30/12/2013

Copo meio vazio vs. Copo meio cheio

Copo meio vazio:

a) Não ganhamos há dois jogos;
b) Estamos há dois jogos a zero;
c) Com os grandes, contas feitas, simplesmente não conseguimos ganhar;
d) Se o Montero não marca, dificilmente ganhamos;
e) Nem com o FCP conseguimos encher o estádio;
f) À frente da baliza, tremem as pernas aos Wilsons e aos Vítores;
g) O Carrillo só dá quando entra a partir do banco;
g) É uma constante sina: contra nós, os GR adversários fazem sempre grandes exibições.

Copo meio cheio:

a) Podemos não ganhar os jogos todos, mas a verdade é que até agora só perdemos um jogo, contra o crónico campeão nacional e no estádio deles (e tivemos algum azar);
b) Mesmo quandos os jogos não correm bem e não marcamos, conseguimos ser suficientemente sólidos para não sofrer golos;
c) Com os grandes, mesmo com orçamentos inferiores, conseguimos jogar sempre de igual para igual e neste último jogo demos um banho de bola na segunda parte;
d) Mesmo quando o Montero não está em forma, conseguimos jogar próximos da área adversária e aparecem outros para finalizar;
e) Tendo em conta que era dia 29 de Dezembro, estava uma noite pouco agradável e tratava-se da Taça Lucílio, o estádio até que estava bem composto;
f) Podemos desperdiçar golos, mas estamos a criar várias oportunidades por jogo;
g) O Carrillo provou que está de corpo e alma e tem que ser titular;
h) Obrigámos o Fabiano a fazer uma exibição típica de GR de clube pequeno.

9 comentários:

  1. Houve conferência de imprensa do Carvalho a reclamar sobre a entrada do William sobre o Varela? Ou da expulsão do Carlos Eduardo? Ou da agressão do Jefferson?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tá calado, palhaço cuspidor. Não passas de um anormal. Mete a viola no saco e vai para o Calor da Noite procurar o teu presidente.

      Eliminar
    2. Que viola? Acaso ganhaste alguma coisa? Que leve aroma a vitória moral...

      Eliminar
  2. lol ridículo vocês falarem de árbitros por vários motivos, tem sido levados ao colo duma forma vergonhosa no campeonato mas principalmente porque não tem qqr motivos de queixa neste jogo.

    O porco do Josue voltou a fazer das suas mas disso não falas não é?

    Bom post Koba eu como é obvio prefiro ver o "copo meio cheio" até porque não nos podemos esquecer do buraco em que estávamos a 6 meses atrás mas a exigência tem de ser total para conseguirmos melhor os factos que enunciaste no "copo meio vazio".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O porco Josué estava no banco e portanto a sua expulsão de pouco ajudaria ao Sporting (já a do Carlos Eduardo, bem forçadinha, ainda poderia ter dado jeito). E sobretudo não andou a carpir em conferências de imprensa por causa da "agressão ao Jefferson" na semana anterior.

      O ponto "lol ridículo" não está na justeza das decisões - porque qualquer delas é defensável, desde a suposta agressão ao Jefferson, à entrada do William, à expulsão do Carlos Eduardo... - mas na histeria do Carvalho na semana passada, a fazer lembrar os piores momentos do seu compincha Vieira. Talvez a "vergonha de pertencer ao futebol português" devesse começar com um exercício de introspecção.

      Koba, está demonstrado que o aumento das audiências não vem forçosamente acompanhado com um aumento da qualidade dos leitores. Dito isto, há uns pontos que me parecem de relevar sobre o jogo de domingo (de que só vi a 2ª parte):

      1. A Taça da Liga é a 2ª competição para o Sporting e a 4ª competição para o FCPorto (ou 5ª, se quisermos considerar que a Liga Europa é a 3ª, por alternativa à Liga dos Campeões). Isso não passa apenas pelo discurso ou pelas opções (o Porto tinha no banco os seus 2 melhores jogadores...), é algo de cultural e que é evidenciado pelos resultados do clube nesta competição desde a sua criação, que foram: Sporting 4 - Porto 1 (2008/2009), Porto 0 - Benfica 3 (2009/2010), Benfica 3 - Porto 2 (2011/2012), Braga 1 - Porto 0 (2012/2013) e nos 2 anos restantes, a eliminação pelo Nacional e pelo Fátima. Em 4 encontros contra as principais equipas do campeonato, o Porto ganhou 0 (zero). Se se comparar com o percurso no campeonato e na Taça de Portugal, isto diz alguma coisa sobre a importância da competição e sobre a disparidade de atitude competitiva de ambas as equipas...

