31/03/2014

A caminho da Champions (mas com os pés no chão, sff)


1. Jornada positiva no que à Champions respeita, ponto final no sonho de ainda disputar o 1º lugar. Sim, disputar, apenas disputar. Chegar lá seria quase uma impossibilidade, ainda que o Benfica tropeçasse em Braga. A ideia seria, apenas, a de manter o suspense até ao final. Não vai acontecer, o Benfica vai ser campeão quando receber o Olhanense. Mas o 2º lugar está perto: o Sporting precisa de ganhar os jogos em casa e empatar 2 jogos fora de casa (mesmo que perca 1 dos jogos fora, perde 7 pontos no total). Mas o ideal mesmo é sacar uma vitória fora, já no próximo jogo e praticamente assegurar a Champions na receção ao Gil Vicente.

2. No sábado, em Alvalade, uma vitória arrancada a ferros, num jogo muito parecido com o Nacional-FCP:
- jogo emotivo e disputado, mas não muito bem jogado;
- resultado em aberto até ao final;
- enorme desperdício de lances de contra-ataque tanto do Sporting como do Nacional que podiam ter arrumado com o jogo mais cedo (no caso do Nacional, o jogo podia ter ficado decidido ainda na primeira parte);
- péssimas arbitragens.

3. Nas arbitragens, destaco o seguinte:
- na do Sporting, para além de um chorrilho de decisões erradas, temos um golo mal anulado a Montero (mais um...), uma expulsão perdoada a Slimani, outra expulsão perdoada ao Adrien e mais uma falta marcada ao Marcos Rojo (com direito a amarelo, claro!) que não era falta (e deu origem a um livre perigoso);
- na do Porto, o primeiro golo do Nacional começa com um fora-de-jogo, o penalty sobre o Quaresma devia ter sido punido com amarelo por simulação, o golo do Jackson parece-me mal anulado.

4. No que ao futebol diz respeito, o Sporting continua a sua saga de desperdício de lances ofensivos. Para uma equipa que sente tantas dificuldades para sair a jogar, começa a ser irritante esse desperdício. Porque o Sporting, quando consegue soltar-se, constrói muito bem as jogadas de ataque. Espera pelo envolvimento dos laterais, encontra o espaço entre os centrais e os laterais adversários e coloca a bola nesse espaço. Surgem os laterais ou os extremos em situações de 1x1 ou mesmo já isolados. E depois o cruzamento invariavelmente é intercetado ou vai para as mãos do GR. Contei nada menos do que 6 lances assim no último jogo.

5. Na bancada discutíamos se o problema estava no cruzamento ou na falta de opções dentro da área. Reconheço que com exceção do André Martins (que faz muito bem o movimento de aparecer à entrada da área), os restantes têm a tendência de ir para o "barulho". Por isso, creio que há que treinar os dois aspetos: por um lado, dar a quem tem a bola na lateral várias opções para colocar o passe; por outro, assegurar que quem tem a bola perceciona o movimento dos colegas e a coloca no que está em melhor posição. Parece simplista, mas quem vê os jogos do Sporting creio que percebe o que estou a dizer. Quando este aspeto melhorar, vamos resolver os jogos mais cedo.

6. Pés no chão, sff: é essencial ganhar em Paços de Ferreira e ganhar ao Gil Vicente. Estes são os dois jogos mais importantes da temporada. O título não é connosco, os problemas do FCP não são nossos. Ganhar ao Paços de Ferreira. Ganhar ao Gil Vicente. Depois, com 9 pontos para disputar e uma vantagem de 8 pontos, gerir com seriedade os últimos 3 jogos da temporada de forma a não deixar fugir algo que está perfeitamente ao nosso alcance.

PS: Escolhi a foto da primeira simulação de Slimani para fazer 3 perguntas:
- para quê as duas fintas, ao defesa e GR?
- porque não deu a Heldon, que estava sozinho, após a primeira finta?
- porquê uma simulação tão desnecessária?

7 comentários:

  1. "Na bancada discutíamos se o problema estava no cruzamento ou na falta de opções dentro da área."

    Eu respondo-te a esta à lá "Lateral Esquerdo". O que falta são soluções pelo meio do terreno. Confiar em cruzamentos para ganhar jogos não é o futuro para uma equipa que quer ser campeã.

