15/05/2013

Isto é futebol! (ainda o FCP vs SLB)


Ainda o rescaldo do clássico...

Caros, não vos vou escrever sobre o jogo de há 4 dias. Já ninguém quer saber dos mais de 60% de posse de bola, dos golos fortuitos ou dos foras de jogo por assinalar que poderiam ter influenciado o resultado. E não vou escrever porque isso tudo não interessa nada quando comparado com os verdadeiros sentimentos que o futebol nos pode proporcionar. Sábado foi um dia feliz para uns, cruel para outros, mas dramático para todos.


Limpinho, limpinho, limpinho. Não adianta estar aqui a dizer que o jogo foi bom ou mau, que o Benfica entrou para segurar o resultado (até esteve a ganhar) e não o soube fazer. Não foi o Benfica que perdeu o jogo, foi o Porto que o conseguiu ganhar. Com uma dose enorme de drama e uma pontinha de sorte é certo. Com um golo que terá tanto de fantástico como de único, foi

capaz de unir milhares em torno de uma equipa que amam e continuam a acreditar nas suas vitórias. Do primeiro ao último minuto.

Agradeço o esforço de todos, de Helton a Jackson;  com um Moutinho GIGANTE e um irreverente Kelvin; com um Fernando que merecia uma melhor despedida do Dragão (estava a ser o melhor em campo) e com um Varela que quando penso que o devemos dispensar... ele teima em estar em foco.  

Todos demonstraram uma excelente atitude do primeiro ao último minuto, suando a camisola como se pedia.

Tivemos sorte? Sorte era aliviar uma bola e ela entrar ao ângulo, o que demonstramos foi Audácia, Coragem e Querer... e o expoente foi o remate de Kelvin! A bola com “conta, peso e medida”, empurrada por milhares, foi entrar no único espaço aberto. Foi sublime!

Por tudo o que fizemos, merecemos a vitória!


Agora o campeonato... Acessível mas não oferecido! É preciso ganhar em Paços de Ferreira, num jogo em que o resultado só nos interessa a nós, mas onde os pacenses vão querer fazer a sua festa. Espero que terminem as duas equipas em campo a festejar!



Vítor Pereira. Não existe um post portista neste blogue em que não se “carregue” sobre o teu nome, sobre as tuas capacidades ou as tuas decisões. Então que se faça a excepção à regra! Contra o Benfica estiveste bem: não inventaste no 11; a entrada do Defour (o único que poderia substituir o Danilo quando fosse preciso tirar o brasileiro para meter mais poder de fogo lá na frente) foi simples e eficaz; e tiveste a tua dose de sorte no facto de terem sido os substitutos os intervenientes do golo decisivo. Não vou ser hipócrita e chamar te “génio” (só mesmo o João Querido Manha para ter uma tirada dessas...) mas há uma coisa que irei reconhecer para sempre: és portista! Naquele minuto 91, a tua corrida, as tuas lágrimas e a tua emoção demonstraram que em nada és diferente dos mais de 50 mil portistas que estavam naquele estádio e muitos milhares espalhados pelo mundo. Quando, na minha sala, vibrava com aquele golo mágico, oportuno, libertador e glorioso algo me ligava a ti, portista Vítor. Tu choravas e eu chorava… de alegria, de emoção e de agradecimento. Por esse amor, não te esqueceremos! Só vamos esquecer as tuas substituições e conferências de imprensa.

Obrigado Futebol Clube do Porto! Obrigado por tudo!



A poucas horas de um Benfica - Chelsea desejo uma vitória dos encarnados. Boa Sorte! 

10 comentários:

  1. Grande Zatopek, finalmente de regresso!

    Olha, não concordo contigo em quase nada pá! O Porto teve imensa sorte. Fez lembrar um famoso jogo da Bulgária contra a França, no Parque nos Príncipes, em 1993, resolvido com um tiraço do Kostadinov de ângulo quase impossível no último minuto e que deu à Bulgária o apuramento para o Mundial. Lembras-te? O próprio Kostadinov, quando lhe perguntaram se foi sorte, respondeu "Não, não foi sorte, foi um milagre".

    E porquê? Porque se é verdade que o Benfica não fez tudo para ganhar o jogo por uma questão de estratégia, o Porto não conseguiu fazer tudo para ganhar o jogo por uma questão de (in)capacidade. O VP ia lançando truta atrás de truta desde o banco, mas a equipa só produziu um lance de perigo, num fora-de-jogo de metro e meio, como bem salientou o Gorbyn. E no final teve um lance que caiu do céu.

    Se foi o Benfica que perdeu ou o Porto que ganhou? Nisto concordo com o Gorbyn: foram os deuses a decidir. Ou melhor, deve ter sido o diabo porque não acredito que os deuses gostem assim tanto do FCP...

    Um abraço para ti e outro para o Gorbyn que neste momento deve estar inconsolável

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Koba,

      Não concordo contigo quando dizes que há incapacidade do Porto. Era um jogo difícil mas não se pode dizer que o FCP não tentou. O Benfica apesar de estar estrategicamente a defender o resultado, deu a posse de bola ao Porto, fez imenso anti jogo ( a do Ola John a apontar para o chão, como se estivesse a perguntar se era ali que devia cair, é demais!) e defendeu muito bem. No entanto sujeitou se a sofrer um golito... É azar sofrer o golo naquele instante? Isso concordo. É dramático.


      PS. como referi no post, ainda bem que o James falhou aquele golo. Não iria suportar ter de gramar mais um ano com os "sistemas". Ainda assim é melhor que se passe a ideia que é um campeonato ganho "com sorte".

      Agora para merecer... é ganhar ao Paços. Não vai ser fácil.

