22/03/2013

Benfica não pode encomendar as faixas de campeão mas...

(Hugo Tavares in coberturadefensiva.blogspot.pt)

O empate do FC Porto no Funchal deixa a via aberta para o Benfica conquistar o título. Como tão bem lembra o jornal i, desde 1987, quem liderava o campeonato a sete jornadas do fim foi campeão.
Mas isso não chega. Analisemos os calendários de ambos os clubes:

Académica (f), Sp. Braga (c), Moreirense (f), Setúbal (c), Nacional (f), Benfica (c), Paços Ferreira (f)
Rio Ave (c), Olhanense (f), Sporting (c), Marítimo (f), Estoril-Praia (c), FC Porto (f), Moreirense (c)

O mais relevante factor a dar nota: enquanto o Benfica vai jogar quatro vezes em casa, o FC Porto terá apenas três jogos caseiros, entre eles com Sp. Braga e o principal rival.

Poderá o Benfica encomendar as faixas? Eu diria que não. A recepção ao Sporting é sempre imprevisível, o orgulho dos "leões" costuma vir ao de cima nestes jogos. A deslocação ao campo do Marítimo - onde o FC Porto acabou de perder dois pontos - será muito complicada, mas é provável que os madeirenses se dêem pior com uma equipa parecida com a deles, que aposta em esticar o jogo nas transições rápidas. Quanto ao jogo no Dragão... mesmo com esta confiança toda, aposto que os adeptos da Luz preferem não arriscar e ir com os quatro pontos de avanço, pois sabem perfeitamente que o FC Porto tem mais estofo para estes jogos decisivos. Alguns até dizem "se bastar empatar, perdemos...". Chama-se respeito. E ninguém pode esquecer o fantasma dos cinco pontos de avanço do ano passado... sim, Jesus parece menos cientista e inventa menos mas...

O FC Porto terá deslocações dificílimas aos campos do Nacional e Paços de Ferreira, a sensação do campeonato. É essencial o FC Porto ganhar os dois próximos jogos porque o Benfica terá depois outros dois bastante complicados (Sporting e Marítimo), onde pode muito bem perder quatro pontos.

Os dois candidatos ao título continuam sem perder, mas o Benfica é mais forte na finalização e isso tem feito a diferença. Os encarnados têm mais oito golos marcados do que o FC Porto. Faz sentido se pensarmos na abordagem ao jogo, por vezes meio tresloucada, e na qualidade (e quantidade) dos avançados ao dispor de Jorge Jesus. Já no FC Porto causa estranheza a ausência de Liedson num jogo como o de domingo, onde era enorme a necessidade de um golo. A actual forma de Varela deixa muito a desejar. Otamendi continua a parecer-me um flop, não me convence. Atsu magoou-se quando finalmente ganhou a merecida titularidade. Izmailov parece ser mais um tiro no pé dos dragões, tal como Liedson, e pouco tem contribuído. James é um craque mas está com falta de andamento. Quem substitui Moutinho? ... A evidência? O plantel do FC Porto está mal desenhado e o clube deverá pagar caro por isso. Lembro ainda o empate caseiro frente ao Olhanense (18.ª jornada): o campeão nacional a precisar de mudar as coisas, num jogo que até começou a perder com um golo de Targino, e quem é que Vítor Pereira colocou em campo? Tozé (20 anos), Sebá (20) e Liedson. Dois jogadores inexperientes e um jogador "fora dela", como se costuma dizer em futebolês, para mudar o rumo do jogo. Incompreensível e pouco comum num clube como o FC Porto.

As próximas duas jornadas podem ditar o campeão. Se o FC Porto tropeçar com o Sp. Braga e o Benfica chegar aos seis pontos de avanço, está feito.

Falta referir ainda que a saída do FC Porto das competições europeias pode jogar a seu favor a nível físico, mas é provável que haja um sentimento de desilusão. O Benfica está e tem perspectivas de continuar na Liga Europa (Newcastle). Veremos se terá peso, Jesus tem surpreendido ao gerir a equipa.

O Benfica é favorito? Sim. Os quatro pontos de avanço legitimam esta vulgaridade aguda que acabei de escrever... mas também o calendário é favorável ao clube da Luz.

Sem comentários:

Enviar um comentário