      2. 21.000 espectadores não é uma má casa atendendo ao interesse que (historicamente) a competição suscita. Mas parece bastante longe de constituir uma boa casa, principalmente se se tiver em conta que esta é a 2ª competição mais importante para o Sporting para o resto da temporada. O contexto de crise ou tratar-se de um 29 de Dezembro parecem-me pouco para justificar uma afluência tão baixa. Tive a oportunidade de estar no sábado em Lisboa e, quer as Amoreiras, quer a Baixa, quer o Corte Inglês, estavam à pinha. Não parece faltar dinheiro para muitos, mas uma certa vontade. O Carvalho já referiu que essa demonstração de desinteresse é elucidativa da ausência de sportinguismo dos que ficaram em casa. Haverá melhor explicação?

      3. Quantas intervenções de elevado grau de dificuldade fez o Fabiano? Três? Ocasiões de golo, contei duas...

      4. Como pode uma equipa que (aparentemente) deu um "banho de bola" ter menos posse de bola? É que nem sequer foi "50-50" ou "49-51", no final do jogo estava pelos 46-54, tendo o Porto tido a bola mais 8% do tempo de jogo. O que isso diz sobre a "proximidade com a baliza adversária" ou a "proximidade com o golo"?

      5. Cédric, Dier, William, Adrien, André Martins e Wilson Eduardo (faltando o Patrício). Quais poderão ser jogadores de topo? E qual era o discurso reinante sobre as qualidades do Cédric, do Adrien, do Patrício e do André Martins em alturas em que o Sporting não ganhava?...

      Eliminar
    2. Anónimo,

      Respondendo 1 a 1:

      1- As 2 equipas entraram sem 3 dos seus habituais titulares e o FCP viu-se obrigado, na 2ª parte, a colocar 2 deles em campo. Estamos conversados quanto à importância que vocês dão à competição.

      2- As pessoas ficaram em casa devido ao erro da direção de ter colocado os preços dos bilhetes mais altos e de não ter incluído os jogos da taça da liga nas gameboxes, como se fazia nos outros anos.

      3- Na realidade para mim só fez 2 defesas dificeis, porque as outras foram o Wilson que rematou contra ele, o Carrillo que, após ultrapassar toda a gente levou a bola contra ele e finalmente o Cedric que rematou (bem é verdade) ao 1º poste, mas era esse poste que ele deveria mesmo estar a cobrir, portanto se não defendesse é porque era muito mau. E as oportunidades de golo não se resumem a defesas do GR, ok?

      4- O banho de bola é porque o FCP nem 1 oportunidade de golo conseguiu criar, a não ser aquela do Ghilas no inicio.

      5- O problema não é dos jogadores, é de quem os treina. E apesar de eu não achar o Cedric e o A.Martins uns fora de série, sempre os achei bons jogadores. Mas lá está, os adeptos de bancada normais não conseguem ver um palmo à frente do nariz.

      Eliminar
    3. Eu ia responder mas o mike já disse quase tudo, apenas reforçar a questão curiosa das assistências porque BDC tocou na ferida para tentar espicaçar os SPortinguistas e vejo muitos rivais a aproveitarem para tentar rebaixar mas deixa-me fazer uma pergunta quantos espectadores tens tido nos últimos jogos no dragão? Pois....

      Em relação ao "banho de bola" eu nunca gostei de vitórias morais ( e vocês esta época na champions também tiveram algumas...) mas para reforçar a ideia que o jogo foi desiquilibrado basta dizer que há 40 anos que o fcp nao consentiam tantos remates ao adversário e fazia tão poucos.

      Eliminar
  3. Vamos ficar pelo meio vazio (é a exigência a trabalhar):

    a) além disso, foram em casa. O empate com o Nacional faz mais mossa. O de domingo deixou-nos fora da próxima fase, porque o Porto não vai descurar a sua (como é que é?) 5ª competição.
    b) o Sporting que me lembro geralmente quando não ganhava, perdia. Está a mudar... Um ponto é um ponto e o factor psicológico também conta.
    c) mas nunca fomos inferiores, até no Dragão. E na época passada também foi assim, se virmos bem os jogos que fizemos com essas equipas.
    d) acontece o mesmo com Porto e Jackson, o Real com o Cristiano, o Mónaco com o Falcão. E não estou a comparar os jogadores com Montero, mas a importância que têm na produção atacante da equipa.
    e) preço, época natalícia, horário, interesse na competição e vergonha que foi o sábado passado; não estamos fora de qualquer responsabilidade (preço e horário);
    f) também tremeu ao Ghilas, só que este custou 4 milhões por 50% do passe. Ambos vieram para o Sporting de realidades mais pequenas. O Vítor ainda nos vai retribuir os falhanços de domingo.
    g) é a mesma opinião que tenho, também, para Capel e Wilson. Logo existe um problema: não há extremos dignos de serem titulares, talvez Carrillo. Uma das claras limitações do plantel.
    h) os guarda-redes e os centrais. E no jogo a seguir fazem logo auto-golos. Será que o Mexer ainda acha que para o Man United? Nunca tivémos um Brassard, Jorge Silva ou Pedro Roma que nos garantisse algo.

    grande abraço e bom ano!!

