15/07/2013

Bruma

O dia de hoje, em que A Bola publica que Sporting e Bruma voltaram a aproximar-se, parece-me o ideal para tecer uns breves comentários sobre esta "novela", uma vez que o farei sem a pressão de saber que o jogador definitivamente sai so Sporting mas também sem a convicção de que fica (porque até tenho a convicção contrária).

Chamo a atenção para este texto (que só tive oportunidade de ler depois de publicar o meu último post) porque está lá dito muito do que eu ia escrever sobre este tema. Muito em particular destaco este comentário, feito pelo próprio blogger em resposta a um dos comentadores:

"O negócio tem problemas, mas só um clube forte e sem estar de mão estendida (como está o Sporting) é que pode lutar para o mudar (ou melhorar). Agora tem de jogar com essas regras."

De forma muito mais sucinta e direta, esta frase corresponde à ideia que eu tentei fazer passar neste post, ou seja, seria muita ingenuidade pensar que é o Sporting, no momento em que está, que vai mudar as regras do jogo.

Precisamente por entender que seria demasiado ingénuo tentar esse caminho, desenvolvi a tese de que, na realidade, o que BC pretendia era pressionar alguns jogadores a mudar de empresário. Mas disse também, mais tarde, que a mudança de empresário, em si mesma, não era uma vitória: seria preciso ver se os resultados obtidos pelo Sporting em consequência dessa mudança trariam mais benefícios do que prejuízos. E, aliás, quanto ao caso Bruma em particular, cedo me avisaram que a mudança de Zahavi para Baldé seria de cavalo para burro.

A meu ver, o ponto essencial é (sempre) o mesmo: as estratégias são boas ou más consoante os resultados, quer os imediatos, quer os resultados de longo prazo. Esta estratégia da direção do Sporting (fosse ela qual fosse) estava a correr mal, se nos focarmos no único caso que era necessário resolver já (ou no mais relevante, se preferirem). No imediato, correu mal porque aumentou o risco de perdermos o jogador; no longo prazo, também correu mal porque o que se pretendia que fosse um exemplo para todos os restantes poderia (pode?) acabar por tornar-se em mais um caso em que um Futre ou um Figo saem, na melhor das hipóteses, por meia dúzia de patacos (ou seja, um exemplo sim, mas nos antípodas da ideia que se pretendia fazer passar).

O que fazer? Corrigir a rota e tentar salvar o que dê para salvar. Creio (posso estar enganado) que foi o que fez Bruno de Carvalho. A ser verdade, agrada-me ver que BC está novamente sentado à mesa com Zahavi, admitindo, claro está, que tal signifique uma inversão da estratégia. A ser verdade e tendo o significado que admito, representa algo muito simples: BC, e muito bem, está a por os interesses do SCP à frente do seu ego e das suas próprias ideias. Diz-se por aí que é um golpe no seu orgulho. Pois que seja. O que eu espero de um presidente do Sporting é que perceba que o orgulho do clube é mais importante do que o seu próprio orgulho. Estava a ser demasiado fácil provocar o Sporting... Bastava uma boca na imprensa (do tipo "estão a brincar com o fogo") para o presidente logo se tornar "não-pressionável". Mas, no momento em que se encontra o Sporting, esse acabava por ser o primeiro passo para a rutura negocial. Se BC fez efetivamente este flik-flak, dá-me muito mais garantias do que as histórias da carochinha dos "irredutíveis" e outras parvoíces boas para impressionar papalvos. Dou, aliás, um exemplo: se para o SCP for importante, por qualquer motivo, reatar relações com o FCP (e os que me leram sabem que apoiei BC neste tema a 100%), espero que BC tenha o sangue-frio necessário para o fazer. Porque o clube tem que vir em primeiro lugar.

Vamos, então, aguardar mais uns dias e ver se ainda há algum coelho para tirar da cartola.

Isto dito, queria só deixar aqui mais duas notas:

1. A discussão do caráter de Bruma não faz sentido nenhum. Bruma tem 18 anos e diz que não quer ser ele a negociar diretamente. Tem o direito a estar representado nas reuniões que bem entender (acho é que deve comparecer também o próprio, mas isso é com ele e seus representantes). Bem ou mal aconselhado, a verdade é que tem quem trate destes temas por ele. Por muito que ele force ficar no Sporting, é normal que quem o aconselha lhe diga que ganha força negocial com esta jogada. Porque a verdade é que a ganha. E o tema ainda não acabou, não comecemos com os habituais comportamentos caliméricos e com os insultos a despropósito.

2. Por outro lado, um clube que contratou Labyad da forma como o Sporting o fez há um ano tem que ter cautela nas afirmações públicas e queixinhas sobre este tema. O discurso de ontem do Mestre Aurélio (vénia) não será muito diferente do discurso do diretor de formação do PSV Eindhoven. Há um ano, este último poderia perguntar se vale a pena formar. Ao que nós responderíamos "paciência, é a vida". E olhem que, sem investigar profundamente o tema, dir-vos-ia que os casos Bruma e Labyad não serão muito diferentes...

9 comentários:

  1. Se calhar é por causa do Labyad que lhes vendemos o Arias e o Schaars tão baratinhos. lol

    ResponderEliminar
  2. Mike, quanto ao Arias e ao Schaars, para além da opção desportiva (em que concordo com a venda do segundo mas não com a do primeiro, mesmo que a razão de ser das vendas seja a que refere no seu comentário), conviria clarificar-se porque é que os negócios se fizeram já, quando são dois jogadores que, aparentemente, estavam no "pacote Holdimo", ou seja, o Sporting iria daqui a uns dias recuperar percentagens relevantes dos passes destes dois jogadores.

