08/08/2013

Uma visão mais a frio: os sinais positivos do jogo de ontem


Ponto prévio: vi o jogo de ontem fora de casa e enquanto jantava; mais atento à 1ª parte do que à 2ª; e nem me apercebi bem das substituições que foram sendo feitas.

Isto dito, realço, ainda assim, que acabei o jogo bastante irritado. Não tanto pelo resultado mas pela confusão em campo. Às tantas não se percebia quem fazia o quê. Quando cheguei a casa, queria vir aqui "desabafar" com o caos futebolístico a que assisti no final do jogo mas felizmente contive-me. E agora, mais a frio, consigo tirar alguns aspetos positivos do jogo de ontem.

O primeiro: a primeira parte foi muito razoável. O adversário não era um adversário qualquer. Era o Braga que tem sido, reconheçamo-lo, sucessivamente mais forte do que nós nos últimos 4/5 anos se atendermos à prestação desportiva. E que tem uma boa equipa. Que é, como pudemos constatar na nossa própria casa, muito bem orientada. Por um treinador, diga-se, que conhece como ninguém a maioria dos nossos jogadores.

O segundo: mesmo para os que entendam que o Sporting não jogou nada de especial, a verdade é que o Sporting esteve sempre por cima na primeira parte. Entrou bem no jogo, jogou sempre no MC adversário (enquanto houve pernas para isso) e criou diversos lances de perigo. Recordo-me em particular de três desperdiçados por Fredy Montero (um jogador ontem francamente desinspirado) e um desperdiçado por Gerson Magrão.

E pego em Fredy Montero para realçar o terceiro aspeto positivo. Os treinadores costumam dizer que não estão preocupados quando a equipa cria situações de golo e só falha na finalização. Regra geral, discordo dos treinadores. Mas na pré-época tendo a concordar: mais importante do que ganhar jogos e marcar golos é verificar se a equipa tem ou não dinâmica que lhe permita criar vários lances de golo sem contar com bolas paradas, charutadas, etc. E ontem, na minha opinião, o Sporting jogou muito razoavelmente na 1ª parte, criando diversos lances interessantes e assentes num jogo coletivo. Terá supreendido o Braga por entrar com um esquema que, às tantas, parecia mais um 4x1x3x2 (William mais recuado, Wilson próximo de Montero) do que um 4x3x3. E a verdade é que não correu mal (e creio ter sido apenas uma experiência, vamos ver como jogamos contra a Fiorentina).

O quarto aspeto positivo tem a ver com a prestação de alguns jogadores. Adrien tem sido, indiscutivelmente, o melhor da pré-temporada e ontem esteve novamente bem (espero que a lesão não seja grave); Carrillo continua com os defeitos de sempre (às tantas desaparece) mas parece-me mais envolvido no jogo da equipa de jogo para jogo; Montero movimentou-se bem melhor do que nos jogos anteriores (talvez porque tenha tido um apoio mais próximo - e atenção que se este esquema for mesmo para implementar, ainda que como alternativa, poderá ser o ideal para... Labyad); gostei de Wilson (tem sido melhor do que esperava) e novamente de Cedric; e os primeiros minutos de Magrão foram aceitáveis (embora insista que parece enferrujado e tenha rebentado ao fim de 25-30 minutos).

Mas atenção: estes são os sinais positivos de uma noite que correu mal. Não quero dizer que foi uma noite essencialmente positiva, pelo contrário. Quero é que se retirem de uma noite negativa os aspetos positivos. Porque se excecionarmos o que acima referi, iremos recordar que:
- a segunda parte não existiu, foi má demais;
- as substituições não resultaram, nenhuma delas;
- Montero falhou golos inacreditáveis (é bom que apareça, mas nalguns lances chegou a ser ridículo);
- continuamos a sofrer golos na zona central da defesa (e o Marcos Rojo, francamente, parece que só resultava mesmo com o... Jesualdo);
- Leonardo Jardim levou alguns jogadores a passear ao Algarve... porque não lançou André Santos em vez de Rinaudo? O que foi André Santos fazer ao Algarve?
- alguns jogadores não parecem, efetivamente, ter categoria ou estaleca ou experiência ou whatever para jogar no Sporting (o caso mais evidente o de Cissé);
- tudo muito nervoso no final da 2ª parte (estás a ver, caro BC, o resultado das tuas crises de nervos em jogos amigáveis?).

