30/03/2012

From Ukraine with love


Antes de mais: não escrevi nada sobre o Sporting-Feirense porque adormeci a meio do jogo e só voltei a acordar quando Wolfgang Stark apitou para o início da segunda-parte do Sporting-Metalist. O efeito provocado pelo pior jogo a que assisti em Alvalade este ano bate o de qualquer anestesiante utilizado em cirurgias. Sugiro que se poupem recursos ao Estado e se passe a utilizar, para o adormecimento de pacientes antes da cirurgia, o visionamento do jogo, especialmente entre o minuto 25 e o minuto 80. Se não resultar, tentem a primeira parte do Sporting-Metalist. Se ainda assim não resultar, ponham os pacientes a ler os meus posts da altura em que o Domingos foi despedido.
Quanto a ontem, é tudo muito simples:
1. O Metalist é bem melhor do que a imprensa e comentadores ressabiados com a eliminação do City quiseram fazer crer, mas parece-me uns furos abaixo daquilo que eu antecipava. Tem dois ou três bons jogadores (Taison, Sosa, Cristaldo), mas uma defesa permeável. Pensei que Torsiglieri se estivesse a afirmar na Ucrânia como um jogador diferente, mas não, é o mesmo e joga exatamente o mesmo que jogava por cá. O que demonstra duas coisas: (i) se calhar não ficávamos assim tanto a ganhar com o argentino relativamente ao Polga (mantenho que Polga tem que sair mas acho que este rapaz não faria muito melhor); (ii) se este Torsiglieri é titular na defesa do Metalist, os suplentes não devem ser grande coisa (e como ambos os centrais que ontem jogaram ficam fora do próximo jogo, provavelmente a defesa, por lá, vai dar uma abébia ou outra que podemos aproveitar).
2. Na primeira parte o Sporting não quis pegar no jogo para evitar os contra-ataques adversários, mas lá terá que controlar o jogo melhor. O Metalist deixou a coisa correr, tal como nós, e a verdade é que esteve melhor. Em casa vai jogar com Devic no lugar de Cristaldo, ou com ambos, estando o primeiro mais fixo. Ou seja, além do flamboyant game praticado a meio-campo, terá uma provável referência na área que lhe permitirá empurrar o Sporting mais para trás. Não podemos permitir. Temos que entrar na 2ª mão com a atitude da 2ª parte de ontem.
3. O Sporting tem que ser muito mais eficaz no último passe. Falhar golos todos falham, mas é incrível a quantidade de lances que são desperdiçados por falta de sincronização no último passe, especialmente em contra-ataque. Ou a bola vai para o espaço e o jogador parou, ou vai para o pé e o jogador correu, ou vai para o flanco direito e João Pereira tira aqueles cruzamentos que até o Quim Berto aliviaria de cabeça, enfim, tem que se treinar muito mais estas situações, designadamente quando em superioridade numérica, e dar aos jogadores mais liberdade para arriscar o remate quando em boa posição (ontem se Carrillo arriscasse de pé esquerdo seria um golão).
4. O evidente penalty marcado contra o Sporting tem o condão de não deixar adormecer os jogadores à sombra de uma vitória que, parecendo fácil, resultou de dois dos três primeiros lances verdadeiramente perigosos que o Sporting criou. Em 3 chances, 2 golos. Não acontece sempre, meus caros. O redes do Metalist fez uma defesa complicada em todo o jogo. Não houve um domínio da partida que justificasse o 2-0 (sendo verdade porém que, após o segundo golo, o Sporting quis efetivamente justificar o resultado e o golo a finalizar tenha tido um travinho a injustiça).
5. Na Ucrânia vamos ganhar novamente. Acreditem no que digo. Vamos ganhar novamente, e até digo que ganhamos novamente por 2-1. Acho que Capel está a precisar de banco, acho mesmo. E acho que seria o jogo ideal para Jeffren. Acredito que este último será o homem do jogo. Não tenho muitas fezadas destas mas quando tenho normalmente acerto. Espero que se mantenha a tradição. Mas vamos sofrer, porque sem sofrer não tem graça nenhuma...
6. A foto da Miss Ucrânia é dedicada a Insua (grande jogo), Carriço (muito bem), Izmailov (parece o da primeira época, fantástico!) e Renato Neto (entrou muito bem no jogo). E também ao Gorbyn, que esteve em Alvalade e voltou a dar sorte (da outra vez que foste, comigo, ganhámos 1-0 ao Rio Ave com um golo no último minuto do Abel).
E venha sei lá quem no campeonato para rodar a equipa e, já agora, continuar na senda das vitórias!

1 comentário:

  1. Já tinha feito a promessa de que, se o Benfica vencesse o Braga, não deixaria de estar em Alvalade. Agora que falas nessa relação entre a minha presença e a vitória do Sporting, começo a ficar na dúvida...

    A primeira parte foi uma seca tão grande que só as cervejas conseguiram compensar. Melhor na segunda parte e uma grande jogda no primeiro golo. Izmailov é mesmo grande jogador, Schaars parece que não sabe jogar mal e Patrício continua a evitar golos. João Pereira fartou-se de errar e, de uma forma geral, parece que as pilhas estão um pouco gastas, sendo o Matias o melhor exemplo.

    Do ponto de vista do Benfica, era importante que o Sporting fosse à Ucrânia com a necessidade de correr e suar para que esta condição física consiga ser, por incrível que pareça, ainda pior que a nossa. Com o 2-1, não deverá deixar de acontecer.

    Sá Pinto é mesmo um homem que jogava e que agora orienta para as bancadas. Chega ao ponto de, tal como um jogador que após sair ouve um cântico com o seu nome, agradecer com gestos às claques, só que isto acontece enquanto o jogo está a decorrer.

    Gostava que o Sporting passasse mas o meu egoísmo leva-me a não esquecer que se for eliminado, estará mais fresco para Porto e Braga...

    ResponderEliminar