05/08/2013

Aí estão os fantasmas!

Era inevitável. Todos sabíamos que ao menor sinal de uma má exibição, o crédito reduzido, nulo ou mesmo devedor de Jesus teria logo o devido reflexo nas bancadas do Estádio da Luz. Esta era uma das desvantagens que indiquei para a continuação de Jesus. Assim, o fantasma da intolerância relativamente ao treinador está aí já bem presente.
Ao mesmo tempo chegou o fantasma do paraguaio. É engraçado perceber como os mesmos milhares de adeptos que assobiavam regularmente o Takuara, no fds não fizeram menos do que gritar pelo nome dele (excluo deste grupo de adeptos a claque do Benfica que sempre o apoiou mas que também acho que estão mais a cantar contra a direcção do que outra coisa). Face ao que aconteceu no final da época passada e mesmo pertencendo à facção que preferia o afastamento de Jesus, fui mais um a assobiar os cânticos para o paraguaio (infelizmente nunca aprendi a assobiar como deve ser…). Concordo com a venda e afastamento do jogador da equipa, embora considere que a telenovela já se está a arrastar por demasiado tempo.

Agora, o desagrado dos adeptos foi completamente natural! A primeira parte foi relativamente boa mas a incapacidade do Benfica em alvejar a baliza de Ceni era absurda (impressionante a capacidade de passe deste guarda-redes!). A segunda parte então foi o desacerto completo, com uma exibição bastante embaraçosa. Algumas conclusões que retirei do jogo:


- Cortez deixa mesmo muito a desejar. Ataca muito mas é demasiado fogo de vista. Em consonância com o penteado que apresenta, é muito exuberante mas a maior parte das vezes acaba por fazer um passe para trás após uma finta, vai demasiadas vezes para dentro, para além de que pára demasiado o jogo antes de se aventurar num drible. Se somarmos as debilidades defensivas (bem evidentes no segundo golo e em algumas fugas de adversários) à incapacidade de ler as movimentações dos colegas para fazer o passe no momento certo, percebemos que dificilmente se tornará no defesa que precisávamos;

- Djuricic é de facto uma mais valia mas pareceu andar muito perdido em campo. Duvido até que seja um jogador para jogar, como Markovic, entre o meio-campo e o avançado. Parece-me que será mais proveitoso se jogar de trás para a frente, organizando o jogo a partir de terrenos mais recuados;

- o enorme Enzo da época passada ainda não chegou;

- Maxi ainda não está a carburar e, depois das intermitências da época passada, aumentam as dúvidas relativamente à sua capacidade para o lugar;

- Matic é de outro planeta;

- Markovic é mesmo fantástico mas Jesus não pode inventar neste caso. Tem que jogar pelo meio e como apoio ao avançado;

- Continuo a não ter grandes expectativas relativamente a Sulejmani.


Já num post anterior tinha alertado para os desequilíbrios evidentes no plantel. Não percebo como se repetem os mesmos erros, ano após ano! Ainda para mais, se se confirmar a recente notícia do objetivo de 75 milhões em vendas e a inevitável venda de Matic para chegar a este montante (posso pedir a devolução do dinheiro do Red Pass se isto acontecer?!). Tenho muito receio em imaginar o que será esta época… Um grande amigo meu do Porto diz que este ano está um pouco mais preocupado por o Benfica não ser, como é habitual, já o campeão antecipado na ótica dos adeptos e com a imprensa a fazer várias capas a prever enormes sucessos para esta época. Não acredito muito mas pode ser que, enquanto ainda há tempo para equilibrar o plantel e tempo para colocar os jogadores a jogar nas posições em que rendem mais, se aproveite estes deslizes para acertar o rumo a tempo de entrar nos jogos oficiais da melhor forma.

1 comentário:

  1. Impressionante como os nossos clubes cometeram, aparentemente, o mesmo erro: para evitar depreciar jogadores "dispensáveis" (por motivos completamente diferentes os nossos e os vossos, não é só o Cardozo), nunca anunciaram publicamente que o jogador não contava e deixaram arrastar o tema com exigências aplicáveis a jogadores que não queremos vender.

    No nosso caso, o problema foi o convencimento de alguns dos jogadores de que poderiam ficar (Jeffren, Labyad) e a instabilidade no próprio plantel.

    No vosso caso, o problema foi a instabilidade criada pela situação junto dos adeptos. É que muitos benfiquistas acreditaram que Cardozo podia ficar. Pois bem: pelos vistos, não fica e ponto final.

    O Benfica, para vender mais alto, nunca anunciou que o jogador saía, agora leva com os cânticos das claques; o Sporting leva com as permanentes bocas dos empresários (e com um ambiente no balneário que nem quero imaginar). Ambos levam com os salários deles mais sabe-se lá quantos meses...

    Faz lembrar aqueles artistas que em plena crise imobiliária esperam, esperam, esperam para vender a casa mas só recebem propostas por valores inferiores aos que imaginam. Quando finalmente vendem pelo valor que queriam, passaram dois anos de prestações e, contas feitas, se tivessem vendido à primeira oferta tinham acabado por receber o mesmo, poupado as chatices e empochado os juros desse dinheiro num depósito a prazo por 2 anos!

    Pergunto, para ambos: quanto valia ter os assuntos resolvidos desde há muito?

    E isto concordando que, obviamente, o Cardozo não pode ficar (quer numa análise tentativamente imparcial, quer numa análise evidentemente parcial que me leva a querer esse grande c&"#&! fora daqui o mais rapidamente possível).

    ResponderEliminar