11/11/2013

A Alma ainda não chega para tudo

Vamos começar pelos pontos polémicos para os tirar já do caminho:

1. A arbitragem de Duarte Gomes, em geral, foi equilibrada. Para mim, uma arbitragem tendenciosa é aquela em que se percebe desde o primeiro minuto que o campo está inclinado e ao longo do jogo os critérios técnicos e discplinares (principalmente estes) vão dando a entender que uma das equipas está a jogar em Villabajo e que o adversário é que joga em Villarriba. O exemplo é a de Capela na Luz no ano passado: o único lance em que "condescendeu" connosco foi uma entrada de Viola sobre Maxi, para vermelho, em que deu amarelo (lance, aliás, que nem devia ter acontecido porque o Maxi devia ter sido expulso algumas 3 vezes antes disso). Não foi isso que aconteceu no Sábado: não fossem os lances abaixo referidos, e nem teríamos dado pelo árbitro.

2. Isto dito, nos 5 lances polémicos do jogo, o árbitro, entre boas e más decisões, decidiu 4 vezes a favor do Benfica e apenas 1 vez a nosso favor:
- não me parece que o Montero estivesse fora-de-jogo (boa decisão);
- o Cardozo estava fora-de-jogo no lance do terceiro golo, mas é quase impossível detetar o lance (decisão aceitável face ao critério de, na dúvida, deixar jogar - mas espero que acabem de vez as referências ao golo do Montero em Alvalade...);
- o penalty sobre o Montero parece-me penalty (má decisão);
- o penalty do André Almeida é claramente penalty (má decisão);
- no 4º golo do Benfica, a bola entra claramente na baliza (boa decisão).

3. Em "defesa" do árbitro, posso dizer o seguinte: nos lances em que pôde contar com a ajuda do fiscal-de-linha, decidiu bem ou de forma aceitável; quando os lances foram no lado contrário ao do fiscal-de-linha, decidiu mal. Por isso mesmo, custa-me mais aceitar o lance do Montero com o Luisão. Ou viu e não quis marcar (acho que isto se pode dizer, certo JJ?) ou teve uma perceção incompreensível (a meu ver) do lance. No lance da mão do André Almeida, admito, pela filmagem feita pela linha de fundo, que o ângulo de visão do Duarte Gomes não fosse o melhor.

4. Em suma, acho que o Duarte Gomes não fez uma arbitragem tendenciosa e não sei se o objetivo era o de prejudicar o Sporting nesses lances. Mas lá que prejudicou, disso não tenho dúvidas. O que não significa que o Duarte Gomes tenha culpa das entradas a destempo do Marcos Rojo, por exemplo. Significa, apenas, que ainda não recuperámos um estatuto que nos permita discutir de igual para igual este tipo de lances polémicos...

Adiante, agora, para o que mais interessa: o Benfica revelou que está a jogar mais do que no início da época, é verdade, e que tem mais futebol do que o Sporting; mas o Sporting revelou uma Alma imensa. Não é qualquer equipa que, a perder 3-1 ao intervalo, na Luz, depois de sofrer dois golos em 5 minutos, à beira do intervalo, faz o que o Sporting fez na 2ª parte. Foi uma exibição que nos encheu a todos de orgulho, não necessariamente pela qualidade do futebol apresentado (embora tenha havido momentos interessantes), mas pela postura e pela atitude.

O Benfica recuou linhas? É verdade, mas o Sporting aproveitou bem esse recuo e impôs o seu jogo. Pressionou forte e criou alguns lances complicados. E mais: quando o Slimani entrou (e eu até achei que era demasiado cedo) a equipa não se desequilibrou. Claro que deu mais espaços e o Benfica aproveitou alguns lances para criar perigo (valeu aí Patrício a manter o jogo vivo perante Cardozo) mas foi para cima do adversário com enorme coragem e enorme convicção. Senti orgulho daquela equipa e disse-o momentos antes de marcarmos o 3-3.