    ResponderEliminar
  2. Mike, talvez não me tenha explicado bem. Noutros posts já abordei a insuficiência, nalguns casos inexistência, do nosso jogo interior. Neste post estou a abordar algo diferente: o Sporting constrói bem o seu jogo pelas alas, cria superioridade numérica, encontra espaços e depois não tem critério no passe, assim desperdiçando inúmeros lances. Já tinha acontecido com o Marítimo. Não estou a falar de cruzamentos, mas de desperdício de lances de ataque.

    Repara que ontem o Benfica bateu o Braga com um lance construído pelo lado esquerdo em que há 1 jogador na área do Braga, e apenas 1, contra 5 ou 6 do adversário. Mas o Rodrigo sabia onde colocar a bola e o Lima sabia onde se devia posicionar. 2 contra 6, golo. Porque aquilo é treinado, eles sabem o que estão a fazer (tanto quem tem a bola como quem espera por ela).

    ResponderEliminar
  3. Koba, o Vinicius foi pago para ficar parado a ver o lima marcar e tentar dois auto golos? Já tinha ficado desconfiado do GR. Do paços contra o FCP. Teremos nova tendência de adulterar verdades desportivas? É que já acredito em tudo...

    ResponderEliminar
  4. Metralha,
    Aquela dupla entende-se na perfeição. O Lima sabia onde a bola ia entrar, o Vinícius não.
    Puxando a brasa à nossa sardinha, o Slimani sabia onde o Martins ia meter a bola, o Abdoulaye não.
    Já os lances dos quase auto-golos são de facto estranhos mas, enfim, quero acreditar que tudo não passou de um jogo infeliz. Convenhamos que o Braga baixou bastante o nível qualitativo e que os centrais são dos pontos mais fracos da equipa.

    ResponderEliminar
  5. Koba,

    Deve ter ficado com a sensação que lhe plagiei a parte inicial do post, olhe que não, olhe que não, diria o outro. No essencial estamos de acordo quanto ao que falta.

    Não concordamos relativamente à qualidade do ataque. Aceitaria se o Sporting, dentro deste modelo de LJ, ainda procurasse a linha e daí procurasse os avançados, obrigando os centrais a estar de costas para estes. O que o Sporting faz é centrar desde a linha lateral e aí, pese o jogo aereo de Slimani, é muito dificil fazer golo. Creio que chegará para o que falta mas este aspecto terá que ser revisto pois não chega para a CL que tanto desejamos.

    Quanto à resposta às perguntas que faz encontro 2 respostas: 1 ponta-de-lança pensa sobretudo nos golos que pode marcar. Mas creio que a principal causa para as 3 perguntas é a inteligência ou falta dela. Podia-se ter escrito uma história bem diferente do jogo por causa de 1 burrice.

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. LdA, tive esta discussão há não muito tempo aqui no blog

    Mas desta feita seguramente terei sido eu que não fui claro, pois o Mike interpretou da mesma forma que o LdA.

    Dou dois exemplos:
    - cerca dos 20 minutos, Heldon isola-se pela direita; ao invés de aguardar a chegada de colegas para fazer o passe atrasado, opta, por 2 vezes, por cruzar para o meio da área: 2 bolas intercetadas pelos centrais do VG;
    - cerca dos 25 minutos, lance de Mané em tudo igual ao do Rodrigo (mas pelo lado direito) em que uma vez mais não olha para ver onde estão os colegas e a bola acaba nas mãos do GR.

    Eu estou a referir-me à qualidade da execução nos lances em que fazemos tudo bem até ao último passe (porque tem sido recorrente o desperdício destes lances); creio que o Mike e o LdA estão num momento anterior que respeita à filosofia de jogo.

    Muito embora reconheça que há pouco jogo pelo meio do terreno neste Sporting, reconheço também que o tema teve que me ser assinalado por quem entende mais da poda do que eu. Não é falsa modéstia, é mesmo isto: consigo apanhar as deficiências na execução (eu e qualquer bicho careta que veja futebol) mas não identifico assim tão facilmente as deficiências de um modelo de jogo.

    Ou seja, e em suma, estamos a discutir coisas diferentes! Mas eu não entro pela vossa discussão sem me aconselhar com experts primeiro :)

    Abraços

    ResponderEliminar
  7. LdA, confesso que só hoje vi, mas o Rui Monteiro, do "Insustentável" tem esta frase que resume na perfeição o que eu queria dizer (e pelos vistos não consegui): "A quantidade de lances de perigo que se perdem no último passe é qualquer coisa de inimaginável."

    http://levezaliedson.blogspot.com.es/2014/03/o-bola-de-prata-dos-golos-mal-anulados.html

    ResponderEliminar