28/10/2013

Mais equipa, mais futebol e mais sorte


Feita a homenagem ao grande Lou Reed, passemos então ao clássico de Domingo, começando por dizer que o Sporting fez uma boa segunda parte e que, se tem aproveitado duas boas oportunidades de golo, por Montero e Capel (a primeira delas escandalosa), poderia muito bem ter posto o Porto em sentido. Aliás, o Dragão não tremeu no Domingo porque o Porto marcou o segundo golo logo a seguir ao golo do empate, o que tranquilizou a equipa e permitiu controlar o jogo. Ainda assim, o Porto teve que sofrer entre o segundo e o terceiro golo e momentos houve em que ficou acantonado no seu meio-campo a ver o Sporting jogar. Fraco consolo para quem, como eu, acreditou que ia ganhar o jogo quando William marcou o golo do empate.

Numa análise fria, creio que foram três os fatores que decidiram o clássico:

1. Mais equipa - o jogo de Domingo revelou, na minha opinião, que o Porto tem de facto mais equipa do que o Sporting. O Sporting tem ainda algumas limitações que foram evidentes ao longo do jogo. Não me refiro a maus jogadores ou jogadores sem nível para jogar no Sporting, não é disso que se trata. Refiro-me ao tal "plus" de que venho falando há uns tempos e que neste tipo de jogo se nota que vai faltando:

a) A defesa do Porto é de altíssimo nível, basta que o treinador não invente com Fuciles ou Maicons. Os laterais são muito bons, Otamendi tem pormenores de grande categoria e Mangala, quando controla o ímpeto, impõe-se naturalmente pela presença física, sem necessidade de distribuir fruta a torto e a direito. Juntou-se ainda um Helton muito inspirado. No Sporting, Cedric fez um jogo algo a medo (terá ficado afetado pela situação na seleção) e a precipitação de Maurício pôs o Sporting a perder aos 10 minutos. Detalhes que fazem a diferença num jogo destes

b) O meio-campo, não sendo genial, tem um Fernando em boa forma e um Lucho que, apesar de tudo, ainda vai fazendo a diferença. No Sporting, William demonstrou que tem categoria acima da média, mas Adrien continua a falhar inúmeros passes e Martins continua algo desinspirado.

c) No ataque, Varela fez dos melhores jogos que lhe vi fazer pelo Porto, enquanto que Jackson, sem marcar ou ter uma oportunidade sequer, participou muito no jogo coletivo da equipa. Já Wilson Eduardo não conseguiu segurar uma bola, Montero desperdiçou a única boa oportunidade que teve e Carrillo continua, nos grandes jogos, a ter medo de partir para cima do adversário.

Em suma, reconheço que, por ora, o Porto ainda vai tendo mais equipa do que o Sporting.

2. O Porto teve também mais futebol. Em resultado de ter mais equipa, claro, mas também porque, mesmo considerando diferenças de detalhe que cada treinador impõe, o esquema do Porto é o mesmo de há muitos anos. Pode correr melhor com Villas-Boas e pior com Fonseca porque há sempre algo que resulta de opções de cada treinador, mas há uma base e um estilo que estão lá e que os jogadores mais antigos conhecem e os mais novos apreendem rapidamente. Da mesma forma que, com as devidas distâncias, Guardiola e Vilanova e Martino são diferentes, mas o estilo está lá. No Porto acontece o mesmo. E qualquer treinador pode aproveitar essa base ao invés de começar do zero.

3. Por fim, o Porto teve mais sorte. Não desconsiderando os méritos e deméritos dos jogadores, há lances decisivos em que o Porto teve sorte. O timing do golo de Danilo é perfeito, não poderia ser melhor. E o lance de Montero, sem tirar mérito a Helton, será golo em 90% dos lances de que Montero disponha em idênticas condições (não porque outros GRs sejam piores do que o Helton, mas porque o Montero dificilmente deixará de cabecear de cima para baixo, por exemplo).

Uma nota ainda para a arbitragem, que considerei impecável.

Quanto a nós: foco nos objetivos. Terceiro lugar ao alcance, manter a rota e continuar a crescer. Para o ano, mais consistentes, e a jogar da mesma forma, certamente não nos deixamos bater.