Foi uma equipa. Algo que não via há muito tempo, porventura desde o meu "amado" Paulo Bento. Consciente das limitações mas convicta das suas ambições. Uma equipa com Alma. Desta vez não chegou, mas se a Alma for sempre a mesma, lá chegaremos.

Destaco pela positiva:

Adrien foi enorme, foi aquele médio que estou aqui farto de dizer que nos faz falta (jogador que mexe com o jogo da equipa) e que ele pelos vistos consegue ser. Consiga encontrar a consistência que lhe falta e nem o Paulo Bento se atreverá a não o convocar.

William foi menino na primeira parte (aquele lance do 1-3...) mas na segunda foi um senhor. Sempre no caminho da bola, sempre no sítio certo, desarmou inúmeros adversários e recuperou inúmeras bolas. Um campeão.

Montero fez um jogo esforçadíssimo, tentou inúmeras vezes vir buscar o jogo, mas quando não marca a imprensa dá-lhe nota negativa. Discordo. Fez o que pôde e o que não pôde. E inventa uma jogada no golo de Capel, aquilo tinha tudo para não dar em nada.

Maurício pôs em campo uma atitude diabólica na 2ª parte. Não esqueço a 1ª parte aos papéis nem alguns erros de abordagem aos lances, mas prefiro louvar a postura com que encarou a 2ª parte. Levou o amarelo pela sucessão de faltas (mais do que justo) mas não deixou Cardozo jogar (entre lances ganhos e perdidos, válidos e em falta). E a forma como festeja o golo, incentivando os adeptos, é de jogador "da casa". Para quem chegou agora, estou a gostar.

Slimani entrou motivadíssimo, mesmo depois de perceber que em princípio não será mais do que a solução de emergência da equipa. Depois das "bocas", em 2 jogos, 2 golos. Fossem todos assim. E ainda desperdiçou, com algum azar à mistura, outros 2 golos, um deles já cantado (por mim, pelo menos).

Os adeptos estiveram magníficos todo o jogo e, em especial, após o 3-4. Com o estádio em euforia, na TV só se ouvia "até morrer, Sporting allez".

No Benfica, destaco as boas exibições de Sílvio, Enzo, Ruben Amorim, Gaitán e do irritante paraguaio que ainda não percebeu que tem é que marcar ao FCP, algo que raramente faz, e deixar-nos em paz (e a propósito: eu não dizia que era melhor resolver mal mas resolver do que tomar uma não-decisão?).

Pela negativa:

Rojo condiciona o jogo com duas faltas desnecessárias. A primeira dá o 1º golo do Benfica (já vamos falar de barreiras...), a 2ª dá a expulsão e mata qualquer possibilidade de fazer a pressão final que tínhamos feito nos 90 minutos (e que até tinha dado bons resultados). Tenho-o defendido como ninguém, mas começa a ser demais... E isto sou eu: nem quero imaginar o que o Cantinho do Morais pensa de tudo isto.

Jefferson esteve muito apagado e a equipa ressentiu-se da sua inibição ofensiva. Claro que ter um Gaitán ou um Markovic é diferente de ter um Heldon ou um Sami, mas ainda assim parece-me que é mais uma questão de reaquisição de ritmo pós-lesão do que outra coisa. Precisamos do Jefferson do início da época.

André Martins esteve apagadíssimo. É verdade que saiu quando me parecia estar a subir de rendimento mas rendeu muito pouco todo o jogo. Não será por acaso que a quase unanimidade dos adeptos pede um central e um 10 para Janeiro. Atenção!, eu não peço: eu peço que se aposte nos que temos, foi isso que nos foi dito este ano. E há o Vítor que, verdadeiramente, só teve uma oportunidade séria até agora. Quanto ao André, mesmo com o tema que referi no meu último post, tem que fazer muito mais.

