10/12/2013

O que vi em Barcelos e Salvador

1. Barcelos


Começo pelo que não vi: em Barcelos não vi a primeira parte (só depois o resumo); nem vi os primeiros 5 minutos da segunda parte; nem vi um grande Sporting até ao 0-2.

Vi um Gil Vicente que, com 11, e mesmo nalguns momentos com 10, conseguiu quase sempre progredir no campo em jogadas coletivas, construir alguns lances interessantes e causar sempre a ideia de poder gerar perigo. Depois, vi uma entrada para vermelho ser corretamente punida e o Sporting a controlar o jogo um pouco melhor.

Vi também que mesmo nos momentos de maior aperto, a equipa do Sporting estava focada e determinada. A atitude estava lá, só me assustou alguma permissividade (e falta de objetividade) que podia ter permitido o empate do Gil Vicente (grande Rui Patrício...). Após a expulsão do Peks, vi o Sporting desenvolver e desperdiçar vários lances para o 0-2. Mas vi finalmente o 0-2, que matou o jogo, e a partir daí vi um Sporting tranquilo.

Vi um bom jogo de André Martins, a habitual eficácia de Montero, a persistência de Capel e uma boa entrada de Carrillo. Defensivamente, e como já disse, vi a equipa a tremer até ao 0-2, mesmo após o Gil Vicente ser reduzido a 10. Vi erros que o Marcos Rojo insiste em não corrigir (incrível como insiste em atacar os lances 1 segundo antes de o adversário decidir o que fazer, dando assim margem para que qualquer perneta o drible facilmente).

Vi também um estádio adequado à dimensão do clube que ali joga (haja alguém com realismo neste país) todo ele pintado de verde e branco. Somos um clube fantástico: mesmo sem uma luzinha de esperança, estamos lá; havendo uma luzinha de esperança, começa a criar-se uma onda verde por todo o país. Inigualável.

Também vi o futuro: se mantiverem os atuais níveis futebolísticos, Benfica e Porto não ganham em Barcelos. Podem escrever o que digo. Mas é um problema deles, porque mantenho que não temos as mesmas armas e que ficar em 1º, nesta fase, não é mais do que um excelente sinal de que estamos fortes na luta por um lugar na Champions.

2. Salvador



Vi um sorteio favorável essencialmente à França: evitou o pote 2 à última da hora e ainda teve a sorte de calhar no grupo mais acessível de todos, com a seleção europeia mais fraca (Suiça), a seleção sul-americana mais fraca (Equador) e a seleção centro-americana mais fraca (Honduras).

E vi um tremendo azar para a Itália: além de ir parar ao pote 2, calhou no grupo mais forte, com Uruguai e Inglaterra (também a Costa Rica, mas vai lá só fazer figura de corpo presente).

Quanto a nós, essencialmente, vi uma histeria incompreensível só pelo facto de termos evitado Itália e Uruguai. Explico-me: percebo a alegria por termos evitado esse grupo, não percebo a afirmação "já nos livrámos dos grupos difíceis" quando passou o sorteio do grupo D. É que o G, precisamente o G, era de evitar. No E creio que nos apuraríamos sem dificuldades, o mesmo se diga do F (tínhamos a Argentina, mas os restantes eram acessíveis). Mesmo o H, se encarássemos a Coreia com seriedade e sem a sobranceria de 2002, seria um grupo ao alcance.

O Grupo G era o mais complicado dos disponíveis:
- a Alemanha é um adversário com que tradicionalmente nos damos mal. Mas em princípio ganha o grupo facilmente, pelo que discutimos o apuramento com Gana e EUA;
- o Gana, não sendo a seleção africana mais brilhante, será porventura a mais sólida e equlibrada (e taticamente mais evoluída). Recordo que não chegou à 1/2 final em 2010 porque Asamoah Gyan falhou um penalty contra o Uruguai no último minuto do prolongamento. Mas foi duas vezes ao Mundial e em ambas conseguiu passar a fase de grupos.
- os EUA são uma seleção de qualidade que consecutivamente tem conseguido apurar-se facilmente para os Mundiais e em que em 2002 passou aos 1/8 (às nossas custas), em 2006 ficou-se pela fase de grupos (num grupo muito difícil) por ter perdido com... o Gana e em 2010 voltou a apurar-se para os 1/8 (em 1º no seu grupo, onde também estava a Inglaterra) caindo, novamente, aos pés do Gana.

É o típico grupo que faz lembrar 86 e 2002. Só peço atenção a isto e concentração em todos os jogos.

Já agora os meus palpites para os grupos, incluindo já algumas surpresas. Gorbyn, devíamos montar uma banquinha para isto!

A- passam Brasil e México;
B- passam Espanha e Chile;
C- passam Colômbia e Costa do Marfim;
D- passam Itália e Inglaterra;
E- passam França e Equador;
F- passam Argentina e Nigéria;
G- passam Alemanha e Portugal;
H- passam Bélgica e Rússia.