21/10/2013

Sporting x Alba, Portugal x Suécia

Sporting x Alba

O jogo esperado, goleada das antigas a uma equipa dos distritais. O golo sofrido era dispensável, mas deu para que os esforçados rapazes de Albergaria-a-Velha fizessem a festa.

No conflito "rotina" (e ritmo) vs "oportunidade" (e motivação) acabou o primeiro por ganhar. Poderia não fazer sentido rodar toda a equipa, mas correr o risco de perder Adrien ou Montero num jogo destes era desnecessário. De qualquer modo, percebo a opção, foi muito tempo de paragem.

E deu para experimentar os dois PL, algo que só mesmo um jogo destes permitiria experimentar.

Portugal x Suécia

Ou Ronaldo x Ibrahimovic. Essencial a presença de ambos para as respetivas seleções: se Ronaldo não jogar, passa a Suécia; se Ibrahimovic estiver ausente, passa Portugal.

Jogamos primeiro em casa, o que permite, com um jogo sério e em que tenhamos a capacidade de nos superar, determinar como se joga a eliminatória. O clássico dichote do "ganhar sem sofrer golos" aplica-se aqui. Mas perfeito mesmo seria encarar o jogo de cá para resolver tudo, como se não fosse necessário viajar até à Suécia.

Espero que, desta vez, Paulo Bento esteja à altura dos acontecimentos. E que perceba que os dois anteriores play-off com a Bósnia resultaram de uma série de anormalidades - o normal, num play-off, é ter um lote de equipas deste nível. Isto para dizer que a imbecilidade de lutar para o play-off, como se houvesse sempre Bósnias, Eslovénias e Estónias ali à nossa espera, tem que acabar. Mas disso falaremos depois.

Por agora, que ninguém se iluda: com muito boa vontade, é 50/50. E a Europa do futebol não ficará minimamente chocada se passar a Suécia.

16/10/2013

Rapidamente

Este estava na forja e só agora o consegui lançar, quase sem editar.

Rapidamente, é assim:

França - vamos de vela.

Suécia - corremos o sério risco de ir de vela, mas se nos excedermos podemos ir ao Brasil.

Roménia - pode ser complicado, mas vamos ao Brasil.

Islândia - vai ser bem mais difícil do que pensamos, mas lá acabaremos por ir ao Brasil.

De notar que evitamos a Grécia (íamos de vela seguramente, simplesmente não conseguimos ganhar aos gregos), a Croácia (complicadíssima) e a Ucrânia (apesar de tudo mais acessível), no lote de equipas no play-off mais forte de sempre, como aliás se antecipava.

Palpite: vai-nos calhar a Suécia.

13/10/2013

Comunicado não oficial

O Sporting Clube de Portugal quer comunicar, através do Futebola3, que irá instaurar um processo disciplinar ao jogador Rui Patrício, pelos seguintes motivos:

1. Ter manifestado o seu desagrado relativamente às opções do selecionador nacional ao minuto 85 do jogo com Israel. Este tipo de manifestação deve ter lugar dentro do balneário. Além do mais, todas as opções do selecionador são mais do que compreensíveis:
- Cedric Soares é a 29ª opção para defesa direito, o que faz sentido. Para além de João Pereira, Sílvio, Miguel Lopes e André Almeida, Portugal tem ainda, entre outros, Tony do Paços de Ferreira, Luís Filipe do Olhanense, isto para não referir Júlio Miguel do Rebordosa. Todos foram ponderados pela SAD do Sporting para o lugar de Cedric;
- André Martins é a mascote da seleção, o que muito orgulha o Sporting. A França tem o galo, Portugal o André Martins. Não faz sentido que jogue, ou sequer saia do banco, quando há o génio de um Ruben Micael ou o talento salivar de um Josué (prémio merecido esta internacionalização, com aquela pontaria na arte de bem cuspir... o André com a mania de que é um jogador sério e de caráter não vai longe).
- não faz sentido convocar Adrien pelas razões inversas às mencionadas no anterior post do futebola3 (um texto lamentável e de que o Sporting se distancia). O Sporting apenas lamenta as opções do treinador do FCPorto: a dispensa de Castro retirou uma opção mais ao selecionador (isto para não referir o descaramento que foi mandar Licá para o banco quando Paulo Bento se preparava para lhe dar o lugar de Nani).

