06/06/2013

Os dispensáveis (II)

Lê-se n'A Bola que o Miguel Lopes faz parte da lista dos dispensáveis.

Não me supreende. Pelo contrário: para além de já ter dito aqui que Miguel Lopes seria um dos 16 jogadores que estariam de saída neste defeso (pertencendo ao grupo dos que saem por motivos financeiros), convém lembrar que o rendimento deste jogador esteve longe de ser fantástico.

Aliás, aquele "cheirinho" de Cedric (quando o Miguel Lopes se lesionou, a dada altura da época) deu bem para perceber que o (fraco) rendimento do DD formado nas nossas escolas durante grande parte da época esteve essencialmente relacionado com (i) o total desnorte coletivo da equipa do Sporting e (ii) alguma imaturidade do jogador que psicologicamente não conseguiu reagir à adversidade (o mau início de temporada). Mas na comparação Cedric-Miguel Lopes poucos serão os que, olhando ao rendimento de ambos, dirão que o Sporting fica melhor servido com o segundo.

De resto, insisto no que aqui fui dizendo no início da época: olhando, apenas, às qualidades de cada um, o Sporting ficaria a ganhar com Cedric relativamente a João Pereira. Feliz ou infelizmente, o futebol é um jogo coletivo e há outros fatores para além da qualidade individual de cada um que contribuem para o fator decisivo na apreciação de um jogador: o rendimento (onde reconheço que o Cedric ficou abaixo do JP). Não fosse assim e certamente João Vieira Pinto, um jogador genial, teria feito uma carreira superior à de, por exemplo, Sérgio Conceição (e podia multiplicar-me em exemplos, mas acho que deu para perceber a ideia).

Muitos, principalmente os adeptos de outros clubes, devem achar que sou maluco - daqui a uns anos, quando o Cedric for titular da seleção, mudam de ideias. Engano-me muitas vezes e digo muitos disparates. Mas sou dos que defendo o Patrício desde os tempos em que mesmo os sportinguistas o tratavam por "Franguício"... E acho mesmo que o Cedric, bem orientado e com a cabeça no lugar, é mais jogador do que o João Pereira, atual titular da seleção. Veremos.

Manter o Miguel Lopes teria uma (aparente) vantagem. É que faz as duas posições, DD e DE. O que, havendo equipa B, poderia ajudar a poupar em termos de plantel principal. Mas o raciocínio não pode ser este: por um lado, porque o Miguel Lopes não deixaria de ser suplente, à luz dos critérios técnicos mais avisados; por outro lado, a ser verdade o que diz a imprensa, ganha por ano o que não ganharão juntos os dois putativos titulares (DD e DE - Cedric e Jefferson). Assim, para DD suplente ficará o Arias ou o Esgaio e no DE, aí sim, teremos que ver se Turan tem condições para ficar, se entregamos o posto de 2ª opção ao Mica (que, de acordo com os experts, ainda não está preparado para altas voltagens) ou se teremos que ir ao mercado em busca de um suplente (sou dos que não acredita que o Marcos Rojo, que embora titular como DC pode também jogar a DE, fica no Sporting).

Assim, o meu vaticínio é claro: a ser verdade, estou de acordo com a transferência de Miguel Lopes. Difícil será colocá-lo pelo valor que pretendemos. Aqui, temos que confiar que BC, percebendo que para encher a casa terá primeiro que esvaziá-la, vai ser capaz de encontrar um compromisso com os empresários certos e encontrar colocação para os nossos excedentários (e olhem que são mesmo muitos e dificilmente teremos propostas para todos).

3 comentários:

  1. Epa, por mim o ML é vendido por €2M. Já era bom. Temos cá melhores como o Cedric e o Arias.

    ResponderEliminar
  2. Mike, mesmo considerando que receberíamos apenas 1M (FCP tem 50% do passe), concordo que, nas atuais circunstâncias, seria bom.

    Também gosto do Arias, mas parece que é mais um a querer sair...

    ResponderEliminar
  3. Claro que há sempre a solução "Minorca style": os interessados no Miguel Lopes levam como brinde qualquer um dos outros que temos para vender sendo que, no pacote, se o total forem os tais 2M€, o Miguel Lopes é avaliado em 100.000 euricos e o "brinde" é avaliado pela diferença...

    ResponderEliminar