    ResponderEliminar
  4. Antes de mais, um bom ano para todos!

    Ora bem, começo por dizer que o objetivo do post era precisamente abrir este debate (ou um debate deste tipo). Uma posição moderada sobre o atual estado do Sporting estará sempre a meio caminho entre o copo meio vazio e o meio cheio (ou melhor, aproveitará sempre algo de um e de outro).

    Tentando ser moderado, o que dificilmente consigo tratando-se do Sporting, seria algo como isto:

    a) Não me preocupa particularmente que não ganhemos há 2 jogos, um foi contra o FCP (mesmo que desfalcado), quanto ao outro, mesmo que fôssemos candidatos ao título (e não somos), é normal que haja uma ou outra escorregadela em casa. Queria ganhar mas sabia, desde o início, que não íamos ganhar os jogos todos.

    b) Subscrevo integralmente o que diz o Cantinho.

    c) Aqui estou a meio caminho entre o meio cheio e o meio vazio. No jogo jogado equilibramos a coisa, mas a verdade é que, por um motivo ou por outro, não ganhamos ao FCP, se não estou em erro, desde o Carvalhal e ao SLB desde a primeira época do Sá Pinto. Seja qual for a competição, parece faltar sempre qualquer coisa (seja eficácia, seja influência, seja o que for).

    d) Uma vez mais, subscrevo o que diz o Cantinho.

    e) Estou mais para o meio vazio, para o qual contribuiu o preço dos bilhetes. Acho que BC tem estado genericamente muito bem, mas bilhetes a 25€ é um sintoma de alguma arrogância relativamente ao atual estado das coisas. Ainda há muito para caminhar antes de se poder exigir estes preços ou enviar e-mails de gosto duvidoso a quem não foi ao estádio ou fazer comunicados a exigir mais dos sportinguistas. Atenção, eu acho que os sportinguistas devem ser chamados a dar mais ao clube. Mas num tom de "contamos contigo" e não num tom de "estás a falhar connosco". Mais: o sportinguista "anónimo" (que não vota, não vai ao estádio, não é sócio, mas é essencial para encher estádios - os outros, como eu ou o Cantinho, estamos lá sempre, mesmo quando estamos em 12º e invariavelmente perdemos jogos) está contente, mas não está eufórico, Também estava contente em Dezembro de 2011 e viu-se o que aconteceu depois. Esse sportinguista está ainda algo expectante relativamente a tudo isto. Temo que BC ainda não tenha compreendido isto: já fez muitas coisas boas mas não chega para um voto de confiança cego das pessoas.

    f) Uma vez mais a meio caminho: a verdade é que as pernas lhes tremem, mas temos que ter alguma paciência.

    g) Claramente para o copo meio-cheio, mas sou suspeito relativamente ao Carrillo. Acho é que este jogo prova que o seu problema é meramente psicológico.

    h) Uma vez mais a meio caminho. Não gosto do discurso do "só contra nós é que" mas às vezes o que parece é. Esse discurso tem uma razão de ser. Vou-vos vender o peixe que me venderam, mas conto uma história de um profissional que trabalhou num clube de meio da tabela, com alguma história no futebol português e que nos últimos anos luta para não descer. Diz ele que nas semanas que antecedem os jogos com os grandes, a atitude dos jogadores é completamente diferente:
    - tratando-se do FCP, a ideia que passa é até de alguma descompressão, uma vez que nem os próprios jogadores acreditam que vão conseguir ganhar;
    - tratando-se do SLB, a motivação está em alta mas há a consciência do enorme feito que seria ganhar ao Benfica;
    - tratando-se do SCP, os jogadores acreditam que é possível ganhar e encaram o desafio como o momento ideal (e possível!) para ganhar balanço para o resto da temporada.

    Isto significa que os jogos são sempre mais difíceis para nós mas também por culpa própria (da mesma forma que serão mais difíceis para o SLB do que para o FCP). É bom que todos nos capacitemos que se isto for mesmo assim, só atingimos o patamar de imagem perante os adversários que tem o (atual) SLB com 3 ou 4 anos consecutivos a mostrar que ganhar ao Sporting é um feito raro e excecional; e só atingimos o do FCP se ganharmos consecutivamente títulos.

    Reitero os votos de bom ano para todos!

    ResponderEliminar