Patrício anda com um problema com as barreiras. No jogo com o Marítimo foi o que foi, agora isto. Claro que os jogadores saltam sempre e o Cardozo não fará aquilo muitas vezes. Mas não podemos sofrer um golo de livre direto em dois jogos consecutivos. Depois, faz uma exibição muito segura até se deixar adormecer no lance do 3-4, num lance que custa mesmo muito a digerir...

No Benfica, duas notas:
- faltaram pernas, é verdade, porque o Benfica andou pela Champions e nós não... mas faltou mais qualquer coisa para segurar o jogo na 2ª parte. O Benfica do ano passado ganhava por 4-1 (e se fosse o Sporting do ano passado seriam mais do que 4), nunca sofria dois golos na 2ª parte. Há algo que continua a não estar bem.
- uma equipa que sofre 2 golos de bola parada do Sporting, tendo uma média de altura muitíssimo superior (os cumprimentos no início do jogo demonstravam os pini-pons contra os gigantones de Torres Vedras), merece descer de divisão.

***

A Taça já foi, mas o Sporting cai de pé. Espero que os efeitos psicológicos desta derrota sejam abafados pela lembrança do que foi a 2ª parte. E que o Sporting tenha nos meses mais difíceis da época (Novembro, Dezembro e Janeiro) a capacidade para manter esta atitude e evoluir defensiva e ofensivamente. Garantir o 3º lugar e este ano, excecionalmente, porque estamos fora da Taça, não temos UEFA e não somos candidatos ao título, tentar fazer uma gracinha na Taça da Liga.

PS: Só lembrar que o próximo duelo para a Taça com o Benfica é nosso: sempre com grande jogos, andamos a alternar nos últimos 20 anos (1-3 na final de 96, 3-1 em 2000, 3-3 e penalties em 2005, 5-3 em 2008, agora 3-4). O próximo é nosso. Escrevam. Quanto ao Porto, lá vai ganhando, como habitualmente, com os seus jogos chatarrões. Um dia a festa acaba...

13 comentários:

  1. Koba,

    Penso que neste momento o nosso melhor meio-campo e ataque até seria constituido por:

    ------- William
    Wilson Adrien Capel
    ------ Montero
    ------ Slimani

    Discordo do que dizes do Jefferson. Não o achei mal no ataque, pois apoiou quando pode. O problema do Jefferson foi mesmo na defesa. Não fez coberturas devidas em muitos lances (se o Patricio não tem salvo aquele golo feito do Cardozo, era mais um em que ele tinha responsabilidade direta).

    ResponderEliminar
  2. Bem lembrado esse lance do Cardozo, sim senhor. Muito má abordagem ao lance e péssima reação.

    Ofensivamente, na 2ª parte, acompanhou a subida da equipa. Mas na primeira parte não existiu (nem ele nem o Capel, by the way). E do Jefferson habituei-me a esperar mais.

    Quanto ao Wilson... se o problema do Carrillo não é de atitude (e o Jardim sabê-lo-á melhor do que nós), quem tem que jogar é o Carrillo. O treinador tem que passar uma mensagem para fora clarificando que o problema não é de atitude. E se assim for... temos que ter paciência. Se o problema for atitude, OK que jogue o Wilson.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu prefiro jogar com o Wilson de inicio porque da mais consistencia à equipa e tem um numero de assistencias para golo muito bom. Depois, na 2ª parte se precisarmos de arriscar, então sim meteria o Carrillo.

      O meio campo do meu 1º comentário parece-me mais equilibrado defensivamente e ofensivamente.

      Eliminar
  3. Com o teu meio-campo um Wilson faria mais sentido do que um Carrillo, percebo a ideia

    Mas não estou totalmente convencido que seja possível ter em todos os jogos o William e o Adrien da 2ª parte da Luz

    Ainda estou convencido com o 4-3-3, sendo que não percebi porque não se deu nova oportunidade ao Vítor (não é por um jogo menos conseguido, ainda para mais à primeira oportunidade, que se tira um jogador de uma equipa)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Posso concordar contigo, mas nos jogos em Alvalade, onde irão quase todas as equipas andar com 2 autocarros em frente à baliza prefiro o Slimani logo de inicio e o Montero a fazer de 10.