5 comentários:

  1. Em termos defensivos também vi o SCP a dar muito espaço entre-linhas e em certas alturas os jogadores do Gil conseguiam superioridade numérica em relação a nós numa determinada zona do terreno. Não sei como se poderá corrigir este problema que já vem do inicio da época, mas espero que Leonardo Jardim o consiga.

    Ainda se nota muita falta experiência no William em certos lances, pois às vezes não se posiciona bem, nem ataca bem o adversário que tem a bola.

    ResponderEliminar
  2. Mike, muito bem apontado. O William pareceu-me dos jogadores mais "perdidos em campo" quando comecei a ver o jogo. Para sorte dele (e nossa) o Peks fez aquele disparate (precisamente sobre o William) e o Sporting acalmou. Estou consigo: não sei como se poderá corrigir o problema. Mas é precisamente entre o William e os centrais que temos a nossa zona de maior vulnerabilidade.

    ResponderEliminar
  3. Koba,

    vou direccionar-me para a parte da Selecção, pois acho que relativamente ao nosso jogo com o Gil está tudo muito bem esclarecido. Embora seja um dado importante o Koba não ter visto a 1ª parte. Foi de grande qualidade, face às condições da nossa equipa, adversário, terreno/campo e resultados dos, então, 1º e 2º classificado. Entramos no campo com um só pensamento e, diria, quase certeza: "vamos ganhar!".

    À parte da vergonha que foi toda a colocação da França para este sorteio (o pior é que é tudo tão previsivel que até já nem choca), de facto saiu-nos um grande imbróglio. O grupo é fod"#"#"$do.
    Alemanha é sempre aquele "karma". Antes de jogarmos já estamos derrotados.
    Gana é muito forte. As prestações em 2010 foram enormes e na CAN têm sido sempre muito boas.
    USA é aquela selecção que nunca se porta mal e parecem que podem sempre vencer/ou perder porque nunca jogam como os outros. Aquilo ainda não é o futebol puro. E isso complica sempre ou dá derrota "sem espinhas".

    No entanto, há elementos a ter em conta:
    - Alemanha jogar no Brasil? Ui, aquilo não é a Baviera... ali faz calor (e humidade) como nunca viram. E isto aplica-se a outros países como Inglaterra, Holanda, França, Rússia, Bélgica e Suíça.
    Bayern, Dortmund, Barça, Real, Chelsea, Arsenal, Man City terão nas decisões finais dos seus campeonatos e competições europeias. Desgaste pela certa, como frustação (em quem perder).
    - Gana: se chegarmos a este jogo com eles a terem de nos ganhar, temos tudo para vencer. Mas calor é com eles. E haverá poucos jogadores a jogarem decisões de campeonatos e competições europeias em Maio. Terão menos cansaço.
    - USA: tão na boa. Estão no seu continente e os horários "trocados" favorecem-nos. Vão-se preparar só para isto e isso pode ser fatal para quem os defronta.
    - Portugal: esperemos que CR7 esteja ao nível de sempre - MUITO, MUITO ALTO. Depois, que Patrício, Pepe, Coentrão, Moutinho e Nani estejam em bom nível, pois eles serão os elementos que, jogando bem, sobem o patamar que esta selecção precisa para ser favorita no grupo. Os restantes, por muito bons que sejam, não são muito melhores do que se vê no Gana e USA.

    Prevejo muitas dificuldades para as equipas europeias. Uma Bélgica ao nível da Colombia de 94. Uma Espanha ao nível da França de 2002 (Barcelona já fechou a loja em termos de futebol e isso ressente-se na "Roja").
    O Uruguay passa à 2ª fase. Cai a Inglaterra que terá muitos adeptos mas muitos escaldões e cerveja na cabeça dos jogadores.
    E o Brasil, por jogar em casa, por ter Scolari (é tremendo nestas competições) é o principal favorito.
    O facto de Portugal jogar o 1º jogo com a Alemanha impede que se faça aquilo que se fez na África do Sul com o Brasil, combinar o resultado (empate). É o 1º jogo. Podemos até ganhar (como fizemos em 86 com a Inglaterra), mas a decisão estará sempre nos outros 2 jogos.

    grande abraço!

    ResponderEliminar
  4. ERRATA
    USA: os horários trocados favorecem os USA e não "favorecem-nos" como está escrito.

    ResponderEliminar
  5. Cantinho, muito bom comentário, subscrevo quase integralmente, tenho três divergências:
    - tenho um feeling que a Inglaterra se vai portar bem (mas é mesmo só um feeling);
    - acho que a Bélgica pode não chegar longe mas passa o grupo (e recordo que tem vários "africanos" na equipa);
    - acho que a Espanha pelo menos o grupo ainda passa.

    Abraço

    ResponderEliminar