30/06/2013

AG

Afinal tenho tempo para uma primeiras impressões, necessariamente sumárias:

Pontos positivos:
- a presença de aproximadamente 1400 sócios;
- o início da AG, com a radiografia feita de forma objetiva (e sem considerações diletantes e desnecessárias) pelo Presidente do CDF (uma pequena nota, bem apanhada por um sócio - não se pode referir às modalidades desenvolvidas em associação com terceiros como "não sendo bem" do Sporting - são do Sporting, desenvolvidas autonomamente por terceiros com o apoio do Sporting);
- a condução dos trabalhos do PMAG quase até final (no final espalhou-se ao comprido pelos motivos que abaixo referirei);
- a excelente "forma" de BC, num palco em que reconhecidamente se sente muito à vontade (esteve muito forte em todas as intervenções, mesmo aquelas de que não gostei tanto);
- o apelo a que os sportinguistas "façam" mais pelo clube: 100.000 sócios e apenas 46% de pagantes é muito pouco (claro que com um discurso agregador, caro Bruno, podias de imediato começar a mudar as coisas);
- a reafirmação de que a reestruturação permite a recuperação de percentagens de passes de jogadores;
- a forma como BC se referiu à Holdimo, sempre pela positiva e na perspetiva de um investidor que acredita no Sporting;
- a intervenção do sócio Tito Fontes, ex-candidato a PMAG na lista de Couceiro, que afirmou não só a votação favorável da proposta como também a necessidade de o afirmar publicamente tendo em vista fomentar um ambiente de união (haja alguém...);
- a aprovação com 97% dos votos (um dos quais o meu - as dúvidas que tinha, e mantenho, não eram suficientes para não aprovar um plano que, na generalidade, parece ter bastantes benefícios ainda que traga acoplados alguns inevitáveis, e expectáveis, aspetos negativos).

Um ponto aqui: votei a favor mas vou estar particularmente atento aos aumentos de capital a realizar pelo CA da SAD. É que os sócios do Sporting só aprovaram, em bom rigor, alterar os estatutos da SAD (sendo rigoroso, aprovaram uma instrução para que o SCP, com 50,4%, vote favoravelmente essa alteração estatutária - como a deliberação precisa de 2/3 em AG da SAD, pode, em tese, não passar). O CA da SAD tem (de forma indireta) um mandato conferido pela AG do clube, mas há muitas figuras na lei que podem ajudar a manter um controlo rigoroso sobre o efetivo exercício desse mandato.

Pontos negativos:
- o primeiro, de que ninguém tem culpa: esta "maldita" Lisboa, que adoro como poucas coisas na vida, quando quer ser quente... é mesmo quente! Foi uma tarde de grande sofrimento para todos os associados do Sporting;
- o culto de personalidade fomentado por BC: além do permanente uso do "eu" (que lhe perdoo, como já disse, porque sofro de igual problema), no início da AG uma senhora viu o acesso do filho (menor) barrado pelos serviços e fez um alarido tal que foi ouvida em todo o pavilhão. BC levantou-se e foi ver o que se passava junto da entrada. Quando voltaram, BC entrou triunfante na sala, com o menor ao colo, perante o aplauso da multidão...
- as referências desnecessárias de BC ao passado recente em termos que só ajudam a fomentar ódios irracionais (depois inevitavelmente repetidas por alguns sócios);
- o discurso de BC com alusão à "culpa" dos sócios na aprovação do anterior projeto de fusão SPM/SAD: "foram vocês que aprovaram isto e isto implicava a extinção das modalidades" (depois corrigido para "fomos nós", mas já veio tarde);
- o facto de a grande maioria das intervenções dos sócios ter presente uma mensagem de expulsão de outros associados... No fundo, aquilo que venho aqui dizendo sobre o ambiente de ódio e intolerância, que se vai mantendo. Curiosamente, o presidente acabara de referir que são poucos a pagar quotas... Pela minha parte, só aceito que seja expulso alguns "desses" se e quando se PROVAR que o que fizeram foi mais do que simples má gestão. Até lá, não faço juízos sobre intenções que desconheço e, lamento, não alinho no discurso "matem-nos a todos"...;
- a grande confusão que se instalou no final: (i) primeiro, o facto de se ter proposto que a votação dos pontos 3 e 4 se fizesse de braço no ar (o que a meu ver só faz sentido quando esteja presente um número muito reduzido de associados e ainda assim quando os temas não sejam particularmente "quentes"); (ii) depois, o facto de se ter passado à votação do ponto 3 (orçamento) antes de saber o resultado do ponto 2 (reestruturação), quando tinha sido o próprio presidente a referir que a aprovação do ponto 3 dependia do ponto 2.

