17/12/2013

Em 5/7 minutos

Porque não tenho tempo para muito mais:

1. Vitória justíssima e inquestionável no Sábado perante um Belenenses algo frágil e que efetivamente sentiu muito o primeiro golo.

2. Golo esse que resulta de um lance ocorrido fora da área em que, para mim, nem falta existe (parece-me aliás que o Cedric não ia pedir a falta sequer). Recordo, porém, que o jogo acabou 3-0 e que 10 minutos depois há um penalty evidente não assinalado. De qualquer forma, não justifica o erro anterior.

3. Não me parece sinceramente que o lance seja fora do campo. O alegado empurrão começa dentro de campo. De qualquer forma, reproduzo o que já comentei no Cantinho do Morais e também aqui, no anterior post do Gorbyn:

Acabo de ver um teste feito pela FPF a árbitros em 14 de Fevereiro de 2013.

Uma das perguntas é a seguinte: "um jogador, de posse da bola junto à linha lateral e perto da linha de meio-campo, faz uma finta a um adversário, adiantando a bola e tentando ultrapassá-lo por fora do terreno de jogo e aí é empurrado pelo adversário, o suficiente para ser ultrapassado na corrida para a bola. O árbitro assistente, em excelente posição, assinalou a infração. O que deve fazer o árbitro?"

Trata-se de um caso análogo ao do Cedric, admitindo que a falta sobre o Cedric foi fora do campo (não concordo sequer que tenha sido falta, mas vamos admitir que foi e que foi feita fora do campo).

Nesse mesmo teste da FPF, a resposta indicada como correta é a seguinte:

"O árbitro deve interromper o jogo, advertir o jogador infrator por sair do terreno de jogo para empurrar o adversário e punir a sua equipa com um pontapé livre indireto no local em que a bola se encontrava no momento da interrupção".

Ou seja, nada do que diz o Pedro Henriques ou o Leirós: seria livre indireto.

4. O Sporting jogou qb, não foi brilhante, mas esteve coletivamente bem e manteve sempre a cabeça fria e a organização. Não me lembro de muitas bolas despejadas, nem sequer quando estava 0-0.

5. O que o André Carrillo fez ao longo do jogo, em diversos lances, os restantes extremos do plantel só conseguem fazer na play-station (alguns nem na play-station). Bem sei que o rapaz é irregular mas agora que até anda mais cumpridor nas funções defensivas, que tal (i) dar um pouco mais de rédea para o cavalo andar à solta e (ii) pararem com as assobiadelas (ainda que continuem a aplaudir as arrancadas enérgicas e não raras vezes despropositadas do Capel)?

6. Jogo fraco de Fredy Montero, desperdiçou inúmeros lances e desperdiçou um golo fácil, o pior que lhe vi fazer desde que chegou ao Sporting. Mas tudo bem, com 13 golos no bornal pode fazer o que lhe apetece (em Alvalade só pude comentar isto com o meu pai e bem baixinho para ninguém me ouvir). Ainda bem que caiu em graça, é menos um para assobiar nos dias menos bons. Já o Carrillo e o Rojo não beneficiam dessa sorte...

7. O André Martins vem subindo de produção. Um leitor menos atento poderia dizer que este facto prova que eu não percebo mesmo nada de bola, uma vez que andava a defender mais oportunidades para o Vítor. Errado. O que acontece é que o André lê o fa3 regularmente e ficou picado com as minhas chamadas de atenção. De qualquer forma, gostei que tenham sido dados alguns minutos ao Vítor. Em boa verdade, com o jogo em 2-0, preferia que o Vítor tivesse tido mais minutos.

8. O William tem vários lances que o público adora, com reviengas ali no meio. Em 10, 9 saem-lhe bem. O que lhe saiu mal no Sábado originou um contra-ataque que não foi perigoso porque o Belém neste jogo foi inofensivo.

9. A minha aposta sobre o Wilson Eduardo (7 golos no campeonato ou 10 em todas as competições) vai ficando mais apertada. Até porque em Alvalade, agora, só se desejam golos do Slimani. Acabados de festejar o golo, o meu próprio pai, a quem devo a grande alegria de ser sportinguista, vira-se para mim e diz "podia ter dado ao Slimani". E é por causa destas e de outras que vou acabar a pagar uma almoçarada...

10. Pés no chão: enquanto estivermos em 1º, estamos mais próximos de assegurar um lugar na Champions. Os rivais históricos começam a conseguir ganhar mesmo quando jogam mal e sofrem golos, o que é um sintoma de que começam a ficar alinhados com os astros. Pés no chão!

11 comentários:

  1. Koba,

    Olha se tem tido tempo para mais... Bom post.

