03/04/2013

De regresso (após o melhor momento da minha vida)





Uma explicação aos leitores: estive ausente por estar 100% concentrado no nascimento da minha filha, o que aconteceu no dia 19 de Março. O momento mais feliz da minha vida, como podem calcular. Nem sequer deu para estar minimamente atento ao futebol e ao Sporting. Deu apenas para ir votar no dia 23 de Março, ver os dois jogos da seleção e ver o jogo do Sporting em Braga. Voltarei a atualizar-me devidamente para voltar a produzir posts minimamente informados mas, por ora, os comentários são muito sumários. Ei-los:

1. Bruno de Carvalho é o novo presidente do Sporting. Deseja-se que seja o início de um novo ciclo na vida do clube. Deseja-se que Bruno de Carvalho tenha as capacidades exigidas para a liderança de uma instituição cuja dimensão ultrapassa (em muito) a que tem transparecido. Deseja-se que o clube estabilize, assuma aquilo que é, defina os seus objetivos e procure o melhor rumo para voltar a ter um lugar adequado à sua dimensão. Deseja-se, acima de tudo, que todos aqueles que pretendem atrapalhar a vida de Bruno de Carvalho por vendetta ou estratégia de poder fiquem sossegados e deixem o novo presidente implementar as suas ideias. Estarei, naturalmente, atento mas a primeira mensagem é de apoio. Não estou com o A, o B ou o C: estou e estarei sempre com e pelo Sporting.

2. A seleção nacional de Paulo Bento mantém um registo que pode surpreender muita gente mas a mim, como sabem, não surpreende nada. Eu não vou dizer, como nunca disse, que Paulo Bento tem um "campo de recrutamento" (como se diz agora) fantástico e que o aproveita mal. Isso não. Mas tem um campo de recrutamento bem melhor do que ele próprio pensa. Sucede que ele aplica a lógica Scolari (grupo fechado). Mas fá-lo com uma geração completamente diferente da de Scolari. Mesmo essa filosofia scolariana só rendeu em 2004 e 2006, quando ainda havia muitas opções de qualidade e se discutiam lugares na seleção. Em 2008, já com a seleção a perder alguma da qualidade do início do século e estando "desgastada" a base do meio-campo do FCP de Mourinho, foi o que se viu: apuramento muito complicado e eliminação nos 1/4 do Euro. Paulo Bento tem que perceber que tem que ser criativo nos particulares. Se o não for, nos momentos em que não tenha elementos importantes, a seleção ressente-se de forma demasiado clara. Um selecionador, digamos, menos conservador, teria deixado Moutinho no banco em Israel, lançando Viana. Paulo Bento não. Insiste e insistirá até ao fim com o 11 que tem na cabeça, desde que esses 11 se consigam locomover sem recurso a muletas. Porque também é um tipo com alguma sorte, agora que não tem mesmo mais opções para o centro da defesa no jogo com a Rússia, poderá lançar Neto que, por mera coincidência, jogou com o Equador, naquele que foi o único (único!) teste verdadeiramente sério que Paulo Bento promoveu relativamente a um "não-indiscutível". A ver vamos, mas acho sinceramente pouco provável que este selecionador consiga apurar esta seleção para o Brasil.

3. O Sporting venceu em Braga na segunda-feira, quando ninguém o esperava (eu por acaso apostei na nossa vitória, mas fá-lo-ia sempre porque nunca aposto contra o Sporting). Bom prenúncio para o novo presidente que se sentou no banco, ao lado do treinador. Jesualdo no fim disse que nem deu pelo presidente no banco e já foi criticado por todos. Eu não interpretei as declarações de Jesualdo nesse sentido: para mim, o que Jesualdo quis dizer é que o presidente não assumiu no banco uma postura institucional, sendo mais um sportinguista a dar apoio. O que é bom - esteve próximo mas não se impôs. Para mim esteve muito bem. Quanto ao jogo, se é verdade que, com um pouco mais de organização defensiva, tudo teria ficado resolvido na primeira parte (aquele primeiro golo é inacreditável), também é verdade que a segunda foi um festival de lances desperdiçados pelo Braga. Tivemos sorte e um Wolfswinkel em grande. Soube muito bem esta vitória, nem sequer estava nos planos realistas e são 3 pontos que vêm mesmo a calhar. Creio que, ainda assim, precisamos de mais 12 pontos para atingir o 5º lugar. Tinha previsto entre 45 e 48 como os necessários, mas de facto 42 devem chegar. A meu ver, o Rio Ave estatelou-se, o Estoril não vai ter pedalada e o Guimarães tem uma equipa tão jovem quanto a nossa mas sem a mesma qualidade, apesar de tudo. Assim, os adversários são o Marítimo e o Nacional. Considerando que recebemos o Nacional, podemos ter aí a nossa vantagem sobre um dos adversários. Quanto ao outro, não dependemos de nós, até porque temos desvantagem no confronto direto mas olhando aos dois calendários, diria que somos favoritos. Até porque com 30 pontos a descida está definitivamente fora de causa e os jogadores, libertos desse fantasma, vão render mais.

4. Dias Ferreira aborreceu-se e abandonou o Dia Seguinte, Barroso voltou ao registo lamechas pré-PMAG, ROC não ouvi mas de qualquer forma comentou antes do jogo de Braga. Sei que não depende apenas do clube, mas seria bom repensar a constituição destes painéis. Ou a renovação só é essencial na direção, caros comentadores?

PS: Uma (humilde) chamada de atenção ao Bruno de Carvalho: cuidado que já anda demasiada gente a falar... É verdade que fomos prejudicados pela arbitragem em Braga mas convenhamos que 2 lances não definem uma "perseguição", ainda para mais quando no segundo lance fiquei exatamente com a mesma impressão do árbitro (pareceu-me que o Joãozinho arrastou o pé para tentar cavar a falta). O lance do Capel, sim, pareceu-me evidente mas, caramba!, não é mais do que um erro. Um erro (admitamos que grave) em 90 e tal minutos. Vamos começar as contra-producentes campanhas caliméricas por causa de um lance?!

Sem comentários:

Enviar um comentário