Preocupado? Sim. Mas menos preocupado do que após o jogo com o West Ham. Esse sim, deixou-me a pensar que tinha visto mal o jogo com o Nacional da Madeira. Este jogo com o Braga diz-me o seguinte: se o Sporting da 1ª parte (evoluindo em 4x1x3x2 ou 4x3x3 ou 4x4x2, whatever) crescer, corrigir erros e melhorar, pode vir a ser um bom Sporting, que lute pelo 3º lugar. O da 2ª parte e o do jogo com o West Ham, convenhamos, fica em 5º, no máximo.

Para finalizar: BC manteve-se no banco mas não se deu por ele. Melhor assim. Preferia, sinceramente, vê-lo de regresso à bancada para evitar males maiores.

Venha agora a Fiorentina para percebermos, definitivamente, onde estamos: na 1ª parte de ontem ou no resto do Torneio do Guadiana.

PS: O Benfica, mal ou bem, resolveu o tema Cardozo antes do início do campeonato. A meu ver, resolveu mal, mas é preferível uma má decisão a uma não-decisão. O Benfica percebeu que os adeptos tinham perdoado o jogador e abriu a porta, ao contrário do que eu pensava que fariam (claro que a apresentação de Emenike no Fenerbahce muito contribuiu para isso - e veio provar que na realidade Cardozo só tinha uma proposta que lhe interessasse). Reparem que se o Benfica quiser transferir o jogador, ainda o pode fazer (e acho que deve fazê-lo). Mas corrigiu a rota: de excluído, Cardozo passou a integrado. E fê-lo percebendo que não podia iniciar o campeonato com este caso dentro de casa. Repito: mal ou bem, mataram o tema antes de o campeonato começar. Talvez devêssemos aprender algo com isto...

PS2: Desculpem o aditamento à última da hora mas faltou referir um aspeto importantíssimo: Diego Capel, no lado esquerdo, só tem sabido procurar a linha e centrar. Começo a achar que não se enquadra no tipo de futebol que (acho que) Jardim quer implementar.

11 comentários:

  1. Pergunta para 1 MILHÃO DE DÓLARES!!!

    Na pior temporada DE SEMPRE do Sporting Clube de Portugal, quais foram os resultados dos confrontos realizados contra o Sporting Clube de Braga?

    ResponderEliminar
  2. Anónimo, para um resultadista como eu, é uma pergunta tramada porque ganhámos os dois jogos.

    Mas convém relembrar esses jogos. Em casa, ganhámos 1-0, com uma sorte inacreditável, um super-Patrício e um golo mal anulado ao Braga. Fora, ganhámos 3-2 com um golo no último minuto em que na segunda parte ficámos a ver jogar.

    Não o digo hoje:

    http://www.futebola3.blogspot.com.es/2012/11/regresso-as-vitorias-organizacao-e-sorte.html

    http://www.futebola3.blogspot.com.es/2013/04/de-regresso-apos-o-melhor-momento-da.html

    E agora uma pergunta que porventura terá tanto valor como essa: qual destes treinadores organizará melhor a sua equipa, designadamente em termos defensivos - José Peseiro ou Jesualdo Ferreira?