2. Atrever-se a atuar pela seleção nacional enquanto mantém um contrato com o Sporting Clube de Portugal. Resulta óbvio que a FPF e o selecionador nacional pretendem excluir da seleção quaisquer jogadores do Sporting Clube de Portugal, principalmente os que sejam titulares indiscutíveis numa altura em que o clube até vai ganhando e jogando razoavelmente. A oportunidade deve ser dada em carpete vermelha às segundas opções do Braga. Se não for possível, a jogadores que, se dependesse do Cardozo, seriam titulares sim, mas do Futebol Benfica. Rui Patrício tinha a obrigação de simular uma lesão ou, por exemplo, sacar um castigo agredindo um polícia na suposta defesa de um adepto (espera, esta não é punível...). Ou então de se assegurar que Israel empatava o jogo para o selecionador cumprir finalmente o seu propósito de excluir da seleção jogadores do Sporting, chamando para GR valores seguros como Rui Rego ou mesmo Rui Nereu (bem vistas as coisas, Rui, acho que percebemos que fizeste um favor ao Paulo Bento e vamos voltar a ponderar o processo disciplinar).

10/10/2013

So pode ser deboche, certo?

Custodio chamado para substituir Raul Meireles.

Convira lembrar que o Adrien:
- ocupa precisamente a posição do Raul Meireles, tendo alias a valia que o Meireles tambem oferece de poder jogar igualmente a trinco
- ja foi treinado pelo Paulo Bento, que alias o lançou na equipa principal do Sporting (se não me engano) tendo jogado variadissimas vezes a trinco
- tem ja consideravel experiencia: vai para a 5ª ou 6ª epoca de senior na I Liga
- pode oferecer a equipa uma versatilidade e uma qualidade de passe que o Custodio nunca poderia oferecer.

No entanto, para substituir o Raul Meireles (cujo lugar cativo na seleção não me canso de questionar), e chamado o Custodio, que nunca podera ser mais do que trinco (ponto final), que esteve a beira da venda/dispensa no Braga e que não tem jogado nada de especial.

O Adrien, titular indiscutivel no Sporting, que e 2º no campeonato, ainda não perdeu e (com exceção do jogo contra o Rio Ave) tem feito um inicio de epoca muito positivo (o que se aplica tanto ao Sporting como ao proprio Adrien, o que podera ser mais do que mera coincidencia), fica novamente de fora, criando-se a ideia que so um cataclismo o pode conduzir a uma chamada a seleção.

Se fosse chamado o Manuel Fernandes ou mesmo o Paulo Machado, eu poderia contestar a escolha mas não o criterio. Assim, confesso que não percebo mesmo. Ou ate percebo, mas gostaria de não perceber.

08/10/2013

Ainda o jogo de Sábado...


... mas só mesmo para bitaitar algumas ideias:

1. A primeira parte parecia indiciar um jogo difícil, como eu esperava. O Vitória de Setúbal deste ano tem uma boa equipa do MC para a frente. Estando certinho defensivamente, o jogo seria complicado. Mas aquele erro que o Montero aproveitou com muita categoria desbloqueou o jogo. E o Sporting aprendeu com o erro cometido contra o Rio Ave e entrou na 2ª parte à procura do 2º golo e não na expetativa de o conseguir. Pode parecer igual, mas é completamente diferente.

2. Essa, aliás, a maior virtude de Jardim: a capacidade de corrigir rapidamente com os erros e fazer a equipa evoluir. O futebol da equipa do Sporting pode não ser fantástico, mas a meu ver vai evoluindo positivamente. Atenção, de qualquer forma, à capacidade que as equipas estão a ter para nos bloquear em Alvalade. Nos dois últimos jogos em casa, marcámos primeiro mas com erros individuais gritantes que não vão acontecer em todos os jogos.