    ResponderEliminar
  3. Koba,

    Vou especular, mas o mais provável é ser completamente indiferente ser agora ou depois por o simples facto do SCP ter valores em atraso com o jogadores e alguma coisa a pagar à Holdimo.

    ResponderEliminar
  4. Caro Koba, um bom regresso é o que este post representa.

    SL

    ResponderEliminar
  5. vou re-publicar o comentário que fiz no post anterior relativamente a Shaars e Arias:

    "Koba,

    mesmo só vendo um jogo ao vivo, não achei nada interessante a prestação do Arias contra a Oliveirense em Rio Maior. Apático e sem critério.
    Por isso, não sabendo o valor de aquisição, qualquer euro que equilibrasse o custo de aquisição seria para mim lucro.
    Relativamente ao Schaars, não quer estar aqui, eclipsou-se quando mais precisámos dele enquanto lider que dizem ser ( que não acredito que seja). Quem dá as entrevistas que dá a elogiar treinadores e "criticar" atletas deixa muito a desejar. É feio para o grupo de jogadores, é bonito para quem lê cá fora."

    ResponderEliminar
  6. Koba,

    Obrigado pela referência e pela sua passagem pelo espaço que, de tempos a tempos, vou dando alguma atenção.

    O post tem pontos muito relevantes e esperemos que seja lido por muitos. Num momento em que o diálogo está partido entre sportinguistas (é isso que todos somos, não?) seria importante que os acólitos de Bruno Carvalho (que deveriam ser, somente, sportinguistas) deixem de apoiar Bruno Carvalho e apoiem o Sporting e todos os elementos que nele estão inseridos.
    Se Bruno terá de engolir o orgulho? Que seja. Se terá de se retratar, assumir um erro? Porque não? Se for para bem do clube e seu também, é sinal que é um ser humano, evolui. E é evoluindo e aprendendo que nos tornamos melhores.

    Bruno pode vir a ser o Presidente que o Sporting precisa, mas ainda não o é. E isso é algo importante que se deve ter em conta.

    O processo Bruma foi mal conduzido. E esta direcção tinha tudo para estar isenta de culpa, mas tornou-se co-responsável pelo seu epílogo. E pior, terá criado dúvida e mau estar a outros elementos com quem, um dia, quererá negociar.

    ps: Bruma já não volta. Não há condições. E insultos em tarjas num estádio de futebol ou blogues leoninos não ajudará em nada a que ele tome a decisão que nós gostariamos que tomasse.

    ResponderEliminar
  7. Mike, talvez seja isso ou talvez haja um acordo paralelo com a Holdimo que garanta que recebemos como se a contribuição em espécie estivesse concretizada, não sabemos. Mas que é estranho, é.

    Metralha, quanto ao Schaars creio que a mentalidade do Norte da Europa é bem diferente da nossa. Recorda-se do conflito Kahn-Lehmann no Mundial 06? Eram colegas de equipa e treinavam-se diariamente juntos, mas diziam o pior um do outro. Na Holanda, na Alemanha, entrevistas como as do Schaars são relativamente normais. Já na apreciação futebolística do Schaars 2012/2013 concordo integralmente. Quanto ao Arias, ainda que discorde da apreciação futebolística (sempre me agradou muito o jogador, mas concedo que mais por "feeling" do que por outra coisa qualquer), o tema é: BC e Inácio disseram ou não disseram que o Sporting não estava em saldos? Vender um jogador de 20 anos por 675k faz algum sentido? O salário seria assim tão incomportável? E vamos lá ver quem vem aí para suplente do Cedric...

    LdA e Cantinho,
    Ainda hoje falava com o "nosso" PLF e lhe dizia que nestes posts faço um esforço de moderação e procura de informação que não faço, naturalmente, nos diálogos privados com sportinguistas (em que vou reagindo com as habituais larachas por impulso). Tento sempre encontrar os argumentos publicamente disponíveis e manter uma lógica de "benefício da dúvida". Agora, parece indiscutível que o processo foi mal conduzido, como refere o Cantinho. Por isso citei o seu post. Mas entretanto parece que temos aqui uma marcha-atrás. A ser verdade, como muito bem diz o Cantinho, BC fica mais próximo de ser o presidente de que o Sporting precisa (concordo que ainda não é).

    SL a todos

    ResponderEliminar
  8. Uma nota adicional: quando lemos este texto, que me foi enviado hoje de manhã (http://www.noticias-do-futebol.com/content/humildade-de-bruno-de-carvalho) e notamos a ausência das habituais loas nos locais que todos sabemos (substituídas por ataques ao caráter de um miúdo de 18 anos que nem sabe bem o que fazer à vida), percebemos que a estratégia falhou a todos os níveis. Reitero que qualquer atuação no sentido de corrigir a rota terá o meu aplauso.

    ResponderEliminar
  9. Metralha, vi entretanto o seu comentário no outro post e apercebi-me que comentou também as contratações do Maurício e do Cissé.

    Quanto ao Cissé, percebo as reservas.

    Quanto ao Maurício... fico satisfeito que finalmente alguém tenha percebido que um clube sem dinheiro tem que fazer o que fazem os Paços de Ferreira desta vida, movendo-se no 2º e 3º mercados do Brasil, apenas isso. Tem que se ser muito mais criterioso e chegar lá muito mais rápido (porque os grandes brasileiros, e não são poucos, andam todos em busca deles), mas é possível encontrar aí bons jogadores, como o passado já demonstrou por diversas vezes.

    Se o Maurício correr mal, significa que se trabalhou mal. Mas este é o mercado em que temos que estar. É apenas esse o motivo da minha "felicidade".

    SL

    ResponderEliminar