    1- de acordo

    2/3/4 - No visionamento do lance pareceu-me que Cédric estaria já dentro da área e penalty portanto, se houve falta. Admito qualquer outro julgamento quer em relação a uma coisa e outra. O que não me surpreende é que P. Henriques e Leirós não saibam do que falam. A generalidade dos árbitros dão uma péssima imagem de si mesmos quer em funções quer depois delas. O P. Henriques não é dos piores, já o Leirós...

    4- O Sporting tem sido brihante nos resultados e na forma como encara os jogos. Já as exibições nem por isso. Espero queixar-me disto até ao final do ano...

    5/6 - Não podia estar mais de acordo.

    7- O André tem feito uns jogões e agora já marca golos, o que era apontado por alguns comentadores como "o que lhe faltava" para ser um grande jogador. Vamos ver... Creio que ainda não lhe vimos tudo, se continuar a aparecer como apareceu no golo vai fazer mais seguramente. Ocupar aquele espaço - zona 10 - era o que andava a pedir há muito. Capel quase nunca se lembra, Carrillo das poucas vezes que o tem feito fica com a bola nos pés a pensar. O nosso jogo pode ainda crescer aqui, com proveito para a equipa e para os jogadores.

    8- Hoje falei no William no meu post por causa de situações semelhantes. Aplica-se aqui o contrário do que fala do Carrillo/Rojo. Ou em tempos do Cédric, Martins ou Adrien. Por agora tudo o que faz é bem feito. E isso é tão mau como pensar o contrário dos jogadores citados.

    9- O Wilson Eduardo é nisto que é bom e por isso útil. Movimento para dentro e aplicar o remate poderoso. E, apesar de muito limitado tecnicamente, é aplicado e confiável. Seria no entanto suplente do Bruma, por exemplo.

    10- O meu prognóstico é que o Sporting não irá registar grandes oscilações em relação ao que tem feito, a menos que surjam lesões prolongadas em jogadores-chave - meio-campo, Montero - ou várias em simultâneo. O campeonato por isso não se resolverá tanto pelo que nós conseguiremos fazer, que se manterá mais ou menos nisto, mas na resposta que os nossos adversários consigam dar. Se se mantiver no nível actual teremos um campeonato a 3 até ao fim ou próximo disso.

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Excelente post!
    Apenas uma nota para o ponto 10: o Benfica sofreu 4 golos das 2 piores equipas do campeonato nas 2 últimas jornadas... :)

    ResponderEliminar
  3. Atenção a uma coisa Koba.
    O Cedric não foi empurrado fora do terreno de jogo e sim foi empurrado PARA FORA do terreno de jogo, que é bem diferente.

    ResponderEliminar
  4. Leão, 1/3 do post é copy/paste de um comentário no blog do Cantinho :) Mas o curioso é que entretanto até fiquei com mais tempo nas mãos!

    Apenas alguns comentários:

    2/3 - Para mim não é falta. E, Mike, concordo que o empurrão é "para fora" e não "fora", logo a falta (a existir) foi dentro do campo. A tese que expus destina-se apenas a explicar a consequência do lance aos que entendem que a falta já foi feita fora do campo (também acho que, a existir, foi dentro do campo mas fora da área). Mas não me choca que tenha sido marcado penalty porque o lance é rápido (como não me choca o lance do Lima, de que aliás ninguém reclamou, como ninguém reclamou do lance do Montero contra o Benfica no momento do fora-de-jogo, só depois). Choca-me um pouco mais o lance do Montero no Sábado (agarrado nas barbas do árbitro) ou o fora-de-jogo tirado ao Silvio.

    7- Mesmo nos momentos em que entendia que o Martins estava em sub-rendimento, reparava (nos jogos em casa, na TV não dá para ver) que ele se fartava de aparecer ali mas o passe ia sempre para o Montero. Talvez devido ao facto de o Montero ter estado 4 ou 5 jogos sem marcar, parecia haver alguma ansiedade da equipa e vontade de lhe dar os golos. Mas o Martins aparecia, isso reconheço. Taticamente é um jogador efetivamente especial.

    8- O William está com um estatuto tal que ninguém se lembra, por exemplo, que no 1-2 da Luz andava perdido e no 1-3 foi ele quem perdeu a bola. Confiança sim, mas cuidado com o excesso de confiança.

    10- Anónimo, é verdade. Mas também é verdade que o Benfica ganhou 3-2 depois de ter estado a perder por duas vezes. Num Benfica em crise e com meia administração a querer varrer o JJ, a imprensa vai assinalando o mau. Mas este mesmo jogo, com o Benfica em 1º e um treinador seguro, seria titulado como "Águia renasce duas vezes" ou "Fibra de líder", algo do género.