    Um abraço

    SL

    ResponderEliminar
  3. "e num jogo em que na segunda parte ficámos a ver jogar"

    ResponderEliminar
  4. Pouco tempo agora, por isso só uma nota:

    - a pior notícia do dia de ontem foi o regresso de Cardozo aos treinos e opções do Benfica. Pensei mesmo que, com aquele final de época, sairia Jesus e Cardozo (isto é, o melhor que aquele clube e Vieira têm). Vão continuar fortes, muito fortes, porque Cardozo deverá ser, juntamente com Fernando, Salvio e Jackson, o melhor jogador a jogar em Portugal. E, não estando do nosso lado, isso só pode ser mau.

    Será que começa a existir alguma lucidez para as bandas da Luz?

    ResponderEliminar
  5. Koba,

    Entre ganhar e perder há um meio-termo que é empatar (algo que é frequentemente esquecido pelos bipolares que navegam nestes meios). E nessas duas vitórias o pior Sporting de sempre conseguiu fazer por 4 vezes aquilo que não fez ontem: marcar um golo. Sem marcar golos, não se ganham jogos. E, mais importante, contra o Braga, o Sporting marcou vários: beijou as redes 4 vezes e só sofreu 2 vezes.

    Mas se o ano transacto não deveria(?) servir de exemplo (por causa da organização defensiva do Peseiro?), olhe-se então para os anos anteriores:

    - em 2010/2011, o Sporting jogou 2xs com o o Sporting de Braga - os resultados foram os seguintes: 2x1 em Alvalade (golos de Salomão e Valdés) e 0x1 em Braga (golo de Djaló). Aqui o agregado está nos 3 golos e sofrer 1.

    Por curiosidade, neste último jogo o Sporting jogou com a seguite equipa: Patrício, Cédric, Carriço, Polga, Evaldo; André Santos, Zapater, Matias; Valdés, Djaló e Postiga. O Braga jogou (que iria à final da Liga Europa) com o seguinte 11: Artur, Salino, Paulão, Kaká, Elderson; Vandinho, Hugo Viana, Mossoró; Ukra, Lima e Alan. O senhor que estava no banco da equipa bracarense era o Domingos Paciência.

    - em 2011/2012, o Sporting jogou 3xs com o Sporting de Braga - para a Taça de Portugal em Alvalade, ganhou por 2x0 (golos de Capel e Insua), para o campeonato ganhou por 3x2 (golos de Ricky van Wolsfwinkel) em Alvalade e perdeu por 2x1 (golo de Carrillo) em Braga. Aqui o agregado está nos 7 golos e sofrer 3. O senhor que estava no banco do Sporting de Braga era um tal de Leonardo Jardim.

    As contas são fáceis de fazer: o Sporting nas últimas 3 épocas, com 6(!!!) treinadores diferentes (Paulo Sérgio, Couceiro, Domingos, Sá Pinto, Vercauteren e Jesualdo Ferreira), perante um adversário "que não é um qualquer" e que "sucessivamente mais forte do que nós nos últimos 4/5 anos se atendermos à prestação desportiva. E que tem uma boa equipa", em 7 oportunidades, ganhou 6 (seis!!!!!!!!!!!!!!!), marcou 14 golos (7+3+4) e sofreu 6 (3+1+2).

    Vamos então discutir a organização ofensiva dos treinadores que passaram pelo Sporting, o a organização defensiva dos que passaram pelo Sporting de Braga (dois dos quais também passaram pelo Sporting)?

    Como é que era mesmo?...

    ESTAMOS FORTES! ESTAMOS MUITO FORTES!!!

    ResponderEliminar
  6. Cantinho,

    Como sportinguista "imparcial" a minha angústia tem essencialmente um motivo -Cardozo marca regularmente ao Sporting. De resto, obviamente que gosto sempre que os rivais fiquem sem os bons jogadores, mas racionalmente tento convencer-me que nos é indiferente porque este ano não seremos adversários do Benfica ou do FCP.