3. Gostei de ver quase todos na nossa equipa, embora me pareça que vou acabar por perder a tal aposta relativa ao Wilson Eduardo (7 golos no campeonato ou 10 em toda a temporada), porque efetivamente o Wilson está a apagar-se aos poucos. Como ontem ouvi alguém dizer na TV (não me lembro quem nem onde), o Wilson parece um jogador "tímido". Tem que assumir mais o jogo e assumir os lances com mais confiança. Destaques, de qualquer forma, para o inevitável Montero, para o William Carvalho (bom jogo), para o Adrien da 2ª parte e para o Carrillo que, como disse na semana passada, pode não fazer tudo bem, mas tem tomado sempre ou quase sempre as decisões mais corretas. Desta vez, começou e acabou a grande jogada do 2º golo e partiu toda a defesa do Vitória na jogada do 3º.

4. A contratação do Piris parece agora fazer mais sentido, na medida em que o jogador, ao contrário do que eu pensava, tanto joga à direita como à esquerda (algumas dificuldades defensivas na primeira parte, ainda assim). Bem sei que isso me foi dito nalguns comentários feitos aqui na altura da contratação mas do que li, também nessa altura, nos OCS, ninguém referia esta polivalência. Conclusão: tenho que começar a confiar mais nos meus comentadores do que nos OCS!

5. Um penalty duvidoso (porque me parece claro que o Maurício está a puxar o Cohene) quando já vamos em 3-0 e antes de visitar o Dragão é sempre de desconfiar...

6. Percebo o despedimento do José Mota, não pela derrota em Alvalade mas pelo facto de o Vitória ter uma equipa acima da média (se considerarmos os adversários do "seu" campeonato e as equipas do Vitória de épocas anteriores) que está em antepenúltimo. Sucede que a equipa não tem solidez defensiva, o que é essencial para quem está na luta da manutenção. O José Mota pôs a equipa a jogar um futebol agradável, de que são exemplos o jogo com o FCP (que perdeu com manifesto azar) e o jogo de Guimarães (ninguém ganha 4-1 em Guimarães sem jogar futebol), mas de facto a defesa é frágil. Fala-se de Sá Pinto como sucessor, mas acredito mais noutro ex-treinador do Sporting, Paulo Sérgio. Espero que corra bem porque o Vitória, este ano, depois do que vi a equipa fazer com o FCP (depois de uns bons 20 anos a incomodar o Benfica e o Sporting e a ser sucessivamente goleado em casa pelo FCP), tem a minha simpatia.

7. O Braga continua a dar tiros nos próprios pés, os rivais históricos prosseguem na tentativa de se encontrarem. Mais próximo o FCP agora que enquadrou o Herrera (às vezes também acerto uma ou outra!) do que o Benfica onde os problemas são de facto mais profundos.

8. Vamos ao Dragão daqui a 3 semanas mas há muito tempo para falar disso. Antes temos os jogos decisivos da seleção e um jogo para a Taça contra o modesto Alba, onde espero que se faça alguma rotação e sejam dados minutos a Marcelo, Dier, Rinaudo, Vítor e Slimani, assim como oportunidades a alguns jogadores da equipa B. Na seleção destaque para a presença de Cedric, ainda que motivada por uma série de infortúnios (João Pereira, Miguel Lopes, Sílvio). Espero que agarre o lugar e mostre que lá merecia estar independentemente dos azares de outros.

ADITAMENTO - Desta não estava minimamente à espera: Couceiro é o novo treinador do Vitória.

07/10/2013

Minha querida paragem

O Benfica apenas pode agradecer esta paragem prolongada e o facto de apenas voltar à competição "a sério" a 23 de Outubro no jogo para a Champions. E esta vitória na Amoreira foi o balão de oxigénio que permite ao Benfica continuar a respirar. Uma perda adicional de pontos nesta jornada iria certamente minar a réstia de confiança que ainda subsiste quando a dupla e fundamental jornada europeia contra o Olympiacos se avizinha enquanto que para o campeonato deixaria tudo muito mas mesmo muito complicado. Sendo assim, pelo menos nisto concordava com alguém da direcção do Benfica: o Benfica precisava vencer, jogando bem ou jogando mal, mas tinha que vencer. Sendo assim, jogou mal mas venceu!