    Noto ainda que o Sporting este ano só esteve a perder fora de casa no Dragão (e não deu a volta). Veremos como reagimos num jogo em que comecemos a perder fora de casa (e vai acontecer). Neste sentido, Leão, não acredito no campeonato a 3 até ao fim. Temos deslocações complicadas para fazer e os candidatos parecem estar finalmente a encontrar-se. Não é crível que percam muitos pontos até ao fim da época.

    Abcs a todos

    ResponderEliminar
  5. Koba,
    só um esclrecimento: só acredito num campeonato a 3 se os adversários continuarem a falhar mais vezes eonde menos se espera, como sucedeu com o Arouca e com a AAC. Caso contrário...

    ResponderEliminar
  6. 1. Claro como água.

    2. Assunto já debatido. Para mim é falta (não estou a debater o local, só a infracção). O defesa procura sempre afastar o adversário, independentemente de onde esteja a bola (que já estava longe).

    3. Um árbitro é sempre um incompetente. Ou no activo (seja ou não profissional) ou em versão reformado. E esta rábula é mais uma prova.

    4. Com excepção dos minutos entre o 2º golo e a entrada do Slimani, onde não gostei da atitude e falta de concentração, o Sporting esteve "adulto". E isso parece ser bom e era algo que não esperava nesta fase.

    5. É um dos melhores jogadores do Sporting. Melhor que qualquer 1 dos outros extremos. Seria fácil para o Leonardo tê-lo "deixado cair", quando ocorreram as más e displicentes exibições. Excelente análise ao seu ego e, aparentemente, a colher-se os frutos do trabalho feito ali.

    6. Não foi brilhante. Mas sempre que toca na bola, o QI no jogo aumenta substancialmente. Não vi displicência (atrás de mim, no estádio, chamaram-lhe arrogante e mau colega), um jogo menos conseguido, talvez, mas com uma importância enorme na busca de espaços e alternativas no jogo atacante.

    7. Como me deixa feliz o reconhecimento dado ao André Martins. Além de ele ler o FA3 também lê o "A Norte...". As recomendações do Leão e o "picanço" motivacional do Koba estão lá. Assim, as exibições melhoram e os golos aparecem. E vejam o lance que Montero falha na 1ª parte, na melhor jogada do jogo. Se ele abre as pernas, vejam quem lá está, a escassos 4 ou 5m, pronto para encostar?

    8. William ainda teve mais falhas que essas que dizes, Koba. Mas assusta-me o dia em que ele não jogar. É que o 6 que entrar não tem nada a ver com o William...

    9. Wilson sabe das suas limitações e da importância que este momento tem para a sua carreira. Está a aproveitá-lo muito bem, tornando-se num jogador importante nesta equipa. Vai marcar mais, estou certo. Faltava este jogador ao plantel. O tal, que não sendo excepcional, garante essa tal número de golos e assistências que são determinantes na conquista de pontos. E é um exemplo do aproveitamento correcto de um jogador da formação. Está no ponto, "batido".

    10. O Benfica e Porto, jogando mal, mas mal e mal, estão só a 2 pontos da liderança. Se um dia retirarem uns quantos "mal" à seu tipo de jogo, ficando só a jogar "+ ou -", voltarão aos seus lugares. Agora se sairmos da Luz em 1º...

    ResponderEliminar
  7. Cantinho, duas notas:

    6. Também não vi displicência, nem arrogância e muito menos um mau colega. Vi um jogo menos conseguido, o que pode acontecer a todos. Sucede que ao Montero (e ainda bem!) pode acontecer sem consequências de maior; ao Carrillo nem sequer um mau drible pode acontecer, quanto mais um mau jogo...

    9. Não diria melhor, é precisamente o que penso do Wilson Eduardo.

    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Cantinho, Cantinho... daqui o beneficiário da aposta,

    Em 1º lugar, deixe-me dizer-lhe que é dantesca a visão de um Koba lambuçar-se (sem referências político-partidárias) com temakis a perder de vista. O homem parece o triângulo das bermudas dos preparados japongas: eles entram na mesa, perdem o norte e ficam magneticamente atraídos pela dança dos pauzinhos perpetrada pelo hipnotizador (Koba, por originário de Kobe). Para mais, num restaurante de referência lisboeta que não prima pela moderação no preço das suas iguarias. Vamos lá deixar de empurrar o carma para o lado desse perneta futebolístico que quem depois se lixa sou eu.

    Em 2º lugar, não, não me parece que o Wilson Eduardo tenha noção das suas limitações. Se tem, nos poucos jogos que tenho visto, não parece. O seu desempenho é sempre mau. Ou (pior) é revelador da sua incapacidade de compreender as próprias insuficiências. A quantidade de passes curtos (no raio de 5-15 metros) que falha é enorme: se tivesse consciência das suas limitações, procuraria movimentos que privilegiassem as suas características (nomeadamente sem bola) e simplificar as suas ações (coisa que não faz).

