09/05/2012

Outras conclusões do clássico


Sporting: faltou algum arrojo, a meu ver... à imagem do jogo da primeira volta, o Porto nunca conseguiu dominar o jogo, mas dava sempre a sensação que estava mais perto de controlar as coisas do que nós. Nunca foram melhores 11x11, mas nós também não fomos. Precisamos dos tais retoques na defesa (substituição de João Pereira, um central de classe) e, quem sabe, um touro com pés naquele meio-campo (onde ainda assim esteve toda a gente muito bem).

Porto: uma vez mais ficou provado que é Hulk e mais dez, mesmo a jogar contra dez e contra nove (contra uma equipa sem um dos centrais ou sem centrais de todo). Espero que o levem daqui para fora rapidamente porque claramente não tem substituto à altura. E por muito bons que sejam James e Iturbe, são miúdos (e ainda vão levar o seu tempo a estabilizar o rendimento ao longo de 30 ou 34 jornadas). Já agora, sei que os adeptos do Porto têm mania que são mais exigentes do que os outros porque ganharam mais nos tempos mais recentes, mas aos que vão ao estádio e assobiam Hulk a cada lance falhado eu não chamaria exigentes, simplesmente chamaria estúpidos.

Arbitragem: não percebo tantas queixas dos sportinguistas, não percebo mesmo... foi um jogo que correu mal, em que de repente ficámos com 9 sem saber muito bem como, mas as expulsões são compreensíveis. Na de Onyewu refere-se que o primeiro lance de amarelo não se justifica, e concordo com isso. Mas quem já tem um amarelo, justo ou injusto, não pode fazer aquela falta que dá origem ao segundo (ainda para mais um jogador com a experiência de Onyewu). Quanto ao lance de Polga, dizem-me que é amarelo face às regras do jogo (a finta é para o lado e ainda há jogadores na linha de baliza). Mas, caramba!, o gajo estava a 2 metros da linha de baliza, se aquilo não for vermelho não sei o que será...

Patrício: voltou a aguentar o que podia, sem responsabilidade nos lances dos golos. Espero bem que renove por muitos e bons anos. Se não renovar, que seja transferido por verba suficientemente compensatória, porque se trata de um GR com grande futuro. E que a subtituição seja devidamente acautelada, porque igual certamente não vamos encontrar.

Pereirinha: grande jogo, faltou só conseguir parar Hulk no lance do primeiro golo evitando sofrer (ingenuamente) a falta que Pedro Proença não percebeu que existiu (e eu também não). Pode ser opção para lateral direito (e apenas nesta posição) no próximo ano, caso se entenda que Cedric e Arias não estão ainda preparados para estas andanças.

Polga: poderia ter-se despedido em grande (recordo que graças ao vermelho terá sido o último jogo para o campeonato pelo Sporting) com um monumental golo a "coroar" uma exibição de luxo, mas nesse lance foi perseguido pelo azar que não o larga e a bola bateu no poste. E depois, no lance do penalty, tem uma entrada inacreditável para um jogador com a sua experiência. Uma vez mais, a costumeira polguice: 80 minutos de luxo, 5 segundos fatais de descontração. Não dá mais, não dá mesmo. Deixa a Bruna e põe-te a milhas.

Carrillo: palavra final para o menino de rua. Enquanto foi possível, fez as suas travessuras, deixando Alex Sandro com a clara noção de que ainda vai ter que pedalar muito para ser um Álvaro Pereira. No dia em que o menino peruano aprender a definir o último passe ou finta, vai ser jogador de nível mundial, já o disse aqui centenas de vezes. Por agora, prefiro que não o faça bem em todos os lances, porque no dia que o fizer será imparável e deixará o Sporting. Não duvidem.

Sem comentários:

Enviar um comentário