Principais notas (porque tenho tanta vontade de escrever sobre este jogo quanto a equipa teve para fazer uma boa exibição):
- finalmente Jesus colocou Matic e Enzo nas posições certas. Já não falta tudo;
- Enzo continua a ser o único jogador imune à depressão;
- as lesões sucessivas continuam a surgir. Mas que merda de preparação física se anda a fazer? Depois de Fejsa agora foi a lesão muscular de Markovic;
- Maxi continua a travessia no deserto e voltou a ter a companhia de Rodrigo;
-  é impressão minha ou Cardozo está a um nível técnico como nunca vi? Até um golão de pé direito!
- Pela primeira vez o Benfica foi beneficiado pela arbitragem através de um penalty mal assinalado (quem tinha dúvidas de que iríamos ser beneficiados quando já estivéssemos a ganhar?). Como clube honrado que somos, Lima tratou de não tirar partido de um erro alheio;
- Gaitán a vir muitas vezes para o meio, é realmente uma mais valia. Como gostaria de o ver a combinar com o posicionamento e velocidade de Markovic no meio;
- se não há extremos em forma, que tal olhar finalmente para o miúdo que fez o hat-trick na equipa B e que já vai em 7 golos? E já agora, reforço o pedido para uma oportunidade a Cancelo depois da expulsão de Maxi;
- a jogar contra 10, o Benfica tinha que fazer bastante mais! Foi triste... E ainda tivemos bastante sorte no lance a terminar a partida;
- Balboa a marcar um golo de canto saltando mais que Luisão? Começo a acreditar cada vez mais que Roberto vai fazer exibições de sonho contra nós...   

Tratem de treinar muito nesta paragem mas sobretudo de recuperar psicologicamente!

04/10/2013

Pondo a escrita em dia


1. Grande vitória em Braga no passado Sábado (que não tive oportunidade de comentar atempadamente por estar fora do país). O Sporting pode não ter feito um grande jogo mas a partir da expulsão do Aderlan foi seguro e paciente, demonstrando uma assinalável maturidade. Sinais mais, como habitualmente, para Jefferson e Montero (estou definitivamente convencido, muito boas contratações) e ainda para Maurício, que esteve muito bem. Duas notas especiais:
- a primeira para o Diogo Salomão, relativamente a quem tenho tantas vezes demonstrado desconfiança: embora tenha saído ao intervalo, creio que fez uma razoável primeira parte. Provavelmente a falta de ritmo e o facto de estarmos com 1 a mais contribuiu para a substituição;
- a segunda para o Carrillo - os adeptos têm que perceber que um jogador como o Carrillo vai perder muitas bolas, como perdia o Nani e perdiam tantos outros na idade do Carrillo. As coisas não lhe saíram muito bem, é verdade, mas tentou quase sempre da forma certa e isso, para mim, é o mais importante.

2. Excelente a arbitragem do Paulo Baptista em Braga. Um árbitro com quem normalmente não nos damos muito bem. Creio que o discurso ponderado e sereno de Bruno de Carvalho (e também Leonardo Jardim) após o jogo com o Rio Ave contribuiu, e muito, para a boa prestação do Paulo Baptista. Isto não significa que eu não acredite no "sistema" e não acredite que o "sistema" tem os seus preferidos (se continuarmos neste ritmo, mais lá para a frente acabaremos por embater de frente com este tema). Significa, apenas, que entendo que a postura permanentemente calimérica em nada contribui para mudar a situação. Veja-se, aliás, a postura do Benfica e os resultados que tem tido...

3. Não costumo ligar aos fait-divers e às trocas de bocas mas sinceramente não percebo porque diabo o Rui Costa (que me habituei a admirar e respeitar) se foi meter com o presidente do Sporting, que se limitou a dizer a habitual generalidade "os treinadores devem limitar-se a treinar". Sei que meia dúzia de bocas não fazem mal a ninguém, mas se ficar por aqui não se perde grande coisa.

4. Lesão de Jefferson - péssima notícia! Durante um mês sem o jogador que mais tem provocado desequilíbrios nos adversários sendo que a segunda opção para o lugar é... bem, nem sabemos bem quem será. Juntamente com Montero, seria o jogador que eu não queria perder nesta fase. Provavelmente, será o Marcos Rojo a ocupar o lugar, entrando o Dier para central. Veremos como corre com o Vitória de Setúbal (boa equipa, atenção!) para podermos estabilizar uma solução para o jogo no Dragão.

