22/04/2013

Talento...mas não só


Embora existisse muita confiança entre todos os adeptosbenfiquistas, a verdade é que quase todos mantinham aquelas reservas de quemsabe como é imprevisível um derby e de quem viu um Sporting organizado adefender a igualdade frente ao Porto. Assim, não foi surpresa quando o ambienteinfernal que se vivia na Luz até ao apito inicial, viu a temperatura descersignificativamente quando se percebeu que os homens de Alvalade iam mesmo complicara vida ao Benfica e que este não conseguia colocar em campo a pressão, velocidadee assédio à baliza de Patrício que se desejava.

Mas como poderiam esperar outra coisa?! Sinceramente, aindatinha uma ténue (muito ténue mesmo) esperança de ver Jesus repetir o esquema táticode apenas um avançado com que entrou em Newcastle. Afinal de contas, já se percebeuque é assim que o Benfica melhor joga quando defronta equipas mais competitivas(ok, parem lá com as piadas, o Sporting vale mais do que o que foi com Sá Pinto e o belga) e que o jogo Sporting-Porto permitia retirar muitas ilações de como oSporting ia reforçar o meio campo e fechar os caminhos para a baliza. Ainda para mais, à medida que os jogos vãopesando nas pernas, mais difícil fica implementar uma tática que exige bastantedos homens do meio campo, laterais e alas. E este é o meu grande receio para ojogo com o Marítimo! Depois de uma jornada europeia, de uma viagem à Turquia,num campo complicado, voltaremos aos dois avançados? Como fez no ano passado emGuimarães? Nesse caso, temo que o Benfica fique demasiado dependente do talentoindividual dos jogadores e de uma elevada eficácia ofensiva para que saiavitorioso da Madeira e com o campeonato à sua mercê.

E foi isto o jogo com o Sporting. Uma primeira partehorrível, em que o Benfica não se conseguia superiorizar no meio campo, criardesequilíbrios, nem servir os homens da frente nas melhores condições.  Enquanto isso, o Sporting aproveitava o espaçopara contra-ataques enervantes. Na segunda parte, o Benfica nunca assumiu o jogo como a sua posição obrigava e o Sporting acumulou cantos e livres mas sem criar perigo a Artur em bola corrida. O quevaleu? A mais valia individual dos jogadores encarnados, a arbitragem deCapela, o esgotamento físico do Sporting a partir dos 70 minutos (nasubstituição de Dier foram muitos os jogadores que correram para o banco do Bruno de Carvalho como se este estivesse a pagar ordenados mas era só pela água) e a alteração de Cardozo porOla John. Pelo meio, alguns (poucos) lances em que o perigo rondou a baliza doSporting. 


Destaques:
- arbitragem horrível de Capela, com um critério largo que éo mesmo que dizer que não assinalou várias faltas evidentes. Tanto para um ladocomo para o outro, mas mais favorável ao Benfica que é bastante mais impetuosoa defender. Por outro, um penalty que realmente me pareceu existir de Maxisobre Capel e que, ao contrário do lance de Viola, seria numa altura crítica dojogo. Os outros são muito duvidosos mas não me chocaria se fossem marcados.
- Jesus deixa-me doido com esta teimosia (mesmo com todo omérito e melhorias que apresenta esta época). Quando corrigiu com a saída deCardozo, foi evidente a diferença mas acredito que só considere esta mudançaquando precisa de defender uma vantagem. Será que alguma vez terá aclarividência para o fazer se estiver a perder, percebendo que terá que ganharo jogo no meio campo para chegar à baliza contrária com maior segurança. Comestes jogadores não tenho dúvidas que é o melhor sistema táctico! Matic, Enzo,Gaitán, Salvio, Ola e Lima!
- Gaitán fez um jogo muito mau a maior parte do tempo mas feza assistência para os dois golos e da forma como o fez no segundo. Para suadefesa, o facto de não ter jogado a 10 a maior parte do tempo;
- Maxi e Luisão foram enormes;
- Matic foi o grande culpado por, mesmo assim, disfarçar asdebilidades. É de uma capacidade física impressionante, com um posicionamentocada vez mais irrepreensível e praticamente só sabe jogar bem. Não marcou nemfez assistências mas para mim, foi o homem do jogo.
- O melhor golo do campeonato aconteceu neste jogo;
- Cardozo tem mais garra a puxar pelo público do que acorrer.

E é isto. Ganhar ao Marítimo é o último grande obstáculo atéao título. Sendo assim, só pode ser para ganhar, dê lá por onde der.

Sem comentários:

Enviar um comentário