      Eliminar
  4. Koba,
    Não consigo ser tão benevolente com Duarte Gomes. Quando chegou a hora e as ocasiões para tomar as decisões mais dificeis vacilou. Se revir o momento do Luisão/Montero percebe-se a dúvida e incomodidade.

    Gosto do Piris mas não posso concordar com o dumping feito ao Cédric. Já tive a idade dele e não imagino como se convive em poucas semanas com a hipótese de ter a 1ª internacionalização A e de repente ficar na bancada. Logo depois de um bom jogo com o Maritimo. Mas LJ deixou muita gente feliz, lá isso deixou...

    Concordo com o que é dito sobre o Adrien, que além de ter que fazer o dele ainda tem que andar a limpar o que o William deixa pelo caminho. Mas não temos muitos seguidores, aposto

    William de facto subiu muito na 2ª parte mas isso deveu-se muito mais ao espaço que dispôs então à sua volta do que mérito próprio. William tem muita dificuldade em ocupar os espaços, em pressionar e em recuperar a bola. Já com ela nos pés é uma delicia. Quem sabe não se pudesse fazer uma transfusão do Rinaudo...

    A nossa dupla de centrais é fraquinha mas como dizer mal de Mauricio, se este tem o Rojo ao lado e deve ganhar para aí 10% do argentino? Mesmo que ele vá ao Brasil será muito dificil despachá-lo porque nem toda a gente anda a dormir.

    Sobre as opções de Jardim devo dizer que me desapontou em algumas decisões. Quando Amorim sai e entra Cavaleiro pensei que teríamos chance em explorar a maior tracção à frente do SLB, procurando vantagem numérica no meio-campo e explorando mais os espaços interiores com as movimentações de Montero. Mas a verdade é que ainda conseguiu chegar ao empate (em bolas paradas não jogo corrido...) e quando assim é...

    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Leão de Alvalade,

      " William tem muita dificuldade em ocupar os espaços, em pressionar e em recuperar a bola. Já com ela nos pés é uma delicia. Quem sabe não se pudesse fazer uma transfusão do Rinaudo..."

      Eu até aceitaria que o Leonardo, nos jogos mais dificeis metesse um meio-campo com o William, o Rinaudo e o Adrien para colmatar precisamente esse défice.

      Eliminar
    2. Agora, depois de visto o jogo, não duvido que Rinaudo teria dado imenso jeito. Aliás fez um jogão enorme o ano passado no mesmo local, se não estou em erro.

      Eliminar
    3. Leão, nem comentei o tema Cedric por um motivo - estive todo o dia de Sábado sem acesso a qualquer informação sobre o derby e assisti ao jogo sem prestar muita atenção aos comentários. Acresce que, tanto quanto me apercebi, ninguém comentou o tema no pós-jogo (nem sequer terão perguntado ao Jardim sobre isso na conferência de imprensa, pelo menos na parte em que vi). Ou seja, nem sabia que era um tema, assumi naturalmente um qualquer impedimento (lesão, por exemplo). Se nada há que justifique a viagem do Cedric para a bancada, subscrevo integralmente as suas palavras.

      No demais:
      - não diria que sou condescendente com o Duarte Gomes mas se o pareço tal deve-se aos motivos que expliquei. Tanto tecnica como disciplinarmente manteve um critério que me pareceu equilibrado. Errou nesses lances e são erros graves. Sobre os quais, aliás, disse que "ainda não recuperámos um estatuto que nos permita discutir de igual para igual este tipo de lances polémicos". Ou seja, não digo que tenha visto e não tenha querido marcar; mas digo que para o Duarte Gomes e outro qualquer árbitro marcar um penalty num prolongamento no estádio de Alvalade é muito mais fácil do que fazê-lo na Luz, isso digo.
      - quanto ao William, temos que esperar que continue a evoluir. Há um aspeto em que não concordo consigo (mas sou suspeito porque sou um anti-Rinaudo primário em crescendo desde janeiro de 2012): por favor não deixemos que ocorra uma transfusão do Rinaudo para o William na ocupação dos espaços. No resto, tudo bem.
      - o que faria, tirava o Capel para entrar o Vitor? Pensei nisso também, para controlarmos totalmente o meio-campo, mas na realidade o Mané (sem grande sucesso nas iniciativas individuais, é verdade) acabou por mexer com o jogo.