5. A equipa B redimiu-se da derrota em casa com o Aves e foi ganhar a Tondela. Não me preocupa particularmente que a equipa B seja ou não campeã da II Liga. Mas preocupa-me que jogue bom ou mau futebol - e uma equipa que joga pouco ganha poucas vezes. Como disse aqui em tempos o nosso leitor Mike Portugal, uma descida de divisão seria um forte rombo no projeto da equipa B. Convém que pelo menos a equipa jogue o suficiente para andar fora dessa luta.

6. Os rivais históricos continuam a jogar muito pouco mas isso não me aquece nem me arrefece. O Sporting, este Sporting, este plantel, esta equipa, tem que se preparar para lutar pelo 3º lugar. Isto não é conversa de conveniência, até porque o Futebola3 está muito longe de representar o discurso "oficial" do Sporting. É a minha opinião. Eu gosto da maioria dos jogadores do Sporting mas a categoria individual dos jogadores do Porto e do Benfica é superior. "Basta" que os ponham a jogar futebol e aquilo acaba por encarrilar.

7. No Porto, basta que o Fonseca volte a inverter o triângulo do MC. Para isso, penso que estará à espera que o Herrera mostre o que levou PC a pagar 8M€ por este jogador, porque está a ter dificuldades em substituir o Minorca. Mais difícil no caso do Benfica. Parece-me sinceramente que já estão todos fartos uns dos outros: os jogadores fartos de Jesus, Jesus farto do Benfica, os adeptos fartos do Vieira e por aí fora. Claro que isto resulta da nossa mentalidade latina, tipicamente impaciente. Convém lembrar que na Alemanha, numa fase complicadíssima, Merkel vai para o 3º mandato, algo inédito na história da democracia portuguesa (o primeiro de Cavaco foi tão curto que nem conto com ele...). Voltando ao Benfica, entendo que, no geral, o trabalho de Vieira é positivo, o de Jesus é muito positivo e os jogadores são todos eles bons ou muito bons. Mas hoje reconheço que, de facto, poderia ter feito bem ao Benfica uma mudança, fosse ela qual fosse. E a mais fácil era a do treinador, que estava em fim de contrato. Mas, como sabem os que me foram lendo, eu teria cometido exatamente o mesmo erro que cometeu o Vieira e teria renovado com o JJ...

03/10/2013

Era pedir demais, não era?

Não estou a falar de vencer o jogo em Paris. Nem estou a falar da equipa corresponder aos objectivos utópicos que LFV persiste em lançar para uma maioria de adeptos que se deixa levar por fábulas e histórias de encantar. Nada disso. O que estava a pedir demais era simplesmente que o mestre da táctica tivesse a capacidade de pelo menos aprender com os erros. Mas não, ele nunca tem culpa. Quando perde, há sempre uma razão qualquer externa. E quando não consegue vislumbrar uma minimamente decente, diz algo como ouvi esta noite: "O PSG comandou o jogo e a partir do momento que está a ganhar um a zero, dois a zero, três a zero, é natural que o Benfica não tenha dividido o jogo". Lindo! Esta ideia de que o Benfica nada tinha a fazer pois as individualidades e poderio dos franceses não podiam ser contrariadas é de grande treinador! É melhor e pronto, nada havia a fazer! É por isso que és um dos treinadores mais bem pagos do mundo! És pago para ganhar jogos a equipas mais fracas! Já em Maio quando defendi a não renovação de Jesus tinha alertado para este facto para contrapor quem defendia a "época quase perfeita" do Benfica "Se olharem para todos os jogos que o Benfica fez esta época, quantos equipas poderiam dizer que tinham melhor ou mesmo nível de plantel que o Benfica? Barcelona, Porto e Chelsea?.

By the way, o facto do presidente dizer que este é o melhor plantel dos últimos 30 anos mostra o quanto ele percebe de bola. Deixo apenas 4 nomes: Fábio Coentrão, David Luiz, Ramires e Di Maria (só estes dois últimos marcaram 4 golos esta jornada!).


