29/07/2013

Os casos por resolver

Saliento as contas feitas neste post (que surge em atualização deste outro): o Sporting tem nos seus quadros profissionais (contabilizando apenas os seniores) nada menos do que 60 jogadores.

E noto que os posts não incluem jogadores emprestados como Elias, Gelson ou Miguel Lopes. Para os efeitos que abaixo irei descrever, entendo que devem também ser contabilizados estes jogadores, na medida em que podem não ser um problema hoje mas sê-lo-ão seguramente daqui a 6 meses ou 1 ano. E como estes poderá haver mais de que não me recorde agora (Renato Neto creio que rescindiu em definitivo...).

Recomendo a leitura dos dois posts porque me parecem, ambos, exercícios muitíssimo úteis para percebermos o desenho do Sporting 2013/2014. Não vou sequer enumerar os jogadores porque os posts linkados estão muito claros.

Queria apenas deixar três ou quatro notas:

(i) a primeira: com 22 jogadores no plantel principal + equipa B, o Sporting deve ter nos seus quadros um número nunca superior a 42 jogadores (reitero que não estou a incluir juniores). Os 20 da equipa B devem ser suficientes na medida em que (i) alguns da A poderão alinhar pela B numa ou noutra circunstância (regresso de lesão ou aquisição de ritmo de jogo em fases de menor utilização são apenas exemplos) e (ii) alguns dos juniores poderão ser chamados à equipa B se tal se revelar necessário;

(ii) a segunda: admito que, a título excecional, esse número (42) possa ser excedido em função de um ou outro empréstimo, nas seguintes condições:
  • em resultado de protocolos, como o do Cercle Brugges - em que, já agora, entendo que o protocolo cumpriu a sua finalidade, apenas foi mal aproveitado pelo Sporting (tanto Reis como Neto como William, pelos vistos, evoluíram durante o empréstimo);
  • em resultado de circunstâncias financeiras muito específicas (pense-se nos tais casos de Elias, Gelson ou Miguel Lopes), casos em que os clubes de destino devem suportar os salários;
  • em resultado de ocasionalmente haver um ou outro jogador sem lugar na equipa principal mas cuja evolução se considere insuficiente apenas no espaço da equipa B (penso ser o caso de Viola).
(iii) a terceira: muito embora estejamos longe do número de jogadores do Benfica ou do FCP, 60 jogadores é demasiado. Há que fazer um trabalho de sapa na tentativa de atingir os tais "42 + alguns";

(iv) a quarta, se quisermos a partir de 01.09 apresentar aos "parceiros" uma folha salarial condizente com os objetivos da reestruturação, o trabalho de sapa terá que ser realizado até 31.08.

Isto dito, sem entrar na apreciação de quem deve ou não ficar na equipa B porque não conheço a maioria dos jogadores (na equipa A serão os tais 22, dos quais conhecemos 19 e temos esperança que o 20º e o 21º sejam Ilori e Bruma, ficando a faltar um jogador que, suspeito, será recrutado externamente) diria que estão por resolver os casos de Turan, Evaldo, Boulahrouz, Onyewu, André Santos, Pranjic, Salomão, Jeffrén, Viola e Bojinov (10 jogadores).

Estou a referir-me apenas aos casos mais mediáticos, claro está - quem de 60 tira 10 fica ainda com 50... e não estou a ver um plantel B com 28 jogadores (considerando que a equipa A terá 22). Haverá, pois, outros casos para resolver.

Mas quanto aos mais mediáticos, o ponto de situação é o seguinte:

Turan - estará prestes a ficar resolvido;

Evaldo - não há novidades;

Boulahrouz - falou-se do regresso à Holanda, num estilo Schaars, mas não avançou;

Onyewu - não há novidades;

André Santos - é um caso recente, duvido que aceite ser integrado na equipa B, admito que o problema possa estar na duração do contrato (acaba em 2014);

Pranjic - falou-se do Panathinaikos, mas nada avançou;

Salomão - caso igual ao de André Santos;

Jeffrén - falou-se do interesse de alguns clubes espanhóis, mas nada disso avançou (de todo o modo só agora ficou 100% claro que não conta);

Viola - parece claro que será emprestado para um clube argentino, mas falta fechar o tema;

Bojinov - não há novidades.

Vou controlando por aqui mas parece-me crucial chegar a 31.08 com estes temas fechados (leia-se: jogadores transferidos/emprestados em casos excecionais). A folha salarial de Setembro certamente não contemplará jogadores não utilizados e a treinar com a equipa B que, sozinhos, ganham mais do que toda a equipa B junta. Mais um tema em que teremos que aguardar.

2 comentários:

  1. Penso que o Gelson saiu a titulo definitivo.

    Assim como o Farley Rosa, o Cortez e o Júlio Alves (espero!!)

    Em relação à lista actualizada, há vários jogadores com idade de junior.

    - Yan Zhiao
    - Wilson Manafá
    - Miguel Lázaro
    - Daniel Podence
    - Francisco Geraldes
    - Riquicho
    - Ponde

    ResponderEliminar
  2. FCS, obrigado pelo contributo.

    Quanto aos três jogadores que refere, foram referidos como tendo sido excluídos da contabilidade pelo autor dos posts linkados. Quanto ao Gelson, tem razão: foi inicialmente emprestado ao Sion em Janeiro mas nesta saída para o Freiburg em junho foi a título definitivo.

    Quanto aos juniores, o "culpado" não é o autor do post, mas eu próprio... é que no início do post pretendi excluir os juniores das contas mas não os deduzi, no fim, do número total. Admitindo que os que refere serão do plantel junior e não da equipa B, obviamente que não entram para a contabilidade total.

    Enfim, o que é certo é que teremos que resolver aqueles 10 (complicadíssimos) casos.

    SL

    ResponderEliminar