      Abraço!

      PS: Mike, Rinaudo num jogo como o de Sábado dificilmente acabava o jogo...

      Eliminar
  5. O Benfica começou a ser campeão quando deixou de ter Argel, João Manuel Pinto, Tahar, Machairidis, Paulo Madeira, José Soares, Ronaldo, Bruno Basto, Sergio Nunes, Rojas, Fernando Meira, Escalona, Dudic, etc, como defesas.

    O Sporting foi campeão e teve excelentes momentos defensivos quando teve Naybet, Marco Aurélio, Vujacic, André Cruz, Babb, Polga, Caneira, Rui Jorge e Beto.

    No entanto, parece que gosta de manter (e a jogar) o Gil Baiano, Nené, Gladstone, Torsiglieri, Vinicius, Balajic, Saber, Quim Berto, Hugo, Dimas, etc.

    Ainda bem que o Mike recordou o lance do Cardozo com o Jefferson (por onde entrou o 2º golo do Cardozo?). Lástima... Voltou aos tempos do Inatel que eu bem vi nos jogos de apresentação. Só que a forma como ataca vai tapando alguma coisa. Mas nestes jogos...

    ResponderEliminar
  6. Koba,
    pensei nessa possibilidade (sair Capel, entrar Vítor)
    Pensei também em manter William, Martins, Vítor e Adrien com Carrillo e Montero na frente, embora a forma de Carrillo desse mais sentido a Slimani.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostaria muito de ver o Carrillo nesse papel e acho que pode resultar nalguns jogos. Mas não creio que o Jardim o experimente. É das poucas coisas que vou gostando menos no Jardim, é um pouco previsível. Até tem resultado mas todos os adversários já perceberam que ali aos 65 minutos se estamos a perder entra o Slimani e passamos a jogar mais direto.

      Eliminar
  7. Cantinho, percebo perfeitamente o que dizes e num momento normal estaria de acordo. Mas este não é um momento normal, é um momento de desinvestimento e compras nos saldos. Não vamos assim tão depressa conseguir um Luisão, um David Luiz ou um Garay. Mas se calhar podemos ter ou até já temos um Maxi Pereira que disfarça as limitações se enquadrado num setor defensivo que funcione.

    Aliás, nos jogadores do Benfica que referes tens o Fernando Meira, por exemplo, que integrado num bom quarteto em 2006 fez um ótimo mundial. Por outro lado, nos do Sporting tens o Babb ou o Rui Jorge que não eram jogadores perfeitos, longe disso (o Rui Jorge tinha bastantes limitações defensivas) mas com um patrão como o André Cruz tudo se disfarçava.

    Ou seja, temos um problema, sim, mas não diria que o Sporting "gosta de manter" esses artistas. Diria que hoje não tem grandes alternativas e que essencialmente não tem um patrão na defesa (pode ser que o consiga formar... mas para isso temos que tirar o central que queremos vender após o Mundial 2014, o que é complicado). E que o Jefferson tem que ser analisado como parte daquele setor defensivo (nomeadamente, como sendo o tipo que é acompanhado à esquerda pelo Marcos Rojo...), trinco incluído. No terceiro golo o William perde infantilmente a bola com a equipa toda balanceada para a tentativa de empate (o que demonstra imaturidade e uma total desorganização coletiva).

    Enfim, percebo a revolta mas temos mesmo que ser pacientes...

    ResponderEliminar