Enfim, bola para a frente. BC tem um clube perfeitamente controlado, pode fazer o que quiser e trabalhar à vontade. Vamos lá avançar com a reestruturação, construir um plantel com qualidade e manter as modalidades que seja possível manter, sejam elas competitivas ou não.

E deixem-me terminar assim, porque vou estar 15 dias (agora sim) sem por cá escrever:

VIVA O GRANDIOSO SPORTING CLUBE DE PORTUGAL!

3 comentários:

  1. A minha opinião é coincidente com a maioria dos pontos expressos. Destaco além do que foi referido, a excelente preparação de Bacelar Gouveia, a forma atabalhoada do PMAG...e ainda, focando-me num dos pontos, a incapacidade do presidente em se referir na 1ª pessoa do plural. Que eu saiba, e eu acredito que ele sabe, ele dirige uma equipa. Os resultados, positivos ou negativos, são comungados por todos eles. Deve ser "nós conseguimos isto", "nós impedimos isto", fazendo talvez referência ao papel de outros membros da direcção que tiveram certamente muita responsabilidade, por exemplo, no sucesso das negociações com a banca e com a Holdimo. Por fim, dizer que gostava que ex-presidentes e respectivas direcções tivessem estado presentes na AG, ou depois de se ser eleito fica-se isento de ir a este tipo de eventos? Podem dizer, "ah e tal, isso ainda levava a um linchamento público e traria um ambiente desagradável para a AG". Eu acredito, posso ser ingénuo, que os sportinguistas têm capacidade para se comportarem. Dou esta de barato...agora, acreditando que isto acalma nos próximos tempos, já não há qualquer desculpa para faltarem...

    ResponderEliminar
  2. Miguel, enquanto este ambiente de crispação se mantiver duvido que haja condições... BC, no seu apelo a presença de GL (nomeadamente) poderia ter ido um pouco + longe e apelado a discussão serena e desprovida de insultos pessoais. Eu não iria a uma AG em que soubesse que ia ser insultado, o que muito diferente de ser criticado. Quando o ambiente serenar, podemos fazer um balanço quanto a presença ou não de ex-presidentes. SL

    ResponderEliminar
  3. Se o Sporting fosse um país e os seus sócios a população, eu diria que estávamos a caminho de uma ditadura. O próprio resultado da votação assim o indica. O perfil e as características são as mesmas. (In)felizmente que num clube de futebol o presidente não consegue controlar as bolas ao poste e qualquer estado de graça acaba em 3 tempos com o insucesso desportivo. Não é isso que desejo, espero e faço votos que o nosso clube encontre rapidamente o caminho seguro e coerente para o sucesso mas isso não quer dizer que tenha que concordar com comportamentos típicos de um ditador populista. E se o objetivo era o de esclarecer os sócios, um debate em campo neutro (televisão, rádio, etc) com os ex-presidentes seria com certeza possível e seguro para os mesmos. Ao contrário do Miguel não acho que fosse possível uma discussão com a presença de GL na AG sem que o mesmo não fosse vítima de tentativas de agressão. Que se faça a auditoria e que, caso seja o caso, os resultados entregues ao ministério público. Linchamentos públicos é que não.

    SL

    p.s. parabéns pelo blog

    ResponderEliminar