    Vamos ver se a decisão desportiva não tem um impacto complicado no balneário do Benfica, ainda para mais quando o protegido de Cardozo (Melgarejo) foi preterido por um brasileiro que, dizem os benfiquistas, é fraco (é bom lembrar que se fosse Melgarejo o titular no Jamor nada daquilo se tinha passado).

    Continuo a achar que se um só daqueles sérvios tiver metade do feitio do Stojkovic, o JJ vai evoluir do empurrão paraguaio para o banano balcânico... Mas espero sinceramente que não porque não o desejo a nenhum consócio :)

    ResponderEliminar
  7. Caro Anónimo, nada do que diz invalida o que eu disse no post:

    - o adversário não era um adversário qualquer (o Braga está claramente acima dos demais clubes do futebol português);
    - o Braga tem sido sucessivamente mais forte do que nós nos últimos 4/5 anos (não me referia a confrontos diretos - e a prova disso é que ganhámos os 2 jogos que refere mas ficámos em 7º e o Braga em 4º);
    - o Braga tem uma boa equipa (aqui é apenas a minha opinião mas não acredito que não concorde);
    - a equipa do Braga é muito bem orientada (mais uma vez é a minha opinião, mas continuo sem acreditar que discorde);
    - a equipa do Braga é orientada por um treinador que conhece como ninguém a maioria dos nossos jogadores (esta é factual, o Jesualdo conhece muito bem a maioria dos nossos jogadores, inclusivamente trabalhou mais tempo com eles do que o Leonardo Jardim).

    Isto dito: se bem percebo o seu argumento, estou a sobrevalorizar o Braga, é isso?

    ResponderEliminar
  8. Koba, o erro implícito é considerar ESTE adversário (porque é dESTE adversário que se extrapolam as conclusões) como um adversário difícil para o Sporting.

    Não estou para fazer as contas, mas sou capaz de arriscar que nas últimas 3 temporadas não terá havido nenhum adversário tão fácil para o Sporting.

    Sei porque digo isto e sei porque não acredito em coincidências.

    O ponto serve apenas para infirmar a inferência qualitativa de uma DERROTA em razão da qualidade do adversário. Parece-me que isso resulta claro do texto, apesar de não ser assumido directamente,: se o Sporting tivesse jogado com o Kitchener (outra vez), a pressão alta, as 3 oportunidades de golo (uma das quais oferecida pelo relvado) e o "controlo do meio-campo" não seriam valorizados como aspectos positivos.

    Dito isto:
    - o adversário não era um qualquer e o Braga está acima do Sporting (apesar de ter uma equipa francamente inferior à do ano passado)
    - o Braga tem sido mais forte do que o Sporting nos últimos 4/5 anos
    - o Braga tem uma equipa em construção - Eduardo, Milkjovic, Joãozinho, Pardo, Agra e Edinho são tudo novidades desta temporada e isso faz mais de meia equipa) e que (ainda) não é uma boa equipa
    - o Braga é orientado por um treinador que conhece a uma minoria alargada dos jogadores do Sporting (Maurício, Jefferson, William Carvalho, Magrão, Wilson Eduardo e Montero não estavam no plantel na temporada anterior).

    Mas mais importante que tudo - e é pena que isto escape ao comum dos mortais - o Sporting de Braga jogou este jogo no seu modelo de jogo "standard". Isto é, não fez qualquer adaptação estratégica ou táctica ao adversário e encarou o jogo com o Sporting como faria com qualquer outro adversário, mais forte ou mais fraco, no âmbito do que isto era, um jogo de preparação.

    Novamente o rendimento do Sporting caiu fortemente no princípio da 2ª parte. A razão? Qualquer treinador (Manuel Machado ou Jesualdo Ferreira) precisa de treinar o que pretende, mas precisa também de ter condições para treinar o que pretende. E por isso ambos (Manuel Machado ou Jesualdo Ferreira) foram fazendo alterações no decurso do jogo que foram amenizando as dificuldades em sair a jogar desde o seu guarda-redes. A principal, à entrada da 2ª parte, deu-se com as entradas do Mauro e do Luiz Carlos e demorou 10 minutos até o Sporting sofrer.

