27/03/2014

Uma mão de avanço

Já aqui tinha dito depois do jogo com o Sporting que tinha perdido todas as esperanças de ver o Benfica a jogar num 4-4-3. Isto porque de facto, o 4-4-2 de Jesus estava a resultar e acredito que continua a resultar e que vai continuar a resultar. Neste ponto específico tiro o chapéu a Jesus porque, repito, as movimentações a que este esquema táctico obriga são bastante complexos e o mérito é inteiramente do treinador. Agora, isto não significa que um 4-3-3 não pudesse resultar tão bem ou mesmo melhor que a solução actual (uma das melhores exibições da época foi assim na Grécia). Preferia Amorim com Fejsa e Enzo mas também dava para uma versão mais ofensiva com Markovic a jogar onde rende mais. E não podemos esquecer que o 4-4-2 resulta com dois avançados de grande mobilidade e com grande capacidade de defender e recuperar bolas assim como de um Enzo de grande abrangência.

Isto tudo para quê? Para dizer que concordo inteiramente com o risco assumido de fazer descansar os principais elementos, que concordo inteiramente com a titularidade de Cardozo apesar da má forma atual mas que não percebo, quando se joga fora, contra um adversário forte, numa eliminatória a duas mãos, com muitos titulares de fora e a apostar mais numa estratégia defensiva, a razão de não jogar com três elementos no meio campo. Reparem que o Porto até preferiu prescindir de um 10 e jogar com 3 elementos no meio campo mais defensivos (Fernando,  Defour e Herrera). Não podia ter jogado com André Gomes no apoio a Fejsa e Amorim?

Resumidamente,  o Porto foi mais forte em todo o jogo e a vitória foi escassa para os vários lances de golo que teve. Oferecemos claramente a primeira mão ao Porto (adoro a forma como os adeptos, jogadores e Pinto da Costa vibraram com esta vitória contra um Benfica de segunda linha, evidenciando o nível a que estão esta época) mas a reviravolta na eliminatória está perfeitamente ao nosso alcance caso o campeonato esteja bem mais seguro aquando da segunda mão e seja assim possível apresentar o melhor Benfica. Ainda para mais, o Porto joga praticamente com o mesmo onze em todos os jogos e o desgaste físico será cada vez mais evidente. A quebra de rendimento que tiveram a partir dos 60 minutos foi notória e já um indício desta tendência.

Notas adicionais:
- as bolas paradas contra o Porto e a defesa à zona continuam a ser um problema grave;
- os centrais estão em grande momento de forma;
- tenho saudades do André Almeida e isso diz muito do rendimento  de Maxi (adaptar Urreta a lateral direito ou promover Cancelo não dá mesmo?);
- começo a ter dúvidas que Salvio seja reforço ainda esta época;
- porquê a aposta em Sulejmani (que não é diferente de um Nolito, suficiente para jogar com as equipas pequenas mas sem dimensão física para os jogos a doer) quando temos Cavaleiro da formação com mais potencial, mais capacidade física, a ser chamado à selecção e a precisar de minutos e jogos para continuar a sua evolução?

O importante é o campeonato mas se queremos a hegemonia de volta não podemos facilitar nestes jogos. É por jogos como este que nunca conseguirei ser um fã de Jesus. Cá os esperamos na segunda mão, preferencialmente com o campeonato assegurado ou quase assegurado e com um estádio cheio para carimbar o passe para a final.

2 comentários:

  1. Só não concordo com a tactica do 4-4-3.
    Eduardo

    ResponderEliminar
  2. Gorbyn,
    Vi o jogo até aos 60 minutos e creio que se pode resumir da seguinte forma:
    - O Benfica estava efetivamente irreconhecível, principalmente do ponto de vista defensivo;
    - Cruisamente, na defesa utilizou todos os titulares menos o GR (que, ainda assim, fez uma excelente exibição;
    - Creio que isso revela que o papel dos restantes titulares (Enzo em particular, mas da própria dupla de avançados) é essencial do ponto de vista defensivo;
    - O Porto disputou cada lance como se se tratasse de uma final da Champions;
    - Significa que a exigência e o nível baixaram um pouco, é verdade, mas significa outra coisa também: ainda há ali um restinho daquela mística FCP que responde "presente" nos momentos importantes.

    Esta derrota por 1-0 era o "melhor" que vos podia ter acontecido: por um lado, mantém os pés bem assentes no chão, como disse o JJ no fim o Benfica é forte mas não é imbatível; por outro, tratando-se de 1-0 no Dragão (podia ter sido bem pior) não será suficiente para causar grandes danos na moral dos jogadores; por fim, o mais importante na competição em causa, permite ainda que o Benfica dê a volta na Luz.

    Abraço

    PS: Se algum benfiquista me conseguir explicar porque é que o matacão paraguaio marca golos atrás de golos ao Sporting mesmo quando está lesionado, cego de um olho, etc. mas simplesmente nada joga contra o FCP, agradeço.

    ResponderEliminar