    Este último golo contra o Belenenses é o exemplo acabado de um jogador que incapaz de pensar no decurso de uma jogada. O que deveria ter feito era enquadrar com a baliza e o adversário, para ter 2 opções (seguir no caminho da linha ou procurar o remate). O que fez foi colocar a bola para dentro onde já só lhe restaria a opção do remate. No remate, teve a felicidade do GR do Belenenses se ter adiantado (por razões que apenas ele poderá explicar...), porque com a força do remate e com a cobertura do 2º defesa (que fica fora da jogada pelo adiantamento do GR), a bola seria muito fácil de defender. E em tudo isto, o Wilson Eduardo não levantou a cabeça: sabia do seu posicionamento, de quem tinha pela frente (1x1) e pregou os olhos na bola do início ao fim da jogada.

    Acresce que este não é um jogador útil e que, nessa medida, não será um jogador útil a um plantel que tenha a ambição de ganhar todos os jogos (e que, nessa medida, enfrente equipas que não desposicionem muito). Não é útil porque, sendo tecnicamente muito fraco, entrega muitas bolas ao adversário. Não é útil porque, frente a equipas fechadas, não pode explorar as suas melhores qualidades (nomeadamente a capacidade de explorar o espaço entre o central e o lateral e a capacidade de explorar as costas do lateral em transição). E não é útil porque os remates sem nexo (em que o Wilson Eduardo é useiro e vezeiro) não ajudam, só desajudam.

    Dito isto, ainda há sportinguistas que suspiram pelo Di Franceschi, outro jogador que optou por blocos de cimento em vez de chuteiras: simplicidade de processos e alguns golos nunca chegaram a compensar - conforme atesta a carreira do próprio - a gritante falta de qualidade individual. Num coletivo com confiança, chegou a ser útil, mas quando foi necessário meter qualidade (técnica) dentro do campo, andou pelo banco (e o Sporting acabou o campeonato com Edmilson e Mpenza nas alas, Barbosa no meio, Ayew fazia vezes de ala). Portanto um bom contexto pode fazer maravilhas pela perceção ou pela estatística de um jogador mas é manifestamente insuficiente.

    E é insuficiente porque, quando (se) a coisa apertar, as opções serão Carrillo/Capel e Slimani antes do Wilson Eduardo. Porque este nada traz ao jogo de diferente...

    ResponderEliminar
  9. Anónimo apostador, este último golo contra o Belenenses é, outrossim, o exemplo acabado do que nos opõe: a bola entrou, +1 para a contabilidade de Wilson, -1 na contabilidade dos temakis.

    Objetividade, por favor!

    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  10. Caro Anónimo,

    Obrigado pela longa e fundamentada reflexão sobre o Wilson Eduardo. De facto, fui bastante superficial na minha análise correndo o risco, desta forma, de estar longe do conhecimento verídico do futebolista em causa.

    Falou em "contexto". Acho que isso é tudo neste momento. O contexto é favorável a Wilson, mas acho que ele também fez o seu "contexto". Corresponde com golos e assistências (embora seja difícil quantificar aqueles que se perderam pelas suas limitações, tão bem exploradas por si no seu comentário), daí a sua utilidade.
    No plantel do Sporting existiam e existem muitos jogadores melhores que Wilson (Carrillo, Capel [pouco, mas é melhor], Bruma, Labyad, Jeffren, Viola e, talvez, Rubio). Mas há excepção dos 2 primeiros, mais nenhum quis demonstrar neste Sporting essa superioridade. Face a contexto, Wilson apareceu e, quanto a mim, está a aproveitar.
    Num futebol com jogadores sem cabeça e emoção (robotizado, portanto), Wilson estava tramado porque todos os outros são melhores. Mas como não é assim, outras virtudes se elevam, fazendo com que jogadores mais limitados estejam mais disponíveis e com maior rendimento. E Wilson está com rendimento.
    Tal como teve Di Franceschi na sua breve passagem pelo Sporting. Claro que Edmilson era muito melhor (o mesmo não concordo de Mpenza) mas o rendimento do italiano foi diferente, para melhor.
    E quando foi embora, não foi pelo facto de virem jogadores melhores (Rodrigo Fabri, Sá Pinto, Tello) que o jogo e rendimento da equipa melhorou. E, creio que é unânime, é justo considerar que a sua saída nunca foi colmatada, tendo que se esperar por um tal de Quaresma para se voltar a ter alguém bom a jogar numa ala.

    abraço!

    ps: comer temakis com pauzinhos deve ser digno de ver)

    ResponderEliminar
  11. Não me enganas Anonimo aka amigo do Postiga, birrento com o Liedson. E eu tenho saudades do italiano, tal como gosto do Capel.
    Koba, estou a torcer para que ganhe essa aposta. O soutor agora no plantel belga deve andar a tratar-se bem... :))))

    ResponderEliminar