Basicamente, Jesus voltou a repetir os mesmos erros que já tinha apontado nos jogos com Guimarães e Belenenses a partir do meio campo, com uma agravante que nem de Jesus esperava:
- Djuricic para um jogo destes acho que já nem é estupidez. Já é gozar com quem paga quotas e bilhetes! Acho que este sérvio tem qualidade mas nunca será para jogar tão perto do avançado como Jesus exige tipicamente aos 10 e como chegou a fazer, sem sucesso, muitas vezes com Aimar. Quando ainda não mostrou nada, com exibições muito apagadas e muito macio, colocar no onze titular em Paris... nem tenho palavras decentes para qualificar;
- Enzo continuou fora da posição, assim como Matic. Enquanto não repetirem as posições da época passada, é melhor não terem muitas esperanças em boas exibições. E qualquer dia Enzo volta a ter problemas pessoais, tantas são as posições que é obrigado a fazer num só jogo: médio direito, 8 e 10.
- Markovic entrou mas lá voltou à estúpida posição junto à linha. Ainda fez duas incursões pelo meio em velocidade a mostrar onde é que faz sentido estar mas mesmo assim acho que o protector dos invasores de campo ainda não percebeu;
- Para completar o gozo, colocou André Gomes que é uma grande aposta do técnico e que já jogou uns incríveis zero minutos no campeonato.

É um desespero. Como é possível ser tão tapado?! De resto, só se aproveitou mesmo Enzo Pérez e Luisão... 

A vitória fora dos gregos também não facilita mas pode ser que um empate fora e vitória em casa nos próximos jogos sejam suficientes para a qualificação...

01/10/2013

30 minutos bons não chegam, caro Fonseca…

Ainda a quente e sem pensar muito no real impacto desta derrota ficam alguns pontos.

  •  Mais um jogo em que estamos a ganhar e não seguramos o resultado
  • Será este o “frango da praxe” do Helton? Na Champions dá sempre um e mais vale na fase de grupos do que na fase a eliminar

  • Por que razão o Porto só aguenta 30 minutos de bom futebol? É incrível como em todos os jogos em que o adversário começa a pressionar ou começa qualquer coisa a correr mal e este Porto desata a tremer. Falta preparação física a alguns jogadores  - Varela, Lucho e Alex Sandro parecem não estar a 100% - e Paulo Fonseca não parece acreditar em mais do que 15 jogadores
  • Fernando fez um bom jogo (o normal também) e Lucho apesar de não aguentar os 90” dá sempre muito prazer a quem vê este Senhor jogar

  • Quando o melhor defesa em campo é o Danilo, está tudo dito! Estou tão cansado dos erros do Otamendi e das faltas desnecessárias do Mangala que no próximo jogo tirava os 2 e metia o Maicon e o Reyes.
  • Fora de jogo: foi como esteve a defesa do Porto sempre que o Atleti teve um lance de bola parada
  • Champions… agora é ganhar ao Zenit em casa e seguimos tranquilos (ou não).

  • Paulo… olha para este jogo como um aviso! O próximo aviso é à porta do Olival (mensagem patrocinada por alguns membros dos Super Dragões)



Falta experiência ao treinador da Champions detentor da barba melhor tratada e do cabelo à Tintin. Mal nas substituições - Varela estava de rastos - o treinador português tem de por os olhos no caceteiro argentino que hoje estava no outro banco. Simeone é já um senhor do futebol, conhece o jogo e sente se que sabe tirar o melhor de cada um dos seus jogadores. Não parou um segundo e fez a diferença! Tirou o Villa ao meio tempo e mudou a táctica de acordo com a estratégia delineada. Vá lá Paulito… deixa de te preocupar se estás bem para a fotografia e grita com os rapazes quando eles estão a adormecer nas segundas partes. Não custa muito.

Já agora Paulinho… Tirar o Josué (apesar de bem substituído; o segundo amarelo estava mesmo a chegar…) quando vai marcar um livre do mesmo local de onde sai o primeiro golo é de amador e nada motivador para o jogador.

Prometedor este início de época.