18/09/2013

Há algo que me está a escapar?...

O que se passa com a equipa B?

6 comentários:

  1. Hoje ao que consta, foi vergonhosamente roubada.

    ResponderEliminar
  2. Ontem, ao que consta(?), foi parecido com jogos anteriores. Mas com uma diferença: jogaram 5 "reforços" da equipa principal (Boeck, Piris, Welder, Magrão e Cissé), quatro dos quais são jogadores que representam real valia para o reforço da equipa e foram contratados com base em relatórios emitidos pelos departamentos de Scouting e Sociológico.

    Como o objectivo não é ganhar(?), mas rodar jogadores(?) e dar ritmo aos da equipa principal(?), não tem mal que não se faça uma jogada com cabeça tronco e membros.

    ResponderEliminar
  3. FCS, roubada ou não o que me preocupa são os relatos de que a equipa joga pouco. Infelizmente não tenho podido acompanhar pelo que lhe asseguro que as minhas perguntas não são retóricas, gostava mesmo de perceber, por parte de quem acompanha melhor do que eu, o que se anda a passar.

    Anónimo, percebo o ponto e concordo que como regra a ideia de por reservas da A a ganhar ritmo na B não faz sentido (pode fazer sentido no caso do Marcelo ou, por exemplo, se um titular da A precisar de readquirir ritmo após lesão). Mas o ponto essencial é o do seu comentário final: porque é que a equipa B não faz um jogada com cabeça, tronco e membros?

    ResponderEliminar
  4. A presença (física) em simultâneo de jogadores como Magrão, Welder, Cissé, Edilino Ié e Piris dificulta sobremaneira a execução de uma jogada de futebol. Quando os substitutos destes jogadores são o Salomão, o Sambinha, o Manafá ou o Riquicho, a coisa não se compõe.

    Mas bem mais interessante seria saber se:
    - foram estabelecidos um ou dois modelos base de jogo que permitam o desenvolvimento uniforme e positivo dos atletas desde as camadas de formação à equipa principal (pois é importante assegurar que o desenvolvimento dos jogadores não seja assimétrico - não vá um tornar-se muito melhor do que outro - ou negativo(?), porque deve ser mau para o ego);
    - se treinador da equipa B tem em atenção os modelos de jogo e as filosofias implementadas pelo Sporting Clube de Portugal(?) (ou se a filosofia implementada por esse clube resulta da ponderação aritmética dos modelos de jogo praticados por todos os escalões);
    - se para a equipa B existe uma qualquer excepção ao objectivo "Missão: Vencer", em que a gestão desta área do departamento de futebol do Sporting Clube de Portugal(?) não precisa de assumir, sem complexos e sem receios, que a sua única missão é Vencer (note-se que existe uma diferença muito grande entre "vencer" e "Vencer", porquanto o 1º é minúsculo e o 2º é maiúsculo); ou
    - se os presentes jogadores estarão a ser preparados no âmbito de um programa específico de quatro anos para posições estratégicas de reforço futuro da equipa sénior de futebol (como sendo as de guarda-redes, defesa, médio ou avançado).

    Porque na medida em que não se percebe o que se pretende como futebol na equipa B, seguramente haverá uma óptima explicação.

    ResponderEliminar
  5. O que se passa é (relativamente) simples, o ano passado estava um treinador no banco (sim, o Dominguez), este ano.... bem, este ano está o Abel.

    I rest my case....

    ResponderEliminar