    ResponderEliminar
  9. Em suma:
    1. "A primeira parte foi muito razoável"? Não. Foi estrategicamente errada, foi desadequada ao perfil de jogo que o Sporting deve praticar e foi - dentro do estilo - irrepetível, porque mais nenhum adversário procurará sair a jogar daquela forma.
    2. "A verdade é que o Sporting esteve sempre por cima na primeira parte"? Certo. Mas isso é bom? FCPorto e Benfica bloqueiam as saídas dos seus adversários? Serve algum propósito útil (inteligível) não deixar o seu adversário sequer tentar iniciar o processo ofensivo? Será que "estar por cima" significa que o Sporting estava um bocado mais adiantado no festival de solicitações directas a que se assistiu ontem? Há quem entenda que isto é bom. A mim parece-me mau. Na minha óptica, "estar por cima" é ter e trocar a bola, gerir os tempos de jogo, ser inteligente na abordagem ao adversário. E disso não vi nada ontem. E, chegados aqui...
    3. "criando diversos lances interessantes e assentes num jogo coletivo"? Errado. O Sporting teve algumas (poucas) oportunidades de golo, mas nenhuma resultante de "lances interessantes, assentes num jogo coletivo". As boas jogadas de futebol - aquelas em que há mais do que um jogador a passar, desmarcar-se e a transportar - contaram-se pelos dedos de uma mão e ocorreram inevitavelmente junto às linhas.

    Ah! Claro... isto é opinião.

    Assim como é opinião que o 11 do Sporting ontem contava com 4 jogadores que de nenhuma forma têm nível para jogar no Sporting. Nem na equipa B! Equipa B que teria feito muito melhor figura do que o festival de chutões com que os sportinguistas foram presenteados ontem e ainda com direito a queixarem-se da eficácia.

    Está claro que o necessário é a garra, o empenho, a coesão e a vontade de vencer - do primeiro ao último minuto. Pena a falta de talento e a incompreensão do que é o Sporting.

    ResponderEliminar
  10. Anónimo, não é apenas opinião, é uma opinião muito válida e bem fundamentada.

    Mas discordo da maioria das suas apreciações, nomeadamente a do ponto 3 - com exceção do lance achouriçado em que o Montero chuta fervorosamente um pedaço de relva, as outras oportunidades partiram de jogadas bem desenhadas.

    Nas partes em que concordo, permita-me dar um exemplo: concordo que na pré-época não se estudam adversários, claro; mas isso aplica-se a todos e normalmente, como diz um amigo meu, ganha com isso quem tem melhores jogadores. Pergunto-lhe: quem tinha melhores jogadores ontem? E quem jogou melhor na 1ª parte?

    Um abraço

    PS: Também não acredito em coincidências. Muito menos em coincidências de opinião, meu caro "anónimo". Bem-vindo.

    ResponderEliminar
  11. Faltou dizer uma coisa - o parágrafo abaixo é uma interpretação sua que não corresponde minimamente ao que quis dizer. Mas aí até concedo que possa ter sido eu a passar mal a mensagem.

    "O ponto serve apenas para infirmar a inferência qualitativa de uma DERROTA em razão da qualidade do adversário. Parece-me que isso resulta claro do texto, apesar de não ser assumido directamente,: se o Sporting tivesse jogado com o Kitchener (outra vez), a pressão alta, as 3 oportunidades de golo (uma das quais oferecida pelo relvado) e o "controlo do meio-campo" não seriam valorizados como aspectos positivos."

    Só a título de exemplo, já tinha valorizado com o Nacional e com a Real Sociedad o facto de a equipa estar posicionada uns bons metros mais à frente relativamente ao ano passado... E nessas alturas não destaquei a qualidade do adversário.

    ResponderEliminar