11/11/2013

"O Derby" + Taça = Futebol de loucos

Aquele que é o derby mais apaixonante do futebol português parece que, ao desenrolar-se com o Jamor como objetivo final, ganhou a tendência de acabar em jogos para mais tarde recordar, com muitos golos e absolutamente estonteantes. Este sábado, no Estádio da Luz, mais um jogo louco! Na sequência do post sobre o jogo da Grécia e numa troca de comentários com um adepto do Sporting, arrisquei dizer que tinha tudo para ser um grande jogo e de facto, foi mesmo!

Felizmente não foi necessária a lesão de Cardozo para que Jesus se deixasse levar pelo seu preferido 4-4-2 e assim o Benfica conseguiu ser bastante mais competitivo do que no jogo para o campeonato. A primeira parte foi muito jogada a meio campo, com as tarefas defensivas das duas equipas claramente a superiorizarem-se às acções ofensivas. Dava ideia de que o Sporting chegava mais facilmente com perigo às alas mas depois não passava daí. O Benfica estava bastante pressionante no meio campo mas também não conseguia circular a bola em condições. Só que Cardozo estava particularmente inspirado e a velocidade de Enzo, Gaitán e Markovic fizeram a diferença nos golos do Benfica.



A vencer por 3-1, o Benfica entrou bem na segunda parte e conseguiu uma melhor circulação de bola. Só que lá chegou o já tradicional golo sofrido de canto e o Sporting cresceu para ir atrás do empate. Acredito que, nesta fase, o cansaço do jogo da Champions e a saída de Amorim tenham também contribuído para este crescimento mas mesmo assim, o Benfica teve oportunidades para matar o jogo por Markovic que enviou a bola à barra e Cardozo que fez tudo bem mas não conseguiu fazer o poker. E depois de duas ameaças de Slimani, à terceira e nos descontos forçou o prolongamento (Cavaleiro mostrou toda a sua inexperiência ao fazer uma falta sem a minima necessidade).

No prolongamento, fiquei com a sensação de que o Benfica beneficiou do grande esforço que o Sporting fez em busca do empate e pareceu-me mais forte. O estranho golo de Luisão derrubou praticamente o Sporting, tendo o Benfica ainda falhado vários contra-ataques e duas grandes oportunidades (diria mesmo que a do André Gomes é mais fácil que um penalty!).

Destaques:
- nota elevada para os laterais com André Almeida em bom plano e Sílvio em grande;
- Enzo é simplesmente fabuloso e está no topo das minhas preferências neste plantel. Amorim manteve o nível da Grécia e Matic esteve em grande a partir do intervalo (aquela arrancada no prolongamento...);
- gostei bastante da exibição de Gaitán, especialmente porque se esforçou como poucas vezes vi em jogos não Champions, enquanto Markovic esteve aquém do que esperava;
- super Takuara. Tenho que fazer a vénia e bater na boca pelas vezes em que não gosto de o ver jogar.

Notas finais:
- os responsáveis de marketing do Benfica ainda não perceberam que colocar o hino depois de uma grande vitória é o maior anti-climax que pode haver?! Quebra automaticamente a ligação entre as bancadas e a equipa! Não podem deixar as colunas desligadas?! Percebo quando é para abafar os assobios agora nestes desfechos...;
- não gosto de muito do que as claques fazem mas acho que os cânticos e coreografias são essenciais ao espectáculo futebol. Fiquei perto da claque do Sporting e foram um exemplo de apoio (especialmente no aplauso final à sua equipa). É claro que há uma grande diferença quando se juntam uns milhares largos que vão ver um jogo fora da sua equipa quando comparados com a normal moldura no resto das bancadas mas é inegável que o terceiro anel ainda está de pé atrás e/ou traumatizado;
- no estádio não me apercebi mas no caminho para casa ouvi críticas ferozes do Sporting à arbitragem. Se estava com a ideia de que tinha presenciado mais um jogo fantástico, fiquei logo com o receio de que tudo se desfizesse por erros de arbitragem. E não há dúvidas que Cardozo estava mesmo fora-de-jogo no terceiro golo e que há uma mão de André Almeida na área. Na única repetição que vi do lance de Luisão com Montero fico com a sensação de que o brasileiro ainda toca na bola mas fico com muitas dúvidas. Mesmo com as reservas com que fiquei relativamente à posição de Montero no golo do Sporting e à falta que Cavaleiro supostamente fez aos 92 minutos, só posso dizer que me tirou praticamente o sabor desta vitória...

3 comentários:

  1. Sou sportinguista e na minha opinião não é motivo para te tirar o sabor da vitoria porque o jogo foi tal e qual como o relataste e apesar de achar que o jogo devia ter terminado com 1 empate a vitoria a cair para 1 dos lados é justo que seja para o vosso, o benfica individualmente é muito superior a nós e isso sentiu-se nos inacreditáveis erros defensivos que cometemos.

    Duarte Gomes é 1 porco do pior desde o famoso penalty de Jardel a mais de 10anos que tem somado erros atrás de erros contra o Sporting, no tempo de PB deu-se ao luxo de dar uma peitada no treinador de GR do SCP, ainda há pouco tempo fez comentários a gozar com os Sportinguistas por terem eleito Godinho Lopes a presidente... triste futebol este que mesmo com tantos situações ainda temos de continuar a levar com este gajo a apitar jogos do nosso clube.

    ResponderEliminar
  2. Já agora uma peq analise aos lances polémicos: Para mim são os 2 penaltys claros, os fora de jogo são milimétricos por isso beneficio da duvida para o fiscal de linha, no golo do luisao rojo parece fazer penalty e ia para a rua mais cedo mas o lance nasce de uma irregularidade porque Silvio executa mal o lançamento.

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Gorbyn,

    Quando postar irei mais ao detalhe mas estou basicamente de acordo com a análise do Ace XXI. Creio que não te apercebeste porque a arbitragem só foi tendenciosa nos 5 lances de difícil análise em que apenas 1 foi decidido a favor do Sporting (parece-me que bem decidido, por sinal). Nos restantes 4, a decisão favoreceu o Benfica, sendo que num deles a decisão é certíssima - a bola entrou mesmo no golo do Luisão - e noutro - o terceiro golo - percebo que seja difícil o fiscal de linha marcar o fora-de-jogo (curiosamente, à semelhança do lance do Montero em Alvalade). No restante tempo de jogo, até foi uma boa arbitragem. Ao contrário do que sucedeu o ano passado com o Capela, em que efetivamente o campo parecia estar "inclinado".

    A claque do Sporting não podia mesmo deixar de aplaudir a equipa: a alma revelada na segunda parte foi qualquer coisa de sensacional. Pela alma, não merecíamos perder; pelo futebol, admito que era o Benfica que não merecia perder. Só espero duas coisas: que o Sporting revele sempre esta alma e evolua no seu futebol, em particular defensivamente (o Cardozo marca dois golos completamente sozinho, nem nos treinos deve ter lances tão fáceis).

    Abraço

    ResponderEliminar