23/04/2012

Agora Jesus?!

Pois, parece que só agora os assobios e críticas conseguem ser mais audíveis na cabeça de Jesus do que o seu próprio ego. Só agora e muito provavelmente demasiado tarde. A proximidade de eleições presidenciais somada com as míseras conquistas de duas taças da liga nas últimas duas épocas e com as terríveis humilhações da época passada ainda bem frescas na memória, devem estar a levar Jorge Jesus a aumentar as doses de bom senso para os últimos jogos e assim garantir a sua continuidade na próxima época. Foi a sensação com que fiquei mas teremos que esperar pelo próximo jogo para confirmar se o bom senso veio mesmo para ficar até ao final da época. As decisões do onze inicial que me levaram a fazer esta introdução:
- Capdevila:não vale a pena dizer muito mais, só mesmo JJ não aceitava que isto seria o normal. Não defende melhor que o brasileiro (embora tenha a certeza que, em situações de limite ou risco, a sua experiência não permitiria cometer erros como o que ditou a expulsão de Émerson contra o Porto) mas a atacar é muito melhor, facilitando a vida do homem que joga à frente do defesa-esquerdo. Émerson deve ter ficado incrédulo ao perceber que um lateral esquerdo pode entrar dentro da grande área adversária e até tentar o golo;
- Matic: depois do jogo contra o Chelsea era a aposta de muitos contra o Sporting. Mesmo sem Aimar disponível nem sequer saiu do banco. Jogou agora a titular para o campeonato sem que Javi estivesse castigado ou lesionado. Mesmo tendo em consideração que o espanhol deve ter feito o seu pior jogo de sempre contra o Sporting, é de assinalar;
- Nolito: apesar de ser seguramente o jogador que, jogando nas alas, mais golos marca e de, apesar de não ter visto estatísticas que o comprove, acreditar que também seja o jogador com mais assistências, nunca recebeu o aval do treinador e foi sempre a terceira escolha. Num post anterior, referia que era uma consequência de não ser um jogador escolhido pelo treinador (ao contrário de Bruno César) e esse foi mais um grande erro. Numa bela noite de sexta de copos entre amigos (que incluía o meu parceiro de blog Zatopek) assinalava esta capacidade incrível do espanhol que não tinha sido devidamente aproveitada e, no dia seguinte, não deixou de assinalar dois golos e duas assistências. Obrigado Nolito; 
- Saviola: não seria a minha escolha pois preferia sempre jogar com 3 médios, mas fez todo o  sentido premiar o argentino pelo golo na final da Taça da Liga. Apesar do excelente passe para o segundo golo de Nolito, este jogo do argentino apenas veio reforçar a ideia de que já não terá condições para continuar mais uma época. 






Quanto ao jogo, uma entrada fortíssima do Benfica que levou a que, por volta dos 10 minutos, já pudesse estar a vencer por 3 golos (e até estou a ser algo conservador). Mas os golos lá surgiram e depois o Benfica limitou-se a gerir até ao intervalo. Na segunda parte, o Benfica entrou descansado demais e o Marítimo reduziu a desvantagem, que só não aconteceu mais cedo porque Artur esteve em grande plano. Mas o Benfica não demorou muito a dilatar a vantagem e assim acabou por ser uma vitória tranquila. 


Como destaques positivos, obviamente Nolito e Artur. Do lado inverso, Cardozo e Bruno César. O paraguaio porque esteve apagado e está a acusar a seca de golos e o brasileiro porque, apesar do golo, poucas jogadas tinham continuidade nos seus pés. 


Os No Name estiveram de greve na primeira parte e marcaram a segunda parte com cânticos contra Vieira. Há alturas melhores para o fazer, nunca durante um jogo quando ainda há objectivos para o cumprir (provavelmente, não o que mais desejava, mas ainda há um segundo lugar bastante importante). Estranho, mesmo assim, que tenham sido todos dirigidos exclusivamente ao presidente.


A seguir, Rio Ave. Apenas confirmarei a vitória do bom senso se, no jogo com o Rio Ave, Capdevila e Nolito continuarem a titular e Aimar jogar com mais dois médios. 

Sem comentários:

Enviar um comentário