já que nenhum deles tinha ainda visto o Benfica campeão (bom, para a pequenina não é de estranhar agora para o Manel é que já não estava a ser muito simpático…). Mas não é disto que estou a falar. Quando disse “Isto é o Benfica” estava a pensar no jogo da segunda mão da Taça. Fez-me recordar aos tempos em que Mozer saltava à bola no ar com uma dupla patada imperial frente a um Fernando Couto sedento de aviar. O tempo em que se encarava o Porto de frente e sem hesitações. Não é que goste de violência no futebol, prefiro mil vezes o espetáculo da bola a rolar mas detesto muito mais a moleza que muitas vezes se apoderava dos jogadores do Benfica quando jogavam com o Porto, sendo que do outro lado cerravam os dentes e espumavam da boca para vencer o Benfica ou não deixar o Benfica ser campeão no Dragão ou para festejar o título na Luz. Neste jogo era claramente um Benfica que queria esmagar o Porto e demonstrar quem mandava na Luz. E isso viu-se logo no arranque quando o Gaitán sprintou na saída de bola do Porto para cima do adversário e nem sequer travou. E o que se continuou a ver depois com um futebol, vontade e garra que não davam a mínima hipótese ao Porto. Não tenho grandes dúvidas que, com onze, era jogo para um fácil 3-0. No entanto, surgiu a expulsão ridícula de Siqueira que apesar de ter um primeiro amarelo mal mostrado, nunca podia ter visto o segundo daquela forma (nem vale a pena atirarem areia para os olhos a dizer que ele não sabia que tinha visto o primeiro). Aqui, muito sinceramente, pensei que a eliminatória estava perdida. O que veio a seguir foi simplesmente épico e um jogo que nunca mais irei esquecer. Obrigado Benfica por esta demonstração de força. Poderá virar muito mais do que uma eliminatória. Espero que seja mesmo um momento de viragem… 3-1 com 10 é simplesmente do outro mundo, ainda por cima depois do empate. Muitos fizeram a comparação com o Sevilha. Esquecem-se que é completamente diferente ter um contra-ataque perigoso a jogar com 10 quando a outra equipa está desesperada à procura do golo em comparação a estar com 10 e com o adversário em vantagem na eliminatória. E em que um golo não chegava!! Quem não foi ao estádio, bem que se pode arrepender!

Tenho já o desafio fazer o balanço, face às várias críticas que sempre fiz de Jesus mas também de Vieira, deste sucesso no campeonato. Vou aguardar pelo final da época. Não porque esteja à espera de algum deslize uma vez que quero, com todas as minhas forças, que o Benfica vença a Taça de Portugal e a Liga Europa (a Taça da Liga é para ir com a equipa B e esperar uma surpresa) mas porque é no final que se fazem os balanços.

Vamos com tudo contra a sobranceria dos italianos!!!

2 comentários:

  1. Sobre as crianças eu avisei que um+um nao eram dois e sobre o Jesus apenas uma referencia o que é um bom sinal
    Sobre o resto .....o costume ahahahaa
    Ate amanha no mesmo local e na hora do costume
    Ed

    ResponderEliminar
  2. Gorbyn, não sei se concordo com o comentário anterior: será um bom sinal uma só referência ao JJ? Ou será que ainda não estás definitivamente convencido? Fica a dúvida.

    Também acho que o Vieira salvou a época em Julho do ano passado, mas o JJ fez um trabalho notável neste final de época. A gestão da equipa roçou a perfeição. Certo que, com exceção do Tottenham, os nomes dos adversários europeus não impressionavam. Mas ainda assim chegar às meias-finais a poupar meia equipa em quase todos os jogos, é obra. E o discurso, mais realista, E o foco, sempre no campeonato.

    Afinal, há burros velhos que aprendem línguas. Infelizmente, digo eu.

    Abraço

    ResponderEliminar