      PS: Já que lembras o Kostadinov, eu recordo um golo pelo FC Porto, esse sim com muita sorte... Alvalade, época 92/93, cruzamento do João Pinto (acho eu...) que bate no segundo poste e cai redondinha para o Kostadinov marcar de cabeça. Muita sorte...apesar do posicionamento do "incompreendido" búlgaro. Não me parece que o golo do Kelvin tenha sido só sorte. É um remate perfeito (se bem que ache que o rapaz não irá marcar muitos mais golos daqueles, não no Porto pelo menos) Sorte foi o passe do Liedson. Se calhar era a isso que te estavas a referir.

      Grande abraço.

      Eliminar
    2. Um remate perfeito não invalida que tenha sido sorte. Se o gajo fizer o mesmo remate 10 vezes, provavelmente não marca de novo. Volto a dizer que, se o Benfica tivesse discutido o jogo, não aguentaria os 90 minutos como aguentou nem teria feito o jogo que fez na final da Liga Europa. Reparem as dificuldades em que estavam Enzo, Cardozo, contra um Chelsea que não faz a mesma pressão do Porto e que se limita bastante mais a contra-ataques.

      Sim, estou inconsolável e a não querer acreditar em tanto azar...

      Eliminar
    3. Zatopek, é claro que o Porto tentou. Essa é, aliás, a prova da sua incapacidade. É que tentou, tentou, mas não conseguiu, sequer, criar um lance de perigo. Até aos 90+2.

      Gorbyn, a final com o Chelsea prova precisamente o que te dizia no meu comentário ao jogo do Dragão: o Benfica poderia ter feito um grande jogo com o Porto e acabar por lhe acontecer o mesmo (perder nos descontos). Aconteceu isso com o Chelsea. A diferença é que no Dragão jogou pouco e com o Chelsea jogou muito. Em nenhum dos casos merecia a derrota, mas concordarás que só em Amesterdão merecia a vitória. Os adversários eram diferentes? Claro que sim. Mas é uma questão de mensagem, de estratégia, de ambição. Aquela entrada do Roderick passa uma mensagem de recuo, a meu ver, desnecessária.

      Eliminar
    4. Já agora, Zatopek, e quanto ao teu exemplo de sorte, lembro-me perfeitamente do lance, mas as más línguas dizem que não foi apenas sorte. Diz-se nos mentideros que o Ivkovic foi um dos que iniciou as visitas ao psicólogo a altas horas...

      Eliminar
    5. Koba, acho que ninguém estava a espera de um jogo com 10 ocasiões de golo. Além deste golo, que é feliz mas não fortuito, o Porto tem 2 remates de perigo (Varela e Moutinho) defendidos pelo Artur e um livre do Moutinho que foi cortado pelo jackson (?!?!) no meio de 2 jogadores do Porto. É pouco? Talvez... Mas incapacidade parece um pouco demais. Foi num detalhe que se resolveu o jogo. Típico dos clássicos. Just my oppinion.

      Gorbyn, concordo contigo. O Benfica não fez um mau jogo. Discutir o jogo pelo jogo com o Porto até poderia nem ser necessário, mas também dá a possibilidade de apenar um golo (que até poderia ter sido em fora de jogo e aí sim seria muito mau) deitar tudo a perder. Muito azar os golos serem aos descontos. Isso é indiscutível.

      Eliminar
    6. Koba, nos mentideros diz se tanta coisa. Mas a sorte que eu me referia era a bola tão mal cruzada ter batido no poste.

      Por falar em mentideros, hoje ouvi que o presidente do Paços foi a Amesterdão a convite do Benfica...

      Prefiro acreditar nos golos de sorte do que nos mentideros :)

      Eliminar
    7. Eh pá, quem sou eu para lembrar aos portistas os seus embates com o Benfica de JJ no Dragão, mas...
      - em 09/10, ano em que o Benfica de JJ até foi campeão, o FCP ganhou, se não estou em erro, por 3-1 e deu um banho de bola no Benfica a jogar 10 contra 11 (e só estava em causa a honra, não um campeonato);
      - em 10/11, foram 5-0;
      - em 11/12, o jogo ficou 2-2 mas com várias oportunidades desperdiçadas, se bem me recordo;
      - em 12/13... o Porto não entrou na área uma única vez.

      Daí a minha opinião de que o FCP não fez mais porque não conseguiu (também por mérito do Benfica, como é óbvio) e que um Benfica um pouco mais ambicioso arrumava o jogo e o campeonato (o que não fez também por mérito do Porto, como é óbvio).

      Já agora, o Benfica convidou todos os clubes menos o FCP por razões óbvias. O presidente do Sporting não pôde ir porque estava entretido a ver que treinador de 5ª linha é que vai buscar para substituir o único bom treinador que o Sporting teve desde o José Peseiro.

      Eliminar
    8. Uma correção ao meu parágrafo final: a única opção disponível (das que se tem falado) que não me parece de 5ª linha é o Leonardo Jardim. Se vier o Leonardo Jardim, menos mal.

      Eliminar
  2. Uma nota final: noutro dia vi um link da discussão do clássico entre o Rui Oliveira e Costa e o João Gobern no Trio d'Ataque (a propósito do ROC ter dito um disparate sobre uma conquista do Sporting em futsal).

    Achei curioso que o João Gobern (que ao contrário de muitos sportinguistas aprecio bastante, acho que é um tipo muito lúcido) dizia precisamente o que eu digo. E, curiosamente, era o ROC que dizia o que vocês dizem.

    Só para se perceber que não é por não estar envolvido na luta que digo o que digo. Há muitos benfiquistas que pensam como eu. E defendem, claro está, que o JJ continue, porque não é por um jogo (ou por dois jogos) que se avalia o trabalho de um